terça-feira, 1 de março de 2016

COM A FORÇA DE TER VENCIDO O OSCAR LEONARDO DICAPRIO DEFENDE A AMAZÔNIA DE VAZAMENTOS DE PETRÓLEO


DiCaprio e ecologistas pedem solução a vazamentos de petróleo na Amazônia e o governo do Peru decreta estado de emergência em 16 regiões deste país que faz fronteira com o Brasil 



DiCaprio é um ecologista além de ator
Agora ele fortalece a luta da entidade ambientalista Amazon Watch lutando contra este vazamento de petróleo


O ator Leonardo DiCaprio, novo ganhador do Oscar de melhor ator pelo filme O Regresso, sugeriu  às autoridades do Peru que limpem as áreas da Amazônia neste país contaminadas por vazamentos de petróleo ocorridos nas últimas semanas.O problema vinha sendo alertado por ambientalistas de toda América do Sul, nos últimos 6 anos, estes vazamentos vem se repetindo por ali, agora o desastre foi com maior intensidade e ameaça a ecologia amazônica como um todo. DiCaprio sugeriu que seus seguidores nas redes sociais Facebook e Twitter participem da coleta de assinaturas da organização americana Amazon Watch para enviar uma mensagem ao primeiro-ministro peruano, Pedro Cateriano, e pedir que proteja a natureza da região, as 16 comunidades mais afetadas  e as aldeias indígenas afetadas pelos vazamentos. "Pelo menos dois vazamentos devastadores de petróleo ocorreram no último mês na Amazônia peruana, foram derramados milhares de barris de petróleo nos rios", advertiu DiCaprio. O ator que sempre toma posição nas causas ecológicas apoiou a denúncia da Amazon Watch que acusa a empresa estatal PetroPeru de ser a responsável pelo desastre ambiental, por ser a empresa encarregada de operar o oleoduto no qual ocorreram os últimos dois vazamentos. O governo do Peru já declarou estado de emergência em 16 regiões da floresta amazônica devido a vazamentos de petróleo, como na região de Loreto, nordeste do país. A medida, anunciada no Diário Oficial peruano repercutiu em em blogs como o nosso, em sites noticiosos como Terra e no Portal Amazônia, ela envolve ajuda humanitária às comunidades e assistência nas operações de limpeza, que vai vigorar por 60 dias. A decisão é tomada mais de um mês depois de ter sido registrado um outro grande derramamento de petróleo no distrito de Imaza, com população de 23 mil pessoas. Segundo especialistas ambientais, os derramamentos devem-se à deterioração da infraestrutura. A PetroPeru foi multada em US$ 3,6 milhões pela falta de manutenção do equipamento. No início deste mês, o governo considerou situação de emergência na área de saúde na região, pelo fato de o petróleo ter poluído os rios que fornecem água potável aos distritos afetados. Um grupo defensor dos direitos dos indígenas informou que desde 2010 ocorreram 11 vazamentos de petróleo na região amazônica do Peru. Um drama socioambiental e de saúde que o Brasil pós-Mariana conhece bem.


Dois grandes vazamentos agora da PetroPeru afeta 16 áreas de floresta amazônica

Leonardo DiCaprio vem defendendo causas socioambientais o tempo todo...


...e devido a isso foi recebido pelo Papa Francisco recentemente



Estão sendo feito mutirões de limpeza nas 16 regiões do Peru mais afetadas

A decisão de decretar estado de emergência foi finalmente tomada, depois de um mês, quando se registrou um outro derramamento de petróleo no distrito de Imaza.  Antes um outro vazamento foi registrado no dia 3 deste mês no distrito de Morona, que tem 9 mil habitantes. Nos dois distritos, os moradores são predominantemente indígenas. Os vazamentos ocorreram em partes de um oleoduto construído nos anos 1970 e gerido pela companhia estatal PetroPeru, que distribui petróleo a partir da floresta, pelas montanhas dos Andes, até as refinarias, por meio de longa rota na costa norte peruana.
Segundo especialistas ambientais, os derramamentos devem-se à má gestão e também à deterioração da infraestrutura. A PetroPeru foi multada em US$ 3,6 milhões mais pela falta de manutenção do equipamento. No início deste mês, o governo considerou situação de emergência na área de saúde na região, pelo fato de o petróleo ter poluído os rios que fornecem água potável aos distritos afetados. Um grupo defensor dos direitos dos indígenas informou que desde 2010 ocorreram 11 vazamentos de petróleo na região amazônica do Peru. Há informações de geólogos e entidades ambientalistas que os vazamentos de petróleo em regiões peruanas já podem estar contaminando alguns afluentes do Rio Amazonas já no território brasileiro. É certo que já contaminaram centenas de nascentes em algumas partes fronteiriças da Amazônia entre o Brasil e o Peru.


Fontes: www.portalamazonia.com
             www.terra.com.br 
             www.folhaverdenews.com

7 comentários:

  1. A decisão de interditar e declarar emergência ambiental e de saúde em 16 regiões da Amazônia peruana é tomada pelo Governo do Peru porque vazaram milhares de barris de petróleo em zona florestal entre os Andes e o Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Não fora o prestígio e a mídia que consegue mobilizar Leonardo DiCaprio mais uma vez os ecologistas ficariam a denunciar sozinhos e em vão este desastre ambiental de grande monta, mais um megacrime ambiental.

    ResponderExcluir
  3. Logo mais mais informações por aqui8 nesta seção de comentários onde você já pode colocar a sua mensagem ou opinião.

    ResponderExcluir
  4. Outra opção é você enviar a sua mensagem pro e-mail do nosso blog de ecologia e de cidadania através do navepad@netsite.com.br e/ou direto para o nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Aquela região entre os Andes, o peru e o Brasil é uma grande reserva da última ecologia da Amazônia e creio que deveria ser proibida qualquer atividade (como esta da PetroPeru) que coloque em risco a floresta e os povos locais": o comentário é do geólogo Rafael de Castro Silva, que fez um trabalho de pesquisa ba região, ele que é ligado à USP.

    ResponderExcluir
  6. "H´5 ou 6 anos índios e ecologistas vêm denunciando em vão vazamentos no sistema de petróleo desta empresa (PetroPeru) que atua em área de preservação ambiental, o que deveria ser proibido. Agora com o prestígio deste grande ator de Hollywood, parece que pode haver mudanças neste problema crônico": comentário de Joel Mendes de Almeida, que faz teatro em Salvador na Bahia.

    ResponderExcluir
  7. "A PetroPeru foi multada em US$ 3,6 milhões pela falta de manutenção do equipamento que provocou o vazamento de petróleo em rios e nascentes no interior peruano, é pouco diante da contaminação das águas na Amazônia, algo que pode ter a pior consequência para animais e pessoas na região, que era um refúgio ecológico e está sendo poluído não se sabe o quanto": o comentário é de Maria Fernanda Azevedo, de Santos (SP), advogada.

    ResponderExcluir

Translation

translation