quinta-feira, 30 de julho de 2015

UMA PEQUENA HOMENAGEM DIANTE DO GRANDE AVANÇO CULT QUE JOHN LENNON CONSEGUIU PARA O SER HUMANO

Yoko Ono e U2 inauguram painel nos EUA em homenagem a John Lennon: a arte é um submarino amarelo, pilotado por ele e bem que poderia ser visto até como a nave do planeta Terra...


The Edge, Bono e Yoko Ono em nome de dezenas de outros músicos e produtores culturais, não só dos Estados Unidos, apresentaram um painel do artista Peter Sis da Tchecoslováquia em homenagem a John Lennon em Nova York. Eles inauguraram um grande painel em homenagem a Lennon que ficará instalado em NY, cidade que decidiu dedicar o dia 29 de julho à memória do músico, poeta, artista e líder cult do pacifismo e da cidadania: "Este é um dia feliz para nossa família, hoje nosso John é reconhecido pela cidade que tanto amou", disse Yoko durante o ato, ela pediu que os presentes se esforçassem para tornar realidade o famoso verso "um mundo no qual todos vivam em paz" que Lennon cantou em "Imagine", uma das canções imortais que John Lennon criou e que hoje sintetiza o sentimento de muitos que lutam pela paz em todo o planeta. "A maior homenagem a Lennon será realmente avançarmos a paz e a condição humana de vida pelo que ele lutou com dedicação total e com todo talento", comentou por aqui no nosso blog da Não-Violência, Folha Verde News, o nosso editor, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha: "Muitos de nós ainda hoje somos irmãos ou filhos do grande John, nossa geração ainda precisa tornar realidade os sonhos dele e de todo ser humano do bem",
The Edge (de gorro), Bono e Yoko Ono apresentam, nesta quarta-feira (29), painel em homenagem a John Lennon em Nova York (Foto: Eduardo Munoz/Reuters)
O submarino amarelo de Peter Sis pilotado por Lennon e inaugurado por seus amigos

 
Ele amava New York e lutava pela paz no planeta Terra



Aqui, na época com Yoko Ono...





Os seus amigos do U2 tentam manter viva a luta pela justiça e pela paz nesses tempos de agora


Yoko Ono não é a única viúva de Lennon mas todos os que de todas as gerações e de todos os países que  continuamos indo à luta pela liberdade, justiça e paz


John Lennon nos deixou também pouco conhecidos desenhos críticos como uma herança cult


"Pensemos em paz, façamos paz, estendamos a paz e aí juntos vamos conseguir", disse a viúva de John,  ex-Beattle e líder sempre deste movimento de cidadania planetária. A cerimônia aconteceu na ilha de Ellis, a pouca distância da Estátua da Liberdade, e que durante décadas vem sendo o principal ponto de entrada da imigração aos Estados Unidos. "Durante muitos anos, a ilha de Ellis foi símbolo da tolerância democrática  dos Estados Unidos com aqueles que chegavam a suas margens", declarou no ato o secretário-geral da Anistia Internacional, Salil Shetty. "É nossa esperança que este belo painel instalado neste lugar com tanto significado sirva de recordação para estender a mensagem de paz e amor de John Lennon a todos aqueles que deixam suas casas, suas famílias e seu país na busca de uma vida melhor e da paz", acrescentou Shetty.
A organização encarregou originalmente a confecção do painel para agradecer Yoko Ono pela permissão para gravar versões de canções de John Lennon, com cujos direitos a Anistia Internacional já obteve até agora 5 milhões de dólares. Mesmo morto, Lennon continua trabalhando pela liberdade, justiça e paz.
A obra foi apresentada hoje por Bono e The Edge, que junto ao empresário musical Jimmy Iovine, a doaram à fundação que administra a ilha de Ellis, onde estará exposta temporariamente até 14 de agosto e onde será exibida de forma permanente a partir de 2016. O painel, de grandes dimensões, representa a Ilha de Manhattan como um submarino amarelo pilotado por Lennon e foi desenhado pelo artista tcheco Peter Sis. A cidade de Nova York, por ordem do prefeito Bill de Blasio, declarou que a partir de ontem 29 de julho será para sempre Dia de John Lennon, para lembrar o artista, que se instalou na "Big Apple" em 1971 e viveu ali até seu assassinato em 1980. Ele continua vivo em suas canções e no exemplo de sua vida, que teve alguns tormentos e muitas alegrias, mas o maior legado de John Lennon é a sua luta contra toda forma de violência e a favor da paz. Uma luta superatual, com certeza. A mídia sentiu a falta neste evento simbólico dos seu ex-parceiro dos Beatles, Paul McCartney, todos entenderam a ausência forçada de George Harrison e aceitaram bem as desculpas de Ringo Starr por estar distante do ato: "Meu coração e minha alma estão ai com o John". É mais ou menos o que pensam hoje, estejam onde estiverem, todos os garotos que amavam os Beatles e os Rolling Stones como a gente, herdeiros de John aqui no Brasil no movimento ecológico, da cidadania e da paz.


Fontes: Agências de Notícias EFE e Reuters
             www.g1.globo.com
             www.folhaverdenews.com


5 comentários:

  1. Agradecemos aqui amigos jornalistas que nos enviaram em primeira mão notícias sobre a homenagem a John Lennon em Nova Yorque, conforme foram divulgadas pelas agência EFE e Reuters.

    ResponderExcluir
  2. "Eu deveria ter publicado esta matéria ontem, dia mundial de John Lennon, mas todo dia é dia, mesmo porque a data verdadeira deste cara só existirá quando a gente conseguir tornar realidade o seu sonho de paz na Terra", comentou por aqui no blog o nosso editor, também pacifista, Padinha.

    ResponderExcluir
  3. Logo mais estaremos postando aqui mais informações e também alguns comentários que já recebemos, sobre este evento ligado a John Lennon e à luta pela liberdade, justiça e paz, aguarde e participe.

    ResponderExcluir
  4. Você pode postar diretamente aqui nesta seção do blog o seu comentário, opinião ou mensagem. Outra opção é você enviar o seu e-mail para a nossa redação navepad@netsite.com.br e/ou ainda mandá-lo direto pro nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Acho que o legado de John Lennon está bem sintetizado na expressão que foi usada neste blog, cidadania planetária": a mensagem foi a primeira a chegar aqui no blog, tendo sido enviada pelo musicólogo Estêvão Maya, formado pela Universidade Federal da Bahia e atuante em São Paulo como líder da música negra.

    ResponderExcluir

Translation

translation