domingo, 11 de outubro de 2015

GRANDE ACORDO COMERCIAL DA AMÉRICA DO NORTE COM A EUROPA PREJUDICARÁ AS EXPORTAÇÕES DO BRASIL

8 comentários:

  1. Por ser uma pauta superimportante, também para o Brasil e também para nossa região, exportadora de café e de calçados, a seguir aqui nesta seção de comentários, mais informações sobre esse assunto, a partir de uma notícia postada hoje no site Opera Mundi. Confira.

    ResponderExcluir
  2. TTIP é a sigla em inglês para Transatlantic Trade and Investment Partnership ou, em português, Tratado Transatlântico e Aliança de Investimento, um acordo entre a União Europeia e os Estados Unidos, debatido desde 2013, que pretende criar a maior zona de livre comércio do mundo. Ceta é a sigla também em inglês para Comprehensive Economic and Trade Agreement, ou Abrangente Tratado Comercial e Econômico, acordo comercial que pretende “remover 99%” das barreiras alfandegárias entre Canadá e União Europeia.

    ResponderExcluir
  3. Estampados nas bandeiras dos 250 mil pessoas que protestaram no sábado na capital alemã, os acordos TTIP/Ceta entraram definitivamente na agenda política local. É uma sopa de letrinhas que, para os manifestantes, negocia em segredo ameaças aos postos de trabalho, ao Estado de bem-estar social, aos serviços públicos, ao meio-ambiente e à segurança alimentar na Europa, informa o repórter Roberto de Almeida, de Berlim.

    ResponderExcluir
  4. No texto da matéria postada em nosso blog tanto a Associação do Comércio Exterior do Brasil como a Fundação Getúlio Vargas advertem que este canal de livre comércio sendo aberto entre os Estados Unidos com 12 países, inclusive da Europa, em especial, Alemanha, fará cair em 5% as exportações brasileiras, no caso dos manufaturados, menos 35%, o que pode estrangular por exemplo a indústria calçadista de Franca (SP) e de todo o país.

    ResponderExcluir
  5. Nesta semana, 3 milhões de europeus assinaram abaixo-assinado contra estes acordos. “A coisa vai muito mal”, lamentou Hans-Jürgen. “Isso de comércio livre não é bom porque não significa comércio justo. Além disso, os norte-americanos estão querendo nos afastar da Rússia e dos países do Leste Europeu, com quem temos boas relações comerciais”. Não por acaso, a imagem mais frequente no protesto era a de um Tio Sam ganancioso, pronto para transformar a Europa em seu quintal. Os tratados apareciam retratados como grandes Cavalos de Tróia, grávidos de corporações prontas para ameaçar a democracia. Eram muitas as referências ao Nafta (Tratado Norte-Americano de Livre Comércio), assinado em 1994 entre EUA, Canadá e México, considerado amplamente um fracasso. Em meio ao público, diante do palco montado em frente à Coluna da Vitória, havia membros do CSU (União Social-Cristã, partido conservador alemão), entidades de defesa do meio-ambiente como Greenpeace, WWF e Bund, membros de partidos de esquerda como o Die Linke e milhares de sindicalistas, sendo que se destacaram os integrantes do Partido Verde Alemão por causa de suas teses bem ligadas ao interesse da maioria nas ruas.

    ResponderExcluir
  6. “Trocas comerciais globais nunca vão dar certo sem direitos trabalhistas consistentes”, afirmou durante manifestação Reiner Hoffmann, líder da DGB (Deutsche Gewerkschaftsbund), a Federação Alemã dos Sindicatos. “Nunca poderemos apoiar um tratado de livre comércio que desconsidera os padrões reconhecidos pela OIT (Organização Internacional do Trabalho), entre eles a liberdade de associação e o dissídio coletivo”, acrescentou Hoffmann. Durante esta semana, a Comissão Europeia recebeu três milhões de assinaturas contra o TTIP/Ceta. A pressão é grande para tornar as negociações pelo menos mais transparentes. A resposta foi a publicação de documentos online. No entanto, apesar de já estar na 11ª rodada de negociações, a própria comissão admite que ainda há tratativas confidenciais. Para especialistas, Banco dos Brics foi fundado sob interesse do Brasil pelo mundo dos gigantes. Brasil será o maior afetado pelos acordos Transpacífico e Transatlântico, diz FGV, estes detalhes estão bem claros em matéria sobre a manifestação e assuntos relacionados no site www.operamundi.com.br


    ResponderExcluir
  7. Do que já se pode avaliar, duas mudanças propostas pelos tratados parecem causar mais arrepios aos ativistas alemães: a chamada “coerência regulatória” e a questão da segurança alimentar. A “coerência regulatória” pretende alinhar regulamentações para fabricação e exportação de produtos entre EUA e o bloco europeu. A Comissão Europeia garante que não vai baixar nenhum padrão que afete a saúde ou o bem-estar dos consumidores mas, para os críticos do acordo, as grandes corporações norte-americanas devem pressionar por um relaxamento das regras europeias para entrar definitivamente no mercado local. O descompasso regulatório na questão da segurança alimentar é ainda mais evidente, em especial pela força do Partido Verde e de ONGs ligadas ao meio-ambiente na política alemã. Os críticos do acordo exaltam os coquetéis de hormônios e outros produtos farmacêuticos usados nos Estados Unidos para a criação de animais - hoje proibidos na Alemanha - e temem por alguma mudança em um futuro próximo. “A Europa enfrenta grandes desafios”, escreve a responsável pelo TTIP na Comissão Europeia, Cecilia Malmström. “Entre eles, está a necessidade de colocar a economia para funcionar, adaptando-se às economias emergentes ou mantendo nossa influência ao redor do globo. O TTIP pode ajudar”, ela garante, ao mesmo tempo em que considera as preocupações dos manifestantes “baseadas em mitos”...A próxima rodada de negociações do TTIP acontece ainda este mês. Já o Ceta passa por um pente fino legal antes de ir a votação no Parlamento Europeu, possivelmente até o final deste ano.

    ResponderExcluir
  8. "Nossa população é mesmo desinformada, na Alemanha 250 mil pessoas fazem manifestação contra este acordo comercial de interesse das empresas dos States, 3 milhões assinam manifesto, aqui, praticamente nada, mesmo noticia só vi essa aqui nesse blog, que encontrei quando procurava pelo assunto TTIP e Ceta no Google, bom que pelo menos vocês estejam ligados em fatos como este que podem infuir muito na realidade do país": o comentário é de Luís Antônio dos Santos Mendes, de Vila Velha (ES), técnico em exportação no Porto de Vitória.

    ResponderExcluir

Translation

translation