quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

O ALQUIMISTA DE PAULO COELHO ESGOTA AGORA EM 3 MESES A SUA 26ª EDIÇÃO

A magia de um texto e de um autor que antes foi influente parceiro de Raul Seixas


O Alquimista,a mágica história de Santiago, um menino pastor andaluz que anseia por viajar para encontrar o tesouro mais magnífico do mundo, em busca da verdade e da paz...Este livro lançado em 1988 é o bestseller brasileiro mais reconhecido,  já foi traduzido em 65 línguas, continua sendo uma sensação cultural e comercial na área de venda de livros de ficção, está há mais de 400 semanas na lista dos mais vendidos do jornal New York Times. E agora, mais uma vez, 25 anos depois do seu primeiro lançamento, Paulo Coelho comemora a atual 26ª edição que esgotou em somente 3 meses os seus 20 mil exemplares editados mais recentemente pela Saraiva. Esta marca é pequena por exemplo diante do 100 mil exemplares comercializados apenas pela editora Sextante no Brasil. Então, aqui, voltando à saga de Santiago, o livro narra a aventura de um menino que da  sua casa na Espanha ele parte para os mercados do Tânger, através do deserto egípcio, para um encontro do destino com o alquimista. A história dos tesouros que Santiago encontra ao longo de sua jornada nos ensina sobre a sabedoria que é escutar nossos corações, aprendendo a ler os sinais da natureza e da vida que aparecem ao longo do caminho. É um toque também para a gente seguir e realizar nossos sonhos, que aliás, era a mensagem também de John Lennon.



Paulo Coelho hoje é um mito da literatura brasileira e mundial mas antes...

 


...ele foi um parceiro que foi letrista de algumas das músicas geniais de Raul Seixas


Anjos, demônios, OVNIs e muito talento de Paulo Coelho e seu parceiro Raulzito



Eu tive um contato há umas 3 décadas ou mais com um jovem executivo de gravadora de discos, que usava uma pasta tipo 007, terno e gravata: ninguém diria então que ele viria a ser Raul Seixas, o mais rebelde e carismático cantor e compositor de rock no Brasil. Ele deu uma virada na vida, sob a influência do então seu parceiro e amigo Paulo Coelho, que antes de escritor, nesse tempo estava mais a fim de pesquisar OVNIs viajando atrás de discos voadores e ETs. Os dois juntos foram uma alquimia de verdade. Tive o prazer de colocar numa série de programas que fiz junto com Marcos Mora (hoje, Globo Esporte) e o físico da USP Elizeu Gabriel (hoje vereador em SP) para a Fundação Roberto Marinho como tema musical "Maluco Beleza", dessa dupla que se desfez. Depois dos shows da Sociedade Alternativa, Raul Seixas de bar em bar montou até um time de garçons e de bêbados lá em São Paulo, ele como treinador (já não aguentava correr pela overdose em geral e também de remédios para um problema de saúde): o grande Raulzito estava lá do banco de reservas orientando os jogadores desta equipe de nighters que enfrentou o meu time, que era do Centro Esportivo da USP e contava na época também com a rapaziada da banda Papa Poluição,. como o Zé Luiz Penna. Eu acho que fiz um gol lá no enorme campo da USP e ouvi o dublê de treinador, com um copo de dose na mão, comentando com a zaga: "Esse cara vermelho aí não pode deixar livre". Houve uma vez que foi feita uma caravana de jovens em busca de contato extraterrestre saindo da Fiam em Sampa e um dos caras com que cruzei na madrugada era o Paulo Coelho, que ainda não era um escritor consagrado. E tenho certeza que estes dois ou três episódios que estou contando hoje, não tiram o mérito, muito ao contrário, nem de Raul Seixas nem do Paulo Coelho, dois grandes talentos brasileiros.  Os dois chegaram a sofrer por causa de censura e perseguição, radicais de direita, ligados a religiões, chegaram até a acusar aos dois poetas de serem adoradores do demônio. Não chegaram a ser presos e torturados como eu e outros amigos ou amigas do movimento estudantil contra a Ditadura porque corriam de um lado prá outro, por sorte. Foi com Arthur Bandeira Neto, hoje da TV Assim em Sampa, que fui pela primeira vez a um show do ex-executivo e líder da juventude rockeira e alternartiva, no estacionamento do cursinho Equipe, que foi um point da melhor música made in Brazil. Um grande evento, um dos maiores shows que já vi pela força do som dos músicos, das letras e das músicas e do cantor Raulzito. Agora, diante da notícia aqui sobre a 26ª edição do Alquimista esgotada em menos de 90 dias, sou sincero em dizer que nem Paulo Coelho nem Raul Seixas eram nem anjos nem demônios nem ETs mas somente dois maravilhosos e estranhos seres humanos com o tempero da cultura do coração e da aventura da vida brasileira.  (Antônio de Pádua Silva Padinha)



Forte e ativo até hoje Paulo Coelho foi vital para seu parceiro....
...genial Raulzito foi até treinador de time de bêbados




Trecho de Alquimista - "O rapaz chamava-se Santiago. Estava começando a escurecer quando chegou com seu rebanho diante de uma velha igreja abandonada. O teto tinha despencado há muito tempo e um enorme sicômoro havia crescido no local que antes abrigava a sacristia. Resolveu passar a noite ali. Fez com que todas as ovelhas entrassem pela porta em ruínas e então colocou algumas tábuas de modo que elas não pudessem fugir durante a noite. Não havia lobos naquela região, mas certa vez um animal tinha escapado durante a noite e ele gastara todo o dia seguinte procurando a ovelha desgarrada. Forrou o chão com seu casaco e deitou-se, usando como travesseiro o livro que acabara de ler. Lembrou-se, antes de dormir, que precisava começar a ler livros mais grossos: demoravam mais para acabar e eram travesseiros mais confortáveis durante a noite. Ainda estava escuro quando acordou. Olhou para cima e viu que as estrelas brilhavam através do teto semidestruído. “Queria dormir um pouco mais”, pensou ele. Tivera o mesmo sonho da semana passada, e outra vez acordara antes do desfecho. Levantou-se e tomou um gole de vinho. Depois pegou o cajado e começou a acordar as ovelhas que ainda dormiam. Ele havia reparado que, assim que acordava, a maior parte dos animais também começava a despertar. Como se houvesse alguma energia misteriosa unindo sua vida à vida daquelas ovelhas que há dois anos percorriam com ele a terra, em busca de água e alimento. “Elas já se acostumaram tanto a mim que conhecem meus horários”, disse em voz baixa. Refletiu um momento e ponderou que podia ser também o contrário: talvez ele houvesse se acostumado ao horário das ovelhas. Certas ovelhas, porém, demoravam um pouco mais para levantar. O rapaz acordou uma a uma com seu cajado, chamando cada qual pelo nome. Sempre acreditara que as ovelhas eram capazes de entender o que ele dizia. Por isso costumava às vezes ler para elas trechos de livros que o haviam impressionado, ou falar da solidão e da alegria de um pastor no campo, ou comentar sobre as últimas novidades que via nas cidades por onde costumava passar. Nos últimos dois dias, contudo, seu assunto tinha sido praticamente um só: a menina, filha do comerciante, que morava na cidade aonde ia chegar em quatro dias. Estivera apenas uma vez lá, no ano anterior. O comerciante era dono de uma loja de tecidos e gostava sempre de ver as ovelhas tosquiadas na sua frente, para evitar falsificações. Um certo amigo havia indicado a loja e o pastor levou lá suas ovelhas". (Paulo Coelho).


A histórica e meteórica 26ª edição deste bestseller do que era a contracultura....


Fontes: BBC - Reuters
             www.folhaverdenews.com


7 comentários:

  1. De grande importância o livro, os antigos parceiros e toda esta história cult que fazem parte do Brasil de verdade.

    ResponderExcluir
  2. E da luta, que vem não só dos anos 60 e de 70 por aqui no Brasil, juventude rebelde, mas de milênios da história do ser humano: nela a cultura do coração e da vida (que faz parte a ecologia)é algo fundamental e está em Paulo Coelho, em Raul Seixas e em toda a realidade brasileira dos homens e mulheres.

    ResponderExcluir
  3. Entre aqui nesta seção com o seu comentário ou envie um e-mail para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Você também pode contatar direto o nosso editor de conteúdo pelo e-mail padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Para mim é surpresa alguns fatos e passagens do Paulo Coelho e do Raul Seixas também aqui citados nessa matéria, que mostra que o Brasil tem muita gente de valor": o comentário é de Geraldo Santos Moraes, de Guarujá (SP), engenheiro eletrônico.

    ResponderExcluir
  6. "Mais do que o livro tão badalado, curti os baidores dos anos 60, 70, 80 nesta matéria": quem comenta é Mariú Denise Araújo, da ECA da USP em São Paulo.

    ResponderExcluir
  7. "Hoje há mesmo uma oposição entre o rock do Raul Seixas e o best-seller do Paulo Coelho, a vida dá mesmo muitas voltas": o comentário é de Fernando Gabriel, de Santos (SP), ligado à terapias alternativas.

    ResponderExcluir

Translation

translation