terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

A CENSURA ACABOU E A LIBERDADE DE INFORMAÇÃO AVANÇA? NÃO É BEM ISSO O QUE ACONTECE HOJE...

WikiLeaks revela agora espionagem dos EUA a Netanyahu, Berlusconi e Ban Ki-moon: esta informação foi impedida de ser divulgada à época em que acontecia e também explica a perseguição ao jornalista Julian Assange

 

O portal WikiLeaks acaba de publicar novos documentos que revelam espionagem por parte da NSA (Agência de Segurança Nacional) dos Estados Unidos a líderes mundiais, incluindo até mesmo o secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), Ban Ki-moon. Esta situação explica porque o jornalista independente Julian Assange, líder e fundador do WikiLeaks continua mantido fora de suas atividades, confinado numa embaixada em Londres...


Entre os líderes mundiais espionados Berlusconi, Ban Ki-moon da ONU Angela Merkel

Tem sido espionados a chanceler alemã e o até o Papa Francisco
Denúncia censurada do WikiLeaks revelada agora


Julian Assange (WikiLeaks) é ícone da comunicação e não vilão, como propugna os EEUU






O portal WikiLeaks publica agora novos documentos que confirmam a espionagem por parte dos Estados Unidos a líderes mundiais. Em seu portal na Internet, a organização fundada por Julian Assange mostrou detalhes da escuta secreta que a NSA fez por exemplo num encontro entre Ban Ki-moon e a chanceler alemã, Angela Merkel, que já tinha sido seguida pelos serviços de inteligência dos States também  em outras ocasiões. Agora também se informou que uma conversa entre o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e o ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi foi alvo de espionagem norte-americana, bem como, um encontro entre altos responsáveis na área de comércio da União Europeia e do Japão, além de uma reunião privada entre Berlusconi, Merkel e o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy. Segundo os documentos obtidos pela WikiLeaks, Merkel e Ban Ki-moon conversaram sobre como lutar contra as alterações climáticas. Netanyahu pediu a Berlusconi ajuda para lidar com a administração dos USA, comandada pelo presidente Barack Obama. Sarkozy alertou o ex-primeiro-ministro italiano sobre os perigos do sistema bancário do seu país.“Será interessante ver a reação da ONU porque se o secretário-geral pode ser alvo de espionagem dos Estados Unidos sem qualquer causa ou consequência, então qualquer um, desde um líder mundial a um varredor, está em risco”, disse Julian Assange. Ele continua detido na Embaixada do Equador em Londres ainda numa trama que envolve com certeza caso de perseguição política, especialmente, da parte dos Estados Unidos. Esta situação contradiz a democracia e a liberdade de informação, sinaliza que a censura ainda vigora, apesar de todos os discursos e de todas as aparências, a realidade evolui pouco e muito devagar. 

Por essas e outras, aumenta o prestígio de Julian Assange e os pedidos pela sua libertação


Fontes: Reuters/AFP/Agência Brasil/noticiasR7.com 
             www.folhaverdenews.com 

7 comentários:

  1. Logo mais aqui nesta seção de comentários mais informações sobre esta pauta que envolve censura, perseguição política, espionagem política. Algo que acontece até também por aqui...

    ResponderExcluir
  2. Entre aqui e coloque o seu comentário ou se preferir mande um e-mail para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania, sempre atento e divulgando o valor da liberdade de informação (que ainda resta na Internet): navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Você pode também optar por enviar um e-mail direto pro editor de conteúdo do nosso blog sobre esta pauta ou não: padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Importante esta revelação agora que demonstra que Julian Assange é jornalista e não um criminoso, ao passo que alguns órgão dos Estados Unidos e de outros países não têm nada a ver com cidadania e muito menos com diplomacia e democracia e sim, somente com CIA": quem comenta é Geraldo Guerreiro Silva, de Salvador, que faz jornalismo na Universidade Federal da Bahia.

    ResponderExcluir
  5. "Guardadas as devidas proporções, a censura à imprensa, de motivação econômica ou política e a espionagem em cima de empresas ou autoridades existe em todo lugar, até por aqui no interior do Brasil, onde a democracia também não é assim tão sólida como dizem alguns políticos": quem comenta é Jonas Almeida, de Campinas (SP), que pesquisa sobre o WikiLeaks na Unicamp e achou esta matéria do nosso blog no Google.

    ResponderExcluir
  6. "Como ontem na matéria sobre o livro e documentário do JT e Estadão na época ditatorial no Brasil, este post de hoje sobre o WikiLeaks e o jornalista Julian Assange deve nos alertar sobre a censura que é sempre uma ameaça à liberdade": quem comenta é Maria Alves Pereira, do Rio de Janeiro (RJ), que estudou na USP em SP.

    ResponderExcluir
  7. "Matéria de i9mportância para o movimento da cidadania e para a luta pela liberdade de expressão, não vi essa notícia nas TVs e sites por aí": o comentário é de Juliana Abreu Santos, de São José do Rio Preto (SP), bióloga formada pela Unesp em Assis (SP).

    ResponderExcluir

Translation

translation