sexta-feira, 9 de outubro de 2015

O MOVIMENTO PELA NÃO VIOLÊNCIA SE PREOCUPA EM TODO PLANETA PELA VIDA DO RAPPER EM JEJUM NA ÁFRICA

Após greve de fome rapper preso Luaty Beirão está em estado grave: o artista angolano foi acusado de fomentar rebelião contra o presidente José Eduardo Santos, no poder de 1979, ele que é visto como um ditador em Angola e na contramão da história 

 

Após passar os últimos 19 dias em greve de fome, o rapper e ativista angolano Luaty Beirão está tão debilitado que não consegue mais nem beber água e passou a sofrer desmaios na prisão, segundo amigos seus ouvidos pela BBC: "Ele já não se aguenta em pé, está em estado muito grave", disse Pedro Coquenão, amigo próximo do músico de 33 anos. 

Luaty Beirão é um dos mais constantes críticos ao governo angolano
Luaty Beirão é um dos mais constantes críticos ao governo angolano  


Em junho, Beirão e outros 15 jovens haviam sido presos na capital angolana, Luanda, acusados de preparar uma rebelião contra o governo do presidente José Eduardo dos Santos, no poder desde 1979. Eles rejeitam a acusação e se definem como presos políticos. Uma campanha pela libertação do grupo, que é conhecido como 15+1, mobilizou nas últimas semanas vários artistas e escritores de países com ligação com Portugal, entre os quais Chico César, Emicida, Lourenço Mutarelli, Mia Couto e José Eduardo Agualusa. Pacifistas de vários lugares também se manifestaram. A Anistia Internacional diz que os jovens foram presos por "simplesmente exercerem o seu direito de liberdade de expressão". O  rapper Beirão iniciou a greve de fome ainda em em setembro, após completar 90 dias na prisão, prazo máximo da legislação angolana para detenções provisórias. E o Ministério Público só veio a apresentar uma denúncia formal contra o grupo nesta semana, após o início do protesto de Luaty Beirão, usando uma tática não violenta para protestar contra a situação. Na noite de ontem, amigos e parentes dos ativistas detidos se reuniram para uma vigília em frente à Igreja Sagrada Família, em Luanda. "Luaty, aguenta. És um verdadeiro guerreiro", dizia um dos cartazes portados pelos manifestantes. Além do músico, integram o grupo de detidos Manuel Nito Alves, Afonso Matias, José Gomes Hata, Hitler Jessia Chiconda, Inocêncio António de Brito, Sedrick Domingos de Carvalho, Albano Evaristo Bingo-Bingo, Fernando António Tomás, Nélson Dibango Mendes dos Santos, Arante Kivuvu Lopes, Nuno Álvaro Dala, Benedito Jeremias, Domingos José da Cruz e Osvaldo Caholo. 


Luaty Beirão está preso na capital Luanda desde junho
A prisão dos 15 jovens e o jejum de Luaty Beirão geraram manifestações de cidadania em Angola

Segundo Pedro Coquenão, Beirão só encerrará a greve de fome quando "o governo angolano respeitar a legislação" e libertar o grupo. Ele diz que desde o início do protesto o ativista só tem bebido água e recebido soro na veia, levado por sua família. Nos últimos dias, porém, Coquenão informa que a saúde de Beirão se deteriorou tanto que seu estômago começou a rejeitar o líquido. Ativistas políticos, pacifistas angolanos e parentes de Beirão têm ido à prisão de Calomboloca para tentar visitá-lo, mas só a mãe do rapper pôde entrar. Coquenão diz que ela saiu extremamente abalada. Há informações que ele será transferido hoje para um hospital. Também conhecido como Ikonoklasta ou Brigadeiro Mata Frakuxz, Henrique Luaty Beirão nasceu em Luanda em 1981, pertencente à terceira geração de uma família de imigrantes portugueses. Após concluir o ensino médio, estudou engenharia na Inglaterra e economia na França antes de voltar a Luanda.  

 
 
Fontes: BBC
             www.terra.com.br
             www.folhaverdenews.com 

8 comentários:

  1. Em entrevista ao site Maka Angola, Beirão conta que chegou a viajar de Portugal a Angola a pé e/ou de carona, com apenas 115 euros (R$ 490) no bolso. Seu objetivo era "palmilhar por terra o máximo de países africanos possíveis, beber da experiência, além de me enriquecer como pessoa, espiritualmente".

    ResponderExcluir
  2. Pai de uma menina de dois anos, o músico se tornaria uma das vozes mais críticas ao governo de José Eduardo dos Santos, contra quem protesta abertamente em seus shows, acusando-o de calar críticos e manter em Angola um regime corrupto e opressor. Chega a expressar isso em seus raps.

    ResponderExcluir
  3. Logo mais mais informações sobre a situação do rapper Beirão na Angola, aguarde mais notícias.

    ResponderExcluir
  4. Desde já você pode entrar aqui nesta seção e publicar o seu comentário, dar a sua opinião. Outra opção é enviar a sua mensagem para o e-mail da redação do nosso blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Há ainda outra alternativa para sua mensagem, enviar um e-mail direto para o nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. 'Importante que este blog divulgue uma situação como esta, ainda mais em solidariedade a um ativista da Não Violência": a mensagem é de Pedro Paulo Miranda, de São Paulo, que está fazendo Direito na São Francisco.

    ResponderExcluir
  7. "Líderes jovens como Luaty Beirão com esse perfil como deste rapper são raros e fundamentais para a cidadania em qualquer país, seja aqui ou na África, precisam ser apoiados": é a msm de Fernando Costa, de São João da Boa Vista (SP), repórter de rádio local.

    ResponderExcluir
  8. "Aqui em São Paulo no nosso grupo ligado à arte e cultura alternativa a gente está também tentando informações sobre Luaty Beirão, enviamos um Sedex para a Embaixada de Angola manifestando nossa preocupação com a saúde dele e a condição dos outros ativistas": o comentário é de Douglas Franco, do grupo Paz, ligado ao movimento ecológico..

    ResponderExcluir

Translation

translation