quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

ESPECIALISTAS SE MOSTRAM A PRINCÍPIO FAVORÁVEIS A JULIAN ASSANGE: DECISÃO SERÁ AO MEIO DIA EM GENEBRA NA SUIÇA

ÚLTIMA INFORMAÇÃO - O grupo de trabalho sobre detenção arbitrária da ONU concluiu que a reclusão do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, na embaixada do Equador em Londres representa uma detenção ilegal, anunciou a Agência Lusa. As decisões do painel da ONU já influenciaram a libertação de personalidades como a birmanesa Aung San Suu Kyi e o jornalista do Washington Post Jason Rezaian:  esperando decisão de especialistas da ONU jornalista ganha manchetes em todo mundo, em jogo a liberdade de informação

 


Um escândalo que envolve o direito à informação e questiona da democracia dos USA também



O fundador do WikiLeaks, imprensa investigativa, Julian Assange, disse que até aceitará ser preso pela polícia do Reino Unido na sexta-feira se um grupo de especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU) que está investigando as acusações contra ele decidir que os três anos que ele passou dentro da Embaixada do Equador, em Londres, não equivale a uma detenção, afirmou em sua conta no Twitter: "Se a ONU anunciar nessa sexta-feira que perdi meu caso contra o Reino Unido e a Suécia, deverei deixar a embaixada ao meio-dia daqui para aceitar a detenção por parte da polícia britânica, já que uma apelação não me parece possível. No entanto, se a decisão for a meu favor e ficar provado que os Estados agiram de maneira ilegal, espero a devolução imediata do meu passaporte e que não ocorram novas tentativas de me prender nem de impedir o meu trabalho de informação".  O jornalista australiano é investigado na Suécia por suspeita de estupro em 2010 e se refugiou em Londres para evitar extradição para os Estados Unidos que o consideram um inimigo público nº 1 por revelações que ele fez no seu webespaço Wikileaks. A avaliação da ONU sobre a ação movida por Assange contra o Reino Unido e a Suécia será divulgada oficialmente nas próximas horas. Agências de notícias como Reuters e Associated Press, sites internacionais como o da rede britânica BBC ou nacionais como G1 e Diário do Grande ABC estão informando hoje de antemão que o painel de especialistas da ONU tomou uma decisão favorável a Assange, concluindo que Julian Assange teria sido detido arbitrariamente. Desde os 41 anos, ícone do jornalismo investigativo, Julian Assange está "exilado" na Embaixada do Equador, agora já com 44 anos. Defensores da liberdade de informação sempre têm se manifestado pela libertação do jornalista nestes 3 anos. O painel da ONU, com sede em Genebra, não tem qualquer autoridade para impor suas conclusões às autoridades judiciais britânicas ou suecas. Sua decisão pode, no entanto, influenciar os promotores que irão prosseguir para um interrogatório sobre as alegações de má conduta sexual, sem que isso possa causar a sua extradição para os Estados Unidos, onde Assange diz correr risco de vida. Foi positiva a atitude do Equador, que ofereceu asilo ao australiano. No entanto, ele pode ser preso imediatamente se sair da embaixada deste país e pisar em solo britânico. Durante anos, policiais permaneceram em frente à embaixada, o que custou milhares de libras e também gera crítica da população inglesa. O temor de Assange é que a Suécia o entregue aos EUA, onde pode ser processado por ter revelado milhares de informações sigilosas de diplomáticos e de militares norte-americanos no site WikiLeaks, que foi fundado em 2006.Já os que lutam, como a gente, pela liberdade de informação, como um direto de cidadania e um estímulo ao avanço do ser humano e dos países, estamos na torcida pela libertação deste jornalista: "As suas notícias e críticas aos States não mataram ninguém, somente foram em busca de verdades ocultas ou de driblar mentiras oficias, nesse ponto, ele não comentou nenhum crime, ao contrário, a democracia americana é que está mostrando uma face violenta", é o que comenta por aqui no blog o nosso editor, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Silva Padinha.
Acompanhe mais informações em nossa seção de comentários, onde estaremos atualizando os fatos, de importância para a luta ou a história da liberdade de informação ou, por outro lado, da censura. 



Finalmente nas próximas horas, Julian Assange (WikiLeaks) poderá ganhar a liberdade...

...após 3 anos de exílio ou detenção na Embaixada do Equador em Londres



Fontes: Reuters/AP/BBC/G1/Estadão/Diário Grande ABC
              www.folhaverdenews.com


8 comentários:

  1. Nós que nos último 5 anos estamos aqui no blog da ecologia, da cidadania e da não violência defendendo em variadas circunstâncias a liberdade de informação, consideramos que este é um momento histórico no jornalismo.

    ResponderExcluir
  2. Através destas fontes citadas em nossa postagem de hoje e do próprio Twitter de Julian Assange, estaremos buscando a notícia da decisão e da sequência dos acontecimentos. Aguarde e confira aqui.

    ResponderExcluir
  3. Desde já coloque aqui nesta seção o seu comentário ou envie sua mensagem por e-mail para a redação do nosso blog navepad@netsite.com.br e/ou direto para o nosso editor padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. Desde já coloque aqui nesta seção o seu comentário ou envie sua mensagem por e-mail para a redação do nosso blog navepad@netsite.com.br e/ou direto para o nosso editor padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Acho isso um absurdo, com tantos criminosos soltos por aí vão prender um jornalista nestas condições, mesmo que ele tenha tido outros problemas na Suécia, o que se destaca é a sua luta cultural": a opinião é de Luíza Helena Santos, estudante de Jornalismo na Unesp em Bauru (SP).

    ResponderExcluir
  6. "Estou ligado nessa situação e acho também que ela é histórica e importante para a liberdade de expressão": o comentário é de Paulo Azevedo Monte, produtor cultural, de Santo André (SP), que nos enviou material do jornal Grande ABC sobre o fato.

    ResponderExcluir
  7. Seja qual for a decisão da ONU, das justiças britânica e sueca e até dos Estados Unidos, está evidente que este jornalista está sofrendo uma perseguição política, mesmo que tenha errado em alguns pontos, como no caso sexual na Suécia, que também pode ter sido uma armação contra ele": quem comenta é José Pereira Alves, do Rio de Janeiro (RJ), advogado que acompanha este caso há 5 anos, como nos diz no seu e-mail.

    ResponderExcluir
  8. ÚLTIMA INFORMAÇÃO - O grupo de trabalho sobre detenção arbitrária da ONU concluiu que a reclusão do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, na embaixada do Equador em Londres representa uma detenção ilegal, anunciou a Agência Lusa. As decisões do painel da ONU já influenciaram a libertação de personalidades como a birmanesa Aung San Suu Kyi e o jornalista do Washington Post Jason Rezaian. Logo mais poderemos ou não confirmar esta informação e analisar os seus efeitos.

    ResponderExcluir

Translation

translation