sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

AINDA NÃO É A PAZ APENAS UMA PAUSA NA GUERRA QUE ARRASA A SÍRIA

Potências mundiais chegam a acordo pelo menos sobre uma pausa em guerra na Síria


Desde novembro em encontro mundial em Viena vem sendo costurado um acordo pelo menos para uma trégua em busca da paz na Síria: dezenas de países reunidos na Alemanha chegaram a um acordo para implementar uma pausa nas hostilidades, objetivando interromper desde já a guerra civil na Síria. Este cessar fogo não se estende porém à luta contra o terror de grupos islâmicos jihadistas como o autoproclamado Estado Islâmico (EI) e a Frente al-Nusra. Foi feito anúncio oficial após encontro do Grupo Internacional de Apoio à Síria - de que participam Estados Unidos, Rússia, União Europeia, Turquia, Irã e Arábia Saudita - em Munique, na Alemanha, o país articulador deste acordo ao lado da ONU. O anúncio de uma relativa e imediata paralisação da violência ocorre no momento em que o Exército Sírio avança sobre a província de Aleppo, com apoio aéreo da Rússia. Nesta ação
esse movimento de tropas governamentais poderia cercar dezenas de milhares de civis em áreas controladas por rebeldes nos arredores da cidade de Aleppo.


A paz é urgente demais na Síria, violência afeta população civil e crianças


Desde novembro em Viena vinha sendo articulado este acordo fechado agora na Alemanha

Plano de paz

Autoridades governamentais disseram após o encontro na Alemanha que o maior desafio do acordo é fazer com que as partes honrem tudo o que foi discutido. "O que temos aqui são palavras no papel, o que precisamos ver nos próximos dias são ações no terreno", disse Kerry, o secretário de estado americano, dando o tom da reunião internacional. Uma força-tarefa da ONU deve ser organizada para fornecer apoio humanitário para todos os lados beligerantes. A mídia deveria abrir mais espaço para a opinião do enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, o mais entusiasmado com o movimento para a paz: Lavrov disse que há "razões para acreditar que fizemos um belo trabalho que foi coletivo hoje de alcance humanitário". Ele sugeriu por exemplo que as forças russas estão atacando posições rebeldes e não terroristas, como insiste Moscou e que os outros países do Grupo de Apoio à Síria superem as divergências muito fortes entre eles. O enviado da ONU e a maioria dos representantes dos países no histórico encontro na Alemanha concordaram que negociações de paz envolvendo rebeldes e o governo da Síria devem recomeçar o mais rápido possível. Assim como, a busca de uma concretização do plano de paz naquela região do planeta.


Fontes: BBC
             www.folhaverdenews.com

7 comentários:

  1. Aguarde que até a noite poderemos postar aqui nesta seção de comentários mais informações sobre o andamento do acordo para interromper a guerra civil na Síria.

    ResponderExcluir
  2. Mesmo que seja apenas uma pausa no processo de violência, ele deve ser substituído por uma negociação diplomática para se chegar até à paz, algo essencial para a população e o país dos sírios.

    ResponderExcluir
  3. Você pode desde já postar a sua mensagem aqui nesta seção de comentários ou enviar um e-mail dentro desta pauta para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Outra opção é você contatar o editor de conteúdo do nosso blog, se tiver sugestões ou alguma informação, através do e-mail padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Espero que desta vez se avance para a paz e para uma solução não violenta até contra os violentos que defendem a luta armada na região": quem comenta é Analice Cerqueira, de São Paulo (SP) que fez História na Unesp em Franca e pesquisa os conflitos que ocorrem na Síria e no Oriente.

    ResponderExcluir
  6. "Estados Unidos, Rússia, União Europeia, Turquia, Irã, Arábia Saudita, sob a liderança da Alemanha e da ONU, pode sr que consigam a pacificação da Síria que tem muitos problemas internos, além ainda do EI, enfim uma situação de difícil solução, os interesses não são os mesmos": quem comenta é Pedro Salomão, empresário em Santa Rita do Passo Quatro (SP).

    ResponderExcluir
  7. "Creio que em nome do sofrimento das crianças e da população civil esta situação deveria e poderia ser solucionada mais rapidamente, já faz quatro meses que vem tendo conversas, é urgente uma ação, o pior é que não sei de quem, só Deus mesmo": a mensagem é de Fernanda Dau Souza, de São Paulo (SP), que cita ainda a questão da Grécia e dos imigrantes na Europa.

    ResponderExcluir

Translation

translation