domingo, 10 de janeiro de 2016

UMA ONDA DE INOVAÇÕES MAIS ECONÔMICAS E MAIS ECOLÓGICAS OU SUSTENTÁVEIS GANHARÃO CADA VEZ MAIS MERCADO E MAIS ESPAÇO NAS CIDADES


É o caso da Ecotelha,  uma pesquisa sendo desenvolvida na Universidade Federal do Amazonas com sucesso: o protótipo da telha sustentável poderá inovar e revolucionar as construções no Brasil







A Ecotelha é uma das inovações tecnológicas que estão para chegar e avançar a construção civil



Bianca Paiva, repórter que atua na redação da Agência Brasil em Manaus, nos informa que estão no processo final do trabalho os pesquisadores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) que vêm desenvolvendo há meses um protótipo de uma telha sustentável,  feita principalmente com fibras naturais comuns na região amazônica, como a malva e a juta,  além de uma argamassa que inclui areia, resíduos de cerâmica e pouco cimento.  Essa composição, segundo o subcoordenador da pesquisa, o doutor em engenharia João de Almeida Melo Filho, dá mais resistência ao material e pode melhorar a sensação térmica nas residências localizadas nas regiões mais quentes e atenuar a onda de calor cada vez maior em cidades de quase todas as regiões brasileiras:"Além de ter menos cimento em sua constituição, ela tem também areia, que se torna um material mais barato, além de usar fibras naturais. A matriz que utiliza o cimento é muito frágil e as fibras naturais é que vão dar a verdadeira resistência a esse material, um conjunto que a gente chama de compósito vai produzir um material com maior resistência mecânica. E a gente já verificou que tem maior desempenho térmico devido ao uso de resíduos cerâmicos", avaliou João de Almeida Melo Filho, da Ufam.  Para o pesquisador, a telha sustentável terá boa aceitação pelos consumidores porque, além de ser mais barata, será muito parecida no visual com as telha mais comuns disponíveis no mercado. João de Almeida acredita que a utilização das fibras naturais para a produção das ecotelhas também deverá estimular o trabalho de produtores ribeirinhos na Amazônia: "A gente acredita que o fato de o cultivo dessas fibras ser feito, principalmente, por comunidades ribeirinhas, a utilização dessas fibras no desenvolvimento de um material de construção e a possibilidade de que seja usado em grande escala, isso vai incentivar essas comunidades a produzir e aumentar sua renda, tem também este outro lado muito positivo. Melo Filho acredita que o protótipo da ecotelha deve ficar pronto em breve. Após esse processo, ele disse que será necessário um patrocínio para adquirir o maquinário destinado à produção em larga escala. O projeto recebeu o apoio da Fapeam, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas. A entidade concede R$ 50 mil, por meio do programa Sinapse da Inovação, para o desenvolvimento de tecnologias inovadoras. Outra informação positiva é que, nesta fundação, o número de variadas bolsas de estudo para pesquisa cresceu 24% em 2015 e poderá aumentar ainda mais em 2016 o apoio ou a subvenção econômica para desenvolver idéias de inovação tecnológica. 40 projetos atualmente estão em desenvolvimento e foram aprovados pela Sinapse de Inovação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas. Tudo isso é uma notícia que nos anima em meio a outras não tanto ou até negativas que nos assolam no dia a dia da realidade brasileira de agora.



A equipe que vem desenvolvendo a Ecotelha  com apoio da Fapeam


A telha sustentável deverá dar um salto de qualidade às construções no país   



Há pelo menos outros 40 projetos aprovados pela Sinapse de Inovação da Fapeam




No Espírito Santo começam a ganhar mercado os Ecotelhados como este

Também no sul do país há similares de telhados verdes que são econômicos e ecológicos

Inovações tecnológicas e ecológicas avançarão nosso espaço urbano



Fontes:  Agência Brasil
              www.ebc.com.br
              www.folhaverdenews.com

8 comentários:

  1. Uma Ecotelha foi desenvolvida pela empresa Ecomateriais da Amazônia a partir da aprovação da proposta na primeira edição do programa Sinapse de Inovação, realizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) em parceria com a Fundação Centro de Referências Tecnológicas Inovadores (Certi).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bom dia, estamos desenvolvendo um projeto de melhoria das habitações indígenas no Para, achamos interessante o projeto da telha desenvolvido pelo professor João de Almeida Melo Filho, para tanto gostaríamos de por contata-lo para conhecer seu trabalho. Não temos o contato dele, podemos contar com vocês para essa aproximação? Abraços Raymundo Rodrigues

      Excluir
  2. O programa Sinapse de Inovação concede 50 mil reais em subvenção econômica para o desenvolvimento de uma idéia inovadora. Há 40 projetos aprovados no programa. E informações sobre um crescimento em 24% ao longo de 2015 do número de bolsas para pesquisas na Fapeam, algo que deverá aumentar em 2016, segundo levantamento da Agência Brasil em Manaus.

    ResponderExcluir
  3. Por sua vez, informamos aqui que os Ecotelhados foram desenvolvidos em outra região do país, no Espírito Santos. No sul e no sudeste também há notícias sobre esta inovação sendo colocada em prática. O engenheiro ambiental capixaba Gabriel Casagrande desenvolveu o primeiro telhado verde em 1998, em Pedra Azul (ES).

    ResponderExcluir
  4. Logo mais, mais informações e comentários aqui nesta seção do nosso blog, entre aqui e deixe a sua mensagem ou opinião ou alguma notícia nesta pauta.

    ResponderExcluir
  5. Outra opção é você enviar sua mensagem para o e-mail da redação deste blog navepad@netsite.com.br e/ou ainda mandar a mensagem direto para o nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. "É preciso que o Brasil aumente o apoio e assim também a intensidade e a variedade de pesquisas sobre inovações tecnológicas sustentáveis, o que vai ajudar muito a sustentabilidade, sei de muitas boas idéias que são abortadas na universidades brasileiras por falta de verbas": o comentário é de Robson Alves, de São Paulo (SP) que fez a Unesp mas atua como empresário no setor de Energia Solar.

    ResponderExcluir
  7. "Esta onda de inovações poderia e deveria ser muito mas muito maior do que é, os governos e as empresas no Brasil precisam apoiar mais as pesquisas para assim realmente haver um avanço definitivo para um desenvolvimento sustentável em todas as áreas": quem comenta é Álvaro Augusto Pereira, do Rio de Janeiro (RJ), que trabalha com Comunicação num complexo empresarial de Energia Eólica.

    ResponderExcluir

Translation

translation