quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

REPRESA DO CASTELINHO PRECISA DE SOCORRO URGENTE E SUSTENTÁVEL PARA NÃO CAUSAR UM CAOS SOCIOAMBIENTAL

Até o Ministério do Meio Ambiente será procurado para evitar uma catástrofe 



O caos só pode ser evitado com máquinas, tecnologia ambiental contemporânea e mutirão de cidadania


Alguns trechos da Lagoa do Castelinho visualmente até se assemelham com as imagens do mar de lama que assolou a região de Mariana (MG) em torno do maior desastre ambiental da mineração no Brasil, guardadas as devidas proporções, na realidade, o excesso de assoreamento nesta represa é o maior da história da ecologia (ou da desecologia) em Franca (SP). A nossa equipe do blog Folha Verde News esteve ali no local, onde ao longo de praticamente 100 anos foi-se formando o lago com águas do Córrego Espraiado e de nascentes da região sul desta cidade. Não só dentro deste espaço centenário da AEC (Associação dos Empregados do Comércio de Franca) -  que era um clube de campo da classe média mas virou sede urbana com o crescimento da cidade - mas também, em outros pontos de toda a zona sul da capital dos calçados e em outras zonas de toda a região nordeste paulista, as erosões, os assoreamentos, vários tipos de poluição, lixos, problemas às vezes causados por falta de cultura ecológica da população e às vezes por processos naturais como nesta época o acúmulo de chuvas em contraste com a seca intensa de meses atrás, porém, principalmente, pelas autoridades públicas municipais, regionais, estaduais etc. pela falta de uma gestão ambiental sustentável que poderia estar evitando preventivamente este problema que está cada vez mais dramático. Houve um técnico agrícola, formado em Geologia, Geraldo Lucas, de Bauru (SP) que ao constatar nesses dias a situação da represa, onde costumava nadar e pescar quando criança vindo na casa de parentes nas férias, comentou informalmente a situação com associados do clube, onde a lagoa ocupa cerca de 3 mil metros quadrados, ele avaliou que a continuar como está, em 3 anos a represa vai desaparecer.  Para o repórter  Rafael Algarte, da TV Record, foi o que em resumo também disse o presidente do clube em uma de suas entrevistas, João Carlos Scheneider, o popular João Preto, quer mobilizar a comunidade para resolver a situação. Ao falar com a produtora da Record Renata Modesto e com o repórter Rafael Algarte também, que queriam a minha visão de ecologista, deixei claro sem precisar data que realmente pode acontecer uma catástrofe naquele local, com um detalhe: se não houver uma gestão sustentável na represa, em toda a microrregião em volta e até em toda esta região do nordeste paulista, poderá haver um caos socioambiental por aqui. A represa do Castelinho é um dos primeiros sintomas disso, o problema só será solucionado com uma ação em todo o meio ambiente em torno da lagoa. Vale destacar também que a represa do Castelinho é um patrimônio não só do clube mas de toda a cidade e da ecologia da região: nos meses mais secos, em Franca, ela funciona no ecossistema local como o lago de Paranoá em Brasília (DF) ou como a lagoa de Pampulha em Belo Horizonte em Minas, oxigenando o ar destas cidades, evitando doenças respiratórias da população, melhorando o bem estar as pessoas, criando peixes, como opção de lazer ou de alimento, até se tornando um tipo de natureza urbana que se torna um reserva. No Castelinho há variadas espécies de pássaros como garças, biguás, tucanos, patos selvagens e passarinhos nativos, capivaras, preás, rãs e outros bichos que dependem das águas e/ou dos peixes da lagoa. Estas lagoas se transformaram num patrimônio da ecologia urbana e do meio ambiente neste tempo de muito tumulto neste setor da nossa vida. Após a seca brava do ano passado, as chuvas que se intensificaram ultimamente têm gerado em vários pontos do interior do país enchentes, quedas de barreira, desbarrancamentos, assoreando rios, lagos, córregos, agravando o processo natural que já é forte numa região como a de Franca, sujeita à erosão, formada por centenas de voçorocas. Aqui este processo erosivo se agrava com o lixo irregular, o vazamento de óleo na lavagem de veículos e outros efluentes poluidores nessa cidade industrial, a secagem de nascentes, como as que sobreviviam na Vila Europa, o desaparecimento de brejos, da vegetação que protegia esta área, tomada por um grande volume de loteamentos, entulhos de construção, desmatamentos, só aumentando a areia que vai assoreando um dos locais que de oásis de água pode se tornar um novo deserto.  As chuvas, o vento, as mudanças químicas, as alterações na disposição do solo e das rochas, acúmulo de resíduos, grande quantidade de detritos, que, na falta das matas ciliares que quase não sobrevivem mais, aí tudo e mais um pouco acaba indo parar no fundo dos rios, lagoas, córregos e da represa do Castelinho. E além do assoreamento provocar a redução no volume de água de algumas partes e o alagamento de outras, compromete o fluxo das correntes e a navegabilidade, altera a visibilidade e a entrada de luz, e, ainda, reduz a renovação do oxigênio da água, inviabilizando a qualidade hidrica, colaborando para o desequilíbrio de todo o ecossistema local e regional.



Quem te vê, quem te viu, Castelinho...


Como solucionar esta situação e evitar o caos? 


Para evitar o assoreamento e a destruição de nossas águas é preciso consciência da população, das indústrias ou empresas de serviços e das autoridades políticas da administração pública em todos os níveis, é urgente a ação da prefeitura e governos com manutenção das lagoas, córregos, rios, recuperação das nascentes, despoluição das águas, para driblar o desassoreamento é preciso refazer as matas ciliares. Não só em torno do Castelinho mas em muitos outros lugares, um reflorestamento com espécies nativas é superurgente, mas um reflorestamento monstro, de grandes proporções, que seja um mutirão da sociedade civil e pública, com empresas cedendo mudas por exemplo ou pondo à disposição máquinas ou a tecnologia contemporânea para desassorear. Diante do desafio que chega a ser hoje combater este fenômeno, em nome do movimento ecológico, científico e de cidadania, sendo contatados pela equipe da Record ou também contatando o assessor de imprensa do Castelinho, jornalista Kelven Melo, da Palavra Fácil Comunicação, a gente do blog avaliou que será preciso disparar um movimento social e ambiental, que precisará demais do apoio do MMA (Ministério do Meio Ambiente), ainda mais nesse momento de crise na economia, em que as empresas, as prefeituras e as pessoas da população estão meio que sem condições de investir numa solução sustentável, para evitar que se forme um caos ou ocorra uma catástrofe. Anos atrás, a Sabesp colocou emissários para levar direto para a ETE (Estação de Tratamento de Esgotos) os efluentes que caiam direto no Córrego Espraiado, principal formador da represa do Castelinho. Mas agora o desafio aumentou, o problema tem várias outras causas e pode tanto causar desertificação como enchentes, erosão ou doenças, não basta só retirar o excesso de areia da lagoa ou em torno das águas da região, mas recuperar as nascentes, restaurar a vegetação e reviver ao máximo o equilíbrio da ecologia perdida por aqui entre as barrancas do Rio Pardo e do Rio Grande, que gera energia numa região muito rica mas que fica cada vez mais miserável no abandono socioambiental deste momento, em Franca, em São Paulo, no país que um dia foi da natureza e hoje é da desecologia. Urge não só criar uma palavra que defina a situação agora, mas toda uma nova realidade que nos afaste do caos socioambiental que já se mostra vivo e ao mesmo tempo morto na represa do Castelinho. Este post não é só mais uma matéria, é o despertar de um movimento. (Antônio de Pádua Silva Padinha)





Os ecologistas e repórteres já estão sendo cada vez mais mobilizados


Kelven Melo também  está mobilizando

O sintoma de um caos ou catástrofe está na cara...

Mas existem uma série de alternativas de solução sustentável

Uma delas um reflorestamento monstro de espécies nativas como os Jacarandás


Fontes: www.ambientebrasil.com.br
              http://jornaldafranca.com.br
              www.folhaverdenews.com


8 comentários:

  1. Logo mais, aqui nesta seção, mais informações e comentários, aguarde nossa edição e se quiser entre aqui e deixe a sua opinião sobre esta pauta.

    ResponderExcluir
  2. Estraremos comentando também a reportagem que a TV Record está fazendo sobre este fato e irá colocar no ar nesta quinta-feira, 14 de janeiro, em meio a uma chuvarada que complica após uma overdose de seca.

    ResponderExcluir
  3. Você pode mandar a sua mensagem para o e-mail da redação do nosso blog de ecologia e de cidadania para navepad@netsite.com.br e/ou direto pro editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Quando criança eu vinha de São Paulo ou de Bauru e uma das primeiras coisas que fazia era pular na lagoa do Castelinho para nadar ao lado de lambaris e tirar o stress, agora, levei um susto com a poluição e o caos que isso está": o comentário é de Geraldo Lucas, técnico agrícola, especializado em geologia, que passou por aqui nestes dias.

    ResponderExcluir
  5. "Vamos levar até a represa do Castelinho o geólogo Manuel Bianchi, que é de Roma (Itália) e passa sempre alguns meses na região, que tem ligação com pesquisadores e técnicos, fazendo também documentários sobre a realidade do interior": a mensagem é de Creusney Pereira do Anjos, Di, piloto de moto e de carro, de Goiás, morando em Franca.

    ResponderExcluir
  6. "A curto prazo uma retirada do excesso de terra ou areia, a médio, contenção de toda poluição, a longo, revegetação, especialmente de espécies nativas, essa matéria deixa a situação muito clara, muito bem": a gente agradece o elogio de Fernanda Vieira, de Santos (SP) que diz ter acompanha um problema similar no litoral de Bertioga que parece ficar como o Japão dos Tsumanis.

    ResponderExcluir
  7. "Infelizmente, não é só o Castelinho aí em Franca mais dezenas, centenas, milhares de pontos negros em áreas verdes, estradas, cidades, chuvas intensas depois de uma grande seca e falta de gestão dos recursos da natureza": o comentário é de Pedro Vasco, de Ribeirão Preto (SP), estudante de Medicina da USP.

    ResponderExcluir
  8. "MAS DESDE JÁ, JÁ PODEMOS FAZER ALGO - O problema é muito grave e só com técnicos especializados, equipamentos, tecnologia contemporânea e ciência ambiental, além de alguns recursos, é o caso do MMA. Ministério do Meio Ambiente existe para isso também. A gente tem que conseguir este apoio de Brasília antes de outras cidades, há dezenas, centenas ou milhares de pontos negros na nossa natureza (desnatureza na verdade). Uma seca monstro e depois uma chuva mais intensa do que sempre, não há ecologia que aguente. Mas uma das soluções sustentáveis é mais poética, apesar do nome, um reflorestamento monstro": um dos vários comentários sobre esta matéria que foram feitos por gente de Franca e de todo o país no Facebook. Esta opinião bate com a nossa.

    ResponderExcluir

Translation

translation