segunda-feira, 3 de agosto de 2015

ONU DESTACA UM DIREITO DE TODOS: ÁGUA, SANEAMENTO E SAÚDE AMBIENTAL

"Precisamos tornar possível o direito à água e ao saneamento uma realidade para todos", diz especialista brasileiro da ONU, Leo Heller, um respeitado líder de cidadania em BH e no mundo


No quinto aniversário da resolução da Assembleia Geral  da Organização das Nações Unidas sobre o direito humano e fundamental à água e ao saneamento, o brasileiro e mineiro professor Léo Heller disse que "a a oportunidade para alcançar tal meta estão entre os objetivos do Desenvolvimento Sustentável". Ele é hoje um destaque no site de assuntos sociambientais EcoDebate, abrimos nosso webespaço para esta pauta de extrema validade e importância por aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News.



esgoto
Casas à beira da Via Estrutural, no Distrito Federal: direito ao saneamento foi declarado consagrado pela Assembleia Geral da ONU em 2010 (foto: Elza Fiúza/ABr)


Apesar do grande desafio, professor Léo tem otimismo que os objetivos sustentáveis serão conquistados



Marcando o quinto aniversário da resolução da Assembleia Geral da ONU sobre o direito humano à água e ao saneamento, o relator especial das Nações Unidas sobre o tema, o brasileiro Léo Heller, reiterou que apesar de grandes desafios, transformar esse direito em realidade é possível:  "Cinco anos atrás, num dia como hoje, os Estados-Membros das Nações Unidas reconheciam explicitamente o direito humano à água e ao saneamento. E isso significa que, como um direito fundamental humano, todas as pessoas, sem discriminação, devem ter acesso à água potável e ao saneamento, que precisa ser acessível, aceitável, disponível e segura". "Em resumo se trata da saúde ambiental, das pessoas e do meio em que vivem", comentou por aqui no blog da gente o nosso editor, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Padinha.

Pesquisador e ambientalista o brasileiro e mineiro professor Léo Heller


O relator especial Léo Heller lembrou que ainda há um longo caminho a percorrer para tornar este direito uma realidade para todos, para ter um mundo onde o acesso universal à água, ao saneamento e à higiene seja atingido por todos os que vivem por exemplo em assentamentos informais. Citando o conjunto de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que deverão ser adotados pelos países em setembro, Heller destacou que esse acordo global representará uma oportunidade para chegar a esta realidade nos próximos 15 anos, através do forte empenho de todos os países. "Com uma forte vontade política, isso é possível, emora tenhamos que ter a paciência de esperar esta chance". Léo Heller é o segundo relator especial da ONU sobre o direito humano à água potável e ao saneamento, nomeado pelo Conselho de Direitos Humanos, em novembro de 2014, quando fizemos por aqui em nossa página um post especial sobre esta pauta. Heller atualmente é pesquisador na Fundação Oswaldo Cruz, no Brasil. Anteriormente, ele havia sido professor do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da Universidade Federal de Minas Gerais, no Brasil entre 1990 e 2014, destacando-se por sua luta ambiental e de cidadania em BH. 


Fontes:  www.ecodebate.com.br
              www.folhaverdenews.com 

9 comentários:

  1. O professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) substituiu a ambientalista portuguesa Catarina de Albuquerque, que exercia o mandato nesta função na ONU desde 2008, informava a nossa matéria na ocasião da eleição de Léo Heller.

    ResponderExcluir
  2. Heller foi indicado ao cargo pelo presidente do Conselho de Direitos Humanos da ONU, Baudelaire Ndong Ella, no fim de setembro de 2008. Ele expliou então que o processo para escolha foi longo e que concorreu ao cargo com mais de 20 pessoas de várias partes do mundo. O pesquisador nascido em Belo Horizonte conta que soube da notícia pela imprensa e por amigos, antes de ser oficialmente comunicado pela ONU, disse então ao nosso blog.

    ResponderExcluir
  3. De acordo com Heller, entre as tarefas fixas do relator especial está a realização de, no mínimo, duas missões oficiais em locais onde há indícios de violação de direitos humanos relacionados a água e saneamento. Ele deve também elaborar recomendações para governos, para as Nações Unidas e para outras entidades interessadas sobre o tema por mais um ano de mandato, uma posição importante para o movimento ecológico, científico e de cidadania do Brasil em nível de planeta.

    ResponderExcluir
  4. Poste aqui alguma sugestão ou problema de sua região ou pode também enviar sua mensagem para nossa redação navepad@netsite.com.br e/ou ainda direto pro e-mail do nosso editor padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. Através da Unic (assessoria de imprensa e de comunicação da ONU) enviaremos este post e os comentários ao Professor Heller.

    ResponderExcluir
  6. "Passei por lá há cerca de 2 meses, o norte de Minas tem muitos problemas de saneamento e de água, creio que deveria ser prioridade para este brasileiro na ONU": é o e-mail que recebemos de José Francisco, que atua em toda Minas Gerais como representante de produtos químicos.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. "Vai ser difícil, mesmo com toda capacidade e boa vontade do pesquisador Leo Heller, haver uma mudanças de posição dos governos, que têm se mostrado pouco efetivos no respeito ao direito de água, saneamento, saúde da população e do ambiente": a opinião é de Camilo Bianchi, engenheiro florestal na região de Campínas (SP).

    ResponderExcluir
  9. "Depois dessa tomada de posição da ONU a gente espera que haja mudanças na realidade do saneamento e da saúde pública": quem comenta é Isidoro Pereira Borges, de São Paulo (SP), empresário de e-commerce.

    ResponderExcluir

Translation

translation