terça-feira, 15 de setembro de 2015

FRANÇA E ONU QUEREM MOBILIZAR CHEFES DE GOVERNO DE TODO MUNDO PARA CÚPULA DO CLIMA JÁ COMEÇAR COM PIQUE TOTAL

O sucesso da COP21 interessa a todo ecologista, a todo cientista, a todo país e a todo ser humano


A Ministra do Clima da França já está indo à luta pelo sucesso da COP21

O Governo da França, ouvindo ponderações da ONU neste sentido, está elaborando os convites a chefes de Estado e Governos do mundo inteiro para que participem da abertura da COP21, a conferência do clima de Paris, em 30 de novembro. A decisão do presidente François Hollande e do chanceler Laurent Fabius inverte o formato tradicional desse tipo de encontro internacional, é que cúpulas internacionais são precedidas de dias de negociações intensas entre diplomatas, seguidas de decisões de alto nível, tomadas por ministros. Chefes de Estado somente costumam participar no último momento, geralmente para dar sua bênção a um acordo já fechado, fazer um discurso político, tirar uma foto coletiva (chamada de “foto de família”) e ir embora para o seu país. Uma exceção importante e que foi provável causa da mudança de atitude do governo francês, foi a COP15, a conferência do clima de Copenhague, em 2009. Maior encontro de chefes de Estado da história, Copenhague assistiu em seus dias finais a um mico político. Quando os líderes mundiais começaram a chegar, a três dias do encerramento (que deveria culminar com o anúncio de um acordo do clima “justo, ambicioso e legalmente vinculante”, não havia nada acertado entre diplomatas ou ministros). Presidentes e primeiros-ministros viram-se, assim, na delicada tarefa de negociar às pressas um acordo. O então presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, reclamou em seu segundo discurso em Copenhague de que jamais imaginou que fosse ter que fazer uma coisa daquelas num tema de tamanha importância. Ainda bem que no final, os Estados Unidos, União Europeia, Brasil, China, Índia e África do Sul costuraram um acordo político – o Acordo de Copenhague – que terminou a conferência sem o conteúdo nem mesmo ser oficialmente adotado pela plenária como resultado formal. Os líderes cancelaram a “foto de família” e mais ou menos fugiram da capital dinamarquesa antes do final de fininho, pelas portas do fundo. Falando a jornalistas na virada da semana em Bonn, durante o encerramento  que já prepara a COP21, a embaixadora da França para o clima, Laurence Tubiana, afirmou que a presença dos chefes de Estado já no dia 30 em Paris ajudará a dar o “impulso político de que precisamos no final desde a abertura do encontro que precisa chegar a resultados objetivos". Ela disse isso, levando em conta o valor das decisões dos países para evitar um caos no clima, no ambiente, no planeta, o que acontecerá se a cúpula de Paris não der em nada. Devido a esta posição positiva, Laurence Tubiana ganhou apoio dos ecologistas e cientistas. 

Uma solução sustentável da crise climática e ambiental é o que esperamos da COP21

Segundo Laurence Tubiana, do meio ambiente da França, "o formato que está sendo proposto deve criar algumas complicações para o processo, mudar o costume, quebrar a rotina destes encontros mundiais mas a melhor solução é usar a capacidade política máxima desde o início do encontro".  “Nós sabemos que, mesmo que estivermos satisfeitos com o ritmo das negociações, nós certamente teremos muita coisa ainda para fazer em Paris. O que todos temos para fazer é complicado, é um texto legal, não uma declaração política”, disse Tubiana: "Vamos precisar de energia e determinação. E nada pode ser melhor para dar essa energia aos ministros do que os chefes do seu país dizendo, "olha só, pessoal, nós queremos esse acordo, queremos que ele seja ambicioso, equitativo, inclusivo e vocês precisam avançá-lo e entregá-lo em 11 de dezembro". É porisso que o Presidente francês Hollande deve aproveitar a próxima Assembleia-Geral das Nações Unidas, agora dia 28 de setembro, para reforçar o convite aos líderes mundiais. Segundo Laurence Tubiana, neste momento, não se está imaginando nenhuma declaração política formal dos presidentes mas um documento de verdade. Ela concluiu que "essa postura é uma grande contribuição, é o momento certo, vamos ter de organizar isso, é trabalhoso articular mas não é tão difícil assim, ainda mais levando em conta os objetivos maiores da COP21". Por aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News o nosso editor ressalta esta posição valiosa que Laurence Tubiana está tendo, a bem do próprio planeta: o repórter e cologista Antônio de Pádua Padinha ao editar estas informações comentou que "realmente, o sucesso da COP21 interessa a todo ecologista, a todo cientista, a todo país e a todo ser humano, tudo tem que ser feito". 



Se a COP21 não der em nada é bom os terráqueos irem se preparando para mudar para Marte..

Fontes: Observatório do Clima
             www.envolverde.com.br
             www.folhaverdenews.com 

10 comentários:

  1. Em seguida, estaremos postando por aqui no blog, dentro desta pauta sobre a COP21 no fim de ano na França, mais informações e os eventuais comentários. Aguarde a nossa edição e poste aqui desde já a sua mensagem.

    ResponderExcluir
  2. Você tem também outra alternativa, caso não consiga postar a sua mensagem diretamente nesta seção, mande um e-mail com a sua opinião, comentário ou mensagem para a nossa equipe de redação desde blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Há ainda a opção de você enviar a sua mensagem diretamente para o nosso editor de conteúdo pelo e-mail padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Com certeza, tem todo sentido esta legenda da ilustração que mostra um preparativo pro ser humano ir para Marte. Ou os governos e autoridades governamentais ouvem os ecologistas e cientistas ou cada vez mais a Terra ficará inviável, com o caos do clima": é a mensagem que nos enviou Alma Alice, expert em Tecnologia da Informação, que é de Santos (SP).

    ResponderExcluir
  5. "Acho que o slogan da COP21 deveria ser: ou vai ou racha": esta é a opinião de José Araújo, empresário, quer atua em São Paulo (SP).

    ResponderExcluir
  6. "A COP 21 ( Conferência do Clima – Paris 21, como vem sendo chamada), antecipadamente alguns países, também o Brasil, assumiram um compromisso de ampliarem em 20% as fontes de energias renováveis até 2030. precisa ver se cumprem pelo menos isso": é o comentário de Ana Maria Mendes, de Belo Horizonte, que faz pós-graduação na PUC de Minas.

    ResponderExcluir
  7. "Não sei não se diante de tantos interesses que não os ecológicos, haverá um acordo sustentável e equilibrado na COP21, em novembro/dezembro 2015 em Paris. A Presidenta Dilma acenou que vai levar lá a proposta de desmatamento zero até 2030, priorizando uma política de reflorestamento no Brasil, mas por enquanto são promessas e compromissos formais, os países têm que ser responsabilizados pelos seus crimes ambientais e por um eventual caos do clima na Terra conforme a omissão de cada um": quem comenta é Júlio Arantes, professor de História, que é de Curitiba (Paraná) mas no momento trabalha no Mato Grosso.

    ResponderExcluir
  8. "A COP 21 é para que os países não só falem mas tomem atitude para uma uma despoluição global. Os EUA enviaram à ONU a meta nas negociações sobre o clima de reduzir entre 26% a 28% em relação aos níveis de 2005 as suas emissões de efeito estufa. Eu acho ainda pouco mas o pior é que são por enquanto só boas intenções, espero que sejam mesmo efetivadas na COP21": a mensagem é de Flávia Monteiro, do Rio de Janeiro, que se identifica como ecologista e esportista.

    ResponderExcluir
  9. "A Encíclica do Papa Francisco foi muito falada e ganhou repercussão diante a proximidade da Conferência do Clima: agora não dá mais, é urgente mudar a estrutura dos países e das pessoas": quem nos enviou este e-mail foi Antonio Bertoldi, de Bauru (SP), especializado em estudos agronômicos do Café: "Torço prá COP21 virar o jogo".

    ResponderExcluir
  10. A ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira informa que o Governo do Brasil tem consultado a sociedade, os setores interessados, já fez rodadas de consultas com segmentos da sociedade civil, como movimentos ambientalistas, sociais e também com o setor privado, para elaborar a proposta brasileira para a Conferência di Clima.

    ResponderExcluir

Translation

translation