sexta-feira, 11 de março de 2016

OLHA SÓ QUEM ESTÁ CRITICANDO A FALTA DE INVESTIMENTOS EM MEIO AMBIENTE: ISSO SINALIZA MUDANÇA E FUTURO?


Chineses criticam: muitos governos ignoram o meio ambiente (podem incluir aí Brasil e estado de São Paulo nesta crítica de muita atualidade aqui e em quase todo o planeta)

 

Milhões de pessoas e até autoridades chinesas já pensam verde como Chen Jining 

 

O ministro do Meio Ambiente da China, Chen Jining, criticou nesta sexta-feira que muitos governos locais ou prefeituras do seu país "prestam muita atenção ao desenvolvimento ignorando porém a proteção ambiental, ou seja, com uma visão não contemporânea nem sustentável". Vale citar que este é um momento que a China sofre os mais graves problemas de poluição em sua água, solo e atmosfera.E alguns cientistas e ambientalistas brasileiros já se manifestaram sobre isso, nas redes sociais, pedindo ironicamente para Chen Jining incluir tanto o Brasil como ainda alguns governos regionais, como o de São Paulo, no contexto desta crítica.  "Muitos políticos têm uma grande e grave mentalidade de protecionismo dos interesses locais, mas em algumas ocasiões ninguém é responsável pela conservação ambiental, não há esforços nem investimentos urgentes na área ambiental e então a aplicação da lei é frágil", reconheceu o ministro desta área Chen em entrevista coletiva às vésperas do plenário anual da Assembleia Nacional Popular, o poder legislativo na China. É por isso que o novo XIII Plano Quinquenal que  está sendo debatido nessa assembleia e que vai orientar todas políticas da China entre 2016 e 2020, contém pautas para melhorar a supervisão ambiental, o que poderá elevar assim também  o controle das administrações locais pelo poder central e centralizado do governo chinês.Seja por esta estratégia centralizadora das políticas públicas, seja por uma posição a favor da ciência e do meio ambiente, de toda forma, Chen Jining está dizendo lá o que todos os governantes deveriam dizer por aqui e na maior parte das regiões da Terra. 


Felizmente para a China o Ministro do Ambiente Chen Jining  é um cientista


A China deveria ser a última a falar em ecologia mas está sendo uma das primeiras a ganhar liderança verde mundial


O XIIIº Plano Quinquenal da China Popular está priorizando o setor ambiental



Está sendo exemplar e de força planetária este posicionamento de Chen Jining, assim como repercute também intensamente as posições pró meio ambiente e contra interesses do petróleo do acordo feito hoje também entre Justin Trudeau e Barack Obama, Canadá e Estados Unidos, colocando a América do Norte rumo a um futuro mais sustentável. Na realidade, este é um momento no qual a China ocupa muitas manchetes da imprensa mundial pela frequente poluição de sua capital, Pequim, e outras grandes cidades, o ministro ambiental ressaltou que o país se encontra na segunda fase de seu plano para controlar as emissões poluentes, procurando assim colocar seu país na liderança verde: "Na primeira fase do plano, não importa o que se faça, os resultados são poucos, na segunda os esforços continuam, mas as conquistas já começam a acontecer e dependem também de elementos naturais como a umidade, a chuva ou o vento", afirmou Chen, estimulando políticas públicas em harmonia com a natureza, economia com ecologia, para resultar num desenvolvimento sustentável. Em relação ao fato de que Pequim segue dependendo de um clima favorável para gozar de dias azuis (como ocorreu neste inverno, mais frio do que em anos passados) Chen Jining não fugiu do assunto que é bastante desafiador:  "Estamos lutando em todas as frentes contra a poluição e chegando por aqui na China em uma terceira fase na qual os resultados serão mais visíveis". Os chineses estão numa 3ª fase de uma gestão socioambiental, o que ainda nem começou no Brasil...Ressaltou lá ainda o ministro, que usou como exemplo os esforços para redução da queima de carvão e as limitações ao tráfego que causa a poluição do ar. Chen garantiu que nas 74 cidades onde foi aplicada a medição dos índices de qualidade de ar  (e que estabelecem alertas em caso de alta poluição, recomendando à cidadania não sair ao exterior nos casos mais graves) já reduziu em até 40% a concentração no ar das partículas mais nocivas. O ministro Chen Jining negou, por outro lado, que só agora a China tenha começado a se preocupar com a situação ambiental, também devido à posição nesse sentido da ONU e em geral dos cientistas: informou que já desde o final dos anos 90, foram iniciadas as medidas verdes que já estão começando a colher os primeiros sucessos na redução da chuva ácida. "Nos anos 90, 30% do solo estava afetado pela acidez, agora isso se reduziu a 8,8%", ressaltou o ministro Chen ao assegurar que há maior controle da concentração no ar dos dióxidos de nitrogênio e enxofre, que estão entre os principais causadores da chuva ácida e da própria poluição atmosférica. Questionado por parte de alguns correspondentes de agências internacionais de notícias sobre se a China fixou metas concretas de redução do uso de carvão (sua principal fonte de energia e uma das principais causas da poluição no país)  Chen Jining não deu números concretos, mas destacou que "serão dedicados grandes esforços para ajustar a diversificação energética".O mundo espera que este discurso seja a prática política chinesa nos próximos anos, para atenuar os desequilíbrios ambientais e planetários. O Plano Qüinqüenal 2016-2020, cujo minuta foi publicada parcialmente em 5 de março e que agora está sendo divulgado com mais detalhes, estabelece entre outros objetivos reduzir em 18% a intensidade de carvão frente a 2015 (as emissões de dióxido de carbono divididas pelo PIB) e aumentar o uso de combustíveis não fósseis (de 12 a 15%), sinalizando investimentos em energias limpas como a Solar e a Eólica. A posição de Chen Jining deveria ser também a do Ministério do Meio Ambiente do Brasil e dos secretários estaduais e municipais deste setor em todas as regiões do nosso país, como um sinal sustentável de futuro em nossa vida. 

A população chinesa já entendeu a mensagem do ministro e cientista Chen Jining

Há espaço e esperança para um plano ambiental China-Brasil


Fontes: EFE/Reuters/BBC/Terra
            www.folhaverdenews.com

5 comentários:

  1. Na edição de ontem, falando sobre a adição de biodiesel ao diesel, para diminuir a poluição, destacamos aqui no blog esta pauta ambiental, hoje, por sinal, é o ministro Chen Jining da China quem ressalta esta pauta.

    ResponderExcluir
  2. Nosso webespaço que tem penetração no movimento ecológico, científico e de cidadania está assim sintonizado no tema de maior atualidade hoje em dia, pensando também em termos de criar o futuro, ameaçado, aqui, na China, em todo lugar.

    ResponderExcluir
  3. Logo mais, aqui nesta seção de comentários, mais informações sobre esta pauta: desde já você pode inserir aqui a sua mensagem ou externar a sua opinião neste assunto do moimento.

    ResponderExcluir
  4. Aguarde nossa edição de novos comentários e participe, sendo que você tem mais 2 opções para participar: enviar sua mensagem para o e-mail da redação do nosso blog navepad@netsite.com.br e/ou diretamente para o editor de conteúdo do nosso webespaço padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "A matéria sobre poluição do ar de ontem e esta hoje com a visão do ministro da China Chen Jining colocam a gente em sintonia com a atualidade": é a opinião de Evanir Mendes, pesquisador ambiental, que tem relacionamento como universidades como a USP, Unicamp e UFRJ, ele que é bioquímico de São Paulo (SP).

    ResponderExcluir

Translation

translation