quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

CIENTISTA BRASILEIRA CRIA NA NASA PROJETO PARA ABRIR MUNDO DA CIÊNCIA PARA AS CRIANÇAS

Ela acredita que é um sonho da garotada de hoje ser astronauta ou pesquisador do espaço e para facilitar isso criou uma ONG



Duília de Mello transformou o seu sonho de criança em realidade



"É melhor ser uma astrônoma feliz do que uma engenheira frustrada": pensando assim, Duília de Mello se arriscou a assumir uma carreira mais difícil e quase sem mercado, contrariando a opinião de familiares e da maioria dos professores. Ela desde criança se interessava por pesquisas, desde quando estudava num colégio de freiras no subúrbio de Brás de Pina, no Rio de Janeiro. De origem humilde e nascida em Jundiaí (SP), Duília foi criada no subúrbio do Rio por uma família que se equilibrava entre um pai alcoólatra e uma mãe zelosa, sendo desde cedo acostumada a superar adversidades. E após a graduação na UFRJ, Duília fez um mestrado no INPE (Instituto Nacionais de Pesquisas Espaciais) e um doutorado na USP. Depois, teve sorte e conseguiu o seu sonho, a aventura da Nasa.

Agora, para que cada vez mais crianças consigam superar desafios e se interessar por carreiras científicas, Duilia está criando a ONG Mulher das Estrelas (http://mulherdasestrelas.com), reunindo uma rede de cientistas de diferentes especialidades, como física, matemática, astronáutica e robótica.
A astrônoma já conta com a ajuda de 20 profissionais. A ideia é estimular a criação de clubes de ciências e competições científicas entre as escolas, com a curadoria à distância desses especialistas, para fazer com que crianças de origem pobre por todo o Brasil possam "ganhar asas e mirar estrelas", como ela mesmo definiu: "Quero poder ajudar às pessoas que não tiveram tanta sorte quanto eu ou que não tiveram uma mãe tão empenhada como a minha", diz ela, em entrevista por telefone, de Washington, nos Estados Unidos, onde foi entrevistada pela BBC. Informalmente, ela afirma já fazer essa espécie de monitoria à distância como uma mentora das crianças cientistas. "Muitos desses estudantes me acham na internet, me mandam mensagens. Eu respondo a todas elas, explico como é a profissão". O seu ideal cult já vai se tornando popular no Brasil, alguns sites como o R7 noticiaram o seu projeto e aqui no blog Folha Verde News abrimos nosso webespaço para que Duília de Mello se comunique com gente ligada ao movimento ecológico, científico e de cidadania, que acessa nos posts diariamente.



O sonho da garotada é um primeiro passo para um avanço científico...

...acredita a cientista brasileira da Nasa que tem por ídolo Albert Einstein




Achados no espaço - Ao contrário da famosa serie de TV da sua infância, Perdidos no Espaço, Duília se achou na cultura espacial, que é o seu dia a dia atualmente. Ela pretende que garotos e garotas da nova geração sejam "achados no espaço" ou se encontrem no caminho da ciênciaHá 13 anos ela trabalha na Nasa — o que acabou acontecendo como um desdobramento natural de seus trabalhos no mestrado e no doutorado — quando foi cursar o pós-doutorado no Instituto do Telescópio Espacial Hubble.  Ela é pesquisadora do Goddard Space Flight Center (centro que gerencia as comunicações com os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional) e especialista na análise de imagens do telescópio Hubble.

Na Nasa, como astrônoma, a brasileira Duília foi responsável pela descoberta da supernova SN 1997D e participou também da descoberta das chamadas bolhas azuis - as estrelas órfãs, sem galáxias. "Em 2008, detectamos umas bolhas azuis, estrelas solitárias que vivem entre as galáxias, que são formadas fora das galáxias. Tanto podem ser pequenos aglomerados de estrelas como galáxias anãs, que podem acabar engolidas pelas galáxias vizinhas. Enfim, é um mecanismo interessante de pensar a evolução das galáxias" explica a cientista que se preocupa com abrir um espaço de avanço para a garotada brasileira que se interessa por ciência e tecnologia, muitos hoje sonham ser astronautas", comenta por aqui Antônio de Pádua Silva Padinha, ao editar este post aqui no blog da ecologia e da cidadania, Folha Verde News. Em 2013 ela foi escolhida como uma das dez mulheres que estão mudando o Brasil em ranking elaborado pela Barnard College, da Universidade de Columbia, Estados Unidos. Com justiça. Duília de Mello anseia tornar o sonho das crianças da era digital em realidade aqui no Brasil, um país que ainda não está no mapa da astronáutica, por causa de seus problemas na educação, na economia, preso no chão e perdido no espaço. 



Fontes: BBC - Reuters - R7
             www.folhaverdenews.com 


7 comentários:

  1. Já na pré-adolescência Duília de Mello foi fisgada pelo fascínio da ficção científica. Era fã de Jornada nas Estrelas e Perdidos no Espaço, clássicos da televisão dos anos 60. Assim como hoje, a meninada curte Star War.

    ResponderExcluir
  2. "Sempre fui apaixonada pelo universo espacial e, desde pequena, queria entender como ele funcionava tão bem sendo tão complexo...No fim dos anos 1970 eu vivia vidrada nas descobertas das naves espaciais da Nasa, Pioneer 10 e 11, que estavam visitando Júpiter e Saturno. Naquela época não tínhamos a Internet e o acesso à informação era bem restrito, principalmente para quem era de classe média baixa, como nós. Lembro de uma revista Manchete com uma grande reportagem sobre Júpiter. Fiquei impressionadíssima e isso foi o meu impulso".

    ResponderExcluir
  3. Estas situações de sua própria infância fazem entender melhor o projeto da sua ONG Mulher das Estrelas. Enquanto o pai de Duília lutava contra o alcoolismo e tentava ganhar algum dinheiro para sustentar a família — primeiro como caminhoneiro, depois com um negócio de locação de mesas de totó (pebolim) —, a mãe dedicou a vida a fazer com que os quatro filhos estudassem. E conseguiu. "Mas quando eu dizia que queria fazer astronomia, todo mundo falava que eu era maluca, inclusive minha mãe", lembra Duília. Todos queriam que ela escolhesse um trabalho com mais mercado, professores e familiares. Agora a sua ONG poderá ser o suporte para outros pequenos ou pequenas cientistas...

    ResponderExcluir
  4. Logo mais, postaremos por aqui comentários, coloque nesta seção sua mensagem ou envia seu e-mail para a redação do blog navepad@netsite.com.br e/ou ainda para o nosso editor padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Ela foi capaz de fazer do seu sonho uma realidade, quem sabe a entidade que faz funcionar junto com outros 20 cientistas renomados consiga aproveitar o talento ou impulsionar neste trabalho, tão difícil quanto importante e fundamental hoje em dia, algumas crianças brasileiras": a mensagem é de Maria Mendes Barbosa, professora de Matemática na rede estadual do Rio de Janeiro (RJ).

    ResponderExcluir
  6. "Importante quando uma pessoa cresce mas não se esquece dos pequeninos que costumam ficar pelo caminho, sem nem chance de sonhar, como é a maioria das crianças brasileiras": a mensagem é de Marilda Ramos, de Uberlândia (MG), fisioterapeuta que atende na rede pública.

    ResponderExcluir
  7. "Só mesmo quem cresce de verdade, como esta astrônoma Diulia de Mello, se preocupa com as crianças e com as pessoas mais sem recursos": o comentário é de José Maurício Souza Santos, do Garujá (SP), que nos enviou fotos e informações suplementares sobre a ONG Mulher das Estrelas.

    ResponderExcluir

Translation

translation