sexta-feira, 4 de março de 2016

EMPRESAS DOS ESTADOS UNIDOS DEVASTAM 13.800 HECTARES DE FLORESTAS NA AMAZÔNIA PERUANA EM DOIS ANOS

A denúncia da agência de notícias EFE foi confirmada pela entidade internacional Oxfan e agora através de nosso blog a informação chega ao movimento ecológico



A organização não governamental Oxfan, uma das mais antigas e respeitadas do planeta, hoje congrega cerca de 20 outras entidades em 94 países, de ação humanitária, cidadania e justiça social, inclusive, socioambiental. Pois bem, a Oxfan confirmou à agência de noticias internacionais da Espanha, a EFE, que, aproximadamente, 13.800 hectares de floresta amazônica peruana já foram derrubados em pouco mais de dois anos por empresas americanas dedicadas ao cultivo de dendezeiro e cacau, um agroempreendimento norteamericano que começou na Amazônia em 2013. Uma notícia recente dava conta que o ator, vencedor do Oscar 2016, Leonardo DiCaprio pediu através da mídia mundial que parasse o vazamento de petróleo em outra área de reserva peruana, entre os Andes e o Amazonas, por má gestão da empresa PetroPeru. Agora, a Amazônia dentro do território peruano volta ao noticiário para um outro problema ecológico. Em entrevista coletiva em Lima, a organização indicou que as áreas desmatadas por este grupo empresarial  dos States se localizam nas regiões de Loreto e Ucayali, no nordeste e no leste do país, segundo um levantamento local feito pelo jornal Convoca. De acordo com a Oxfan, o conglomerado reúne 16 empresas ativas que seguem operando em território peruano, apesar de o Ministério da Agricultura e Irrigação ter aprovado três resoluções para impedir seus trabalhos já entre 2014 e 2015 pelos mesmos problemas de desmatamentos de grande monta. O levantamento foi apresentado pela jornalista que liderou a investigação, Milagros Salazar; lado a lado com a adjunta para Meio Ambiente, Serviços Públicos e Povos Indígenas da Defensoria Pública, Alicia Abanto, e um coletivo de líderes indígenas que afirma ter sido enganado pelas empresas do Grupo Melka. De acordo com a repórter Milagros, tanto este atual conglomerado empresarial quanto seu fundador, o americano Dennis Melka, já tinham sido denunciados antes e já vinham sendo investigados pela Promotoria do Peru por supostos crimes ambientais na Amazônia. A grande mídia mantém silêncio sobre estes fatos, mas sites de notícias como o Terra e os blogs de ecologia e de cidadania não podemos nos calar diante de mais esta agressão à natureza da Amazônia, mesmo porque com a tecnologia atual existem formas sustentáveis de cultivo do dendê e do cacau, sem a necessidade de devastação de áreas tão grandes, como este 13.800 hectares de florestas nativas nas regiões de Loreto e de Ucayali, onde além das reservas naturais, sobrevivem também algumas comunidades, em sua maioria, povos indígenas, agora tendo como manifestar o seu protesto pela situação que vêm sofrendo há 3 anos. 


Parte da área de 13.800 hectares de florestas nativas na Amazônia do Peru...

...já devastadas pela agroempresa americana do Grupo Melka

Esta embarcação levou a repórter Milagros Salazar ao desmatamento


Fontes:   EFE   
                 www.oxfan.com.br
                 www.terra.com.br
                 www.folhaverdenews.com      

6 comentários:

  1. A informação da agência EFE está sendo acolhida também graças à credibilidade da ONG Oxfan, que atua desde a época dos horrores da miséria e da fome provocados pela Segunda Guerra Mundial: um pequeno grupo de pessoas de Oxford, na Inglaterra, se reuniu para pensar em soluções para ajudar os refugiados na Grécia. E daí nasceu, se mulktiplicou e cresceu a ação da Oxfan.

    ResponderExcluir
  2. Cada vez mais ao longo de mais de meio século a Oxfam foi ampliando sua atuação, saindo da Europa para também atuar em outros continentes como África, Ásia e América Latina e, acrescentando ao trabalho humanitário iniciado em 1942, o apoio a programas de longo prazo para melhorar a vida das pessoas e a realização de campanhas tanto para arrecadar fundos, como para influenciar as mudanças necessárias no combate à pobreza e mais recentemente, na questão socioambiental e humanitária, no caso dos refugiados.

    ResponderExcluir
  3. Logo mais, por aqui nesta seção de comentários mais informações sobre a pauta de hoje, você pode desde já postar aqui a sua mensagem.

    ResponderExcluir
  4. Pode entrar e escrever sua mensagem nesta seção de comentários ou enviar um e-mail para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania, através do webendereço navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Você pode também contatar por e-mail o nosso editor de conteúdo aqui do blog Folha Verde News, enviando a sua mensagem ou a sua sugestão de pauta, escreva para padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. "Um absurdo, sem controle e de forma industentável para as reservas da Amazônia, estes empresários dos Estados Unidos estão se enriquecendo às custas da maior reserva de natureza do mundo": a mensagem é de Djavan Moreira, de Belo Horizonte (MG), que atua no mercado publicitário e fez Biologia na UFMG.

    ResponderExcluir

Translation

translation