domingo, 17 de abril de 2016

EQUIPE DE REPORTAGEM DO FOLHA VERDE NEWS FAZ FLASHES NO RIO CANOAS NA DIVISA ENTRE SÃO PAULO E MINAS GERAIS

Aventura das águas desta região do interior do país: por aqui o lado mineiro do Rio Canoas preocupa também ambientalistas que temem poluição na região entre Claraval e o Rio Grande: o tratamento de efluentes de todos os curtumes ainda é insuficiente para limpar nossas águas?



A câmera oscila pelo balanço do barco mas registra a imagem de cachoeira...


...nesta região entre São Paulo e Minas, na divisa entre a destruição e o amor pela natureza


Por conta de comentários ouvidos pelos repórteres Antônio de Pádua Silva Padinha e Cássio Freires durante a captação de flashes ecológicos junto ao Rio Canoas e Ribeirão das Onças, na região da divisa entre os estados de São Paulo e Minas Gerais, perto de Claraval (MG) e de Franca (SP), eles deverão procurar o Promotor de Meio Ambiente na Comarca de Ibiraci, Minas Gerais, que responde pelo trecho do Rio Canoas, já que antes de desaguar no Rio Grande estaria recebendo efluentes industriais de curtumes e talvez de outras fontes de poluição, como esgoto doméstico, agrotóxicos, garimpos ilegais, impactando ambientalmente as águas superficiais e subterrâneas, minas e nascentes: a preocupação de moradores do lado mineiro da divisa, foi manifestada à equipe deste blog Folha Verde News que captou flashes ecológicos nesta região. As nascentes estão secando e tudo sendo desmatado, não só nas áreas dos canaviais mas também junto às cidades. Devido a esta preocupação, os dois repórteres de ecologia devem contatar o MP de Ibiraci, que responde pela região de Claraval, para mais informações sobre a situação atual de poluição e/ou de despoluição ali entre os Rio Canoas e Grande. Os flashes de ecologia são divulgados atualmente no Facebook e já há uma emissora de TV interessada em inserir todas estas reportagens também nessa mídia de comunicação de massa. Independente disso, a repercussão já tem sido grande de todo flash como os realizados em águas em torno da divisa SP-MG nestes dias: um deles já foi postado neste sábado (16 de abril), outro deverá ser nas próximas horas e na sequência, nos dias ou meses seguintes deverá então continuar a série de matérias, aqui neste blog, no Face e em outras mídias, sobre as águas de toda a macrorregião entre o nordeste paulista e o sudoeste mineiro, desde a Serra da Canastra, onde nasce o Rio São Francisco até às barrancas do Rio Pardo em Ribeirão Preto (SP), passando também pelo Rio Sapucaí (Batatais, SP): a situação de nascentes, córregos, ribeirões, rios, lagoas, até também águas subterrâneas, como do Aquífero Guarani, todo o potencial hídrico de toda esta parte do nosso interior será tema de flashes e de reportagens, a aventura de nossa última natureza. A série é também em defesa da riqueza hidromineral daqui, de um processo mais limpo de produção industrial, de um aperfeiçoamento da despoluição, para garantir a última ecologia da nossa região, estimular um desenvolvimento sustentável e a criação do nosso futuro. Esta série de flashes e reportagens irá se estendendo a outras regiões do interior do país, dentro do movimento ecológico, científico, cultural e de cidadania que tem a chance de nos próximos anos criar uma realidade mais sustentável e feliz para o Brasil, dentro da nossa luta para mudar o mundo e avançar a vida no planeta apesar dos pesares de todos os problemas que todos conhecem e de toda a violência de nossos dias. Para exemplificar essa luta, com a situação das águas regionais, no caso de atividades mais perigosas ambientalmente, como curtumes de couro, há realmente a preocupação com a quantidade e com a qualidade dos produtos químicos usados no tratamento de efluentes, também com a destinação do lodo que resta deste processo, bem como de um aperfeiçoamento da despoluição. E isso se refere não só no caso ao Rio Canoas e Minas Gerais, mas também aos curtumes de Franca e outras atividades industriais ou rurais (uso de agrotóxicos). Por exemplo, além do tratamento primário dos efluentes  junto aos curtumes (levando em conta que estas águas industriais contém o metal pesado cromo, que é muito tóxico, prejudicial à saúde do ambiente e da população) e do tratamento secundário, ambos já parcialmente implantados nesta macrorregião em estações de despoluição, já surge a necessidade de um avanço a mais, de um tratamento, digamos, terciário, despoluindo mais ainda, oxigenando e limpando totalmente as águas. Isso faria também de Franca uma cidade ecológica. Trata-se de um desafio da tecnologia ambiental e de uma necessidade atual, levando em conta a importância cada vez maior de nossas águas. Este enfoque como um guia técnico e ambiental está no contexto dos nossos flashes e das reportagens ecológicas, também levam em conta a saúde do ambiente, da água, das pessoas e da nossa última natureza, é uma aventura em busca da realidade sustentável, em que a ecologia e a economia se equilibrem a bem da condição de vida e para existir futuro por aqui. Vamos juntos, participe você também deste movimento de avanço na luta pelas nossas águas. Pode até parecer uma utopia mas se trata de um desafio que podemos superar juntos, poder público e sociedade civil, Ministério Público, empresas, administrações públicas, cientistas, ecologistas, uma evolução tanto das ações de políticas públicas como as de educação ambiental ou cultura popular mais tradicional, atual ou contemporânea ligadas à nossa natureza. Vamos juntos nos flashes ecológicos e na união de forças. Vamos juntos buscar uma nova realidade na aventura das águas e da vida de agora por aqui no interior do país.



Nascentes, riachos, ribeirões, córregos e rios como o Canoas cada vez mais ameaçados...

...por variadas fontes de poluição e de efluentes que em Minas vão desembocar...

 
...nas águas do Rio Grande na divisa entre São Paulo e Minas Gerais


Fontes: www.google.com.br
             www.folhaverdenews.com 

9 comentários:

  1. Logo mais, aqui nesta seção de comentários, mais informações e mensagens, aguarde a nossa próxima edição neste blog.

    ResponderExcluir
  2. Participe você também desde já, postando aqui nesta seção o seu comentário, sua mensagem, sua opinião: uma outra opção é você enviar um e-mail para a redação do nosso blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Outra alternativa é você enviar um e-mail direto pro editor de conteúdo do nosso blog, inclusive para sugerir pautas padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Importante repórteres de preocuparem com o Rio Canoas e as cachoeiras, nascentes, ribeirões da nossa região que é muito rica ainda mas cada vez fica mais dífícil prá natureza aqui e em todo o lugar": o comentário é de Joaquim Francisco de Oliveira, que vive entre Claraval (MG) e Franca (SP).

    ResponderExcluir
  5. "Assim como uns 100 internautas até na hora em que vi o post acompanhei a reportagem de vocês no Facebook e curti, importante essa luta ecológica": o comentário é de Jurandir Alves, que mora em Ribeirão Preto (SP) onde atua no ramo imobiliário, ele que veio do meio rural, nasceu numa fazenda da Serra da Canastra (MG).

    ResponderExcluir
  6. "Reportagens e questionamentos, ainda mais de conteúdo ecológico, são sempre benvindos nesse país, ainda mais nessa hora em que em todos os lugares há uma agitação de gente de todas as posições e tendências, alguém tem mesmo que falar em nome da nossa natureza": Washington Morais, de São Paulo (SP), profissional de Tecnologia da Informação junto a grupo de empresas exportadoras.

    ResponderExcluir
  7. "Espero que o Ministério Público leve em conta o relato destes repórteres registrado aqui neste post, a bem da natureza do interior": quem comenta é Flávia Santos Salles, de Marília (SP), que estuda Biologia na Unicamp, em Campinas.

    ResponderExcluir
  8. "Haverá os que vão falar que não adianta nada protestar opu denunciar no MP porque já está tudo poluído na natureza, porém, iniciativas para se mudar esta realidade são valiosas": quem comenta é Bárbara Gersoni, de São Paulo (SP) que atua com Fisiatria.

    ResponderExcluir
  9. "Vocês devem mesmo procurar e acionar o Ministério Público, é a forma de levar adiante a luta pela ecologia": mensagem de Sebastião Gomes, de Sorocaba em São Paulo, técnico em Informática.

    ResponderExcluir

Translation

translation