sexta-feira, 20 de maio de 2016

CIENTISTAS ALERTAM QUE O CAOS DO CLIMA AVANÇA MAIS RÁPIDO DO QUE AS ATUAIS MEDIDAS DOS GOVERNOS

Mudança climática avança mais rápido do que o previsto e a ONU alerta também sobre falta de um desenvolvimento sustentável na América Latina: danifica a qualidade da água e da vida


Os efeitos da mudança climática se manifestam mais rapidamente do que a comunidade científica previu, fator que exige que os governos dos países em geral tomem imediatamente outras medidas estruturais, advertem especialistas do Pnuma, Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. O estudo de análise ambiental apresentado agora em Nairóbi é o último e também o mais exaustivo relatório realizado por este programa mundial das Nações Unidas que, através de seis levantamentos regionais, revela uma ameaça comum global cuja intensidade está aumentando de forma preocupante. Em quase todo o planeta, o aumento da população, a rápida urbanização, os níveis de consumo cada vez mais crescentes dos recursos naturais, a desertificação e a degradação do solo provocaram uma grave escassez de água e puseram em risco a segurança alimentar de centenas de milhões de pessoas. "Com a continuidade desta tendência não será possível melhorar os padrões atuais de produção e de consumo, é urgente utilizar os recursos naturais de forma sustentável senão o estado crítico do meio ambiente seguirá piorando até um caos", lamentou em entrevista coletiva o diretor-executivo do Pnuma, Achim Steiner. Em resumo, Steiner admite que ainda não é o caos, as avaliações regionais em toda a Terra mostram que há ainda tempo para serem neutralizadas as consequências mais graves da mudança climática, especialmente a destruição dos ecossistemas marítimos e o crescente nível de poluição do ar. Mas já podem agora ser previstas por exemplo secas intensas na região da América Latina onde está o nosso país., por falta de uma gestão sustentável e ambiental dos recursos hídricos, um dos maiores problemas do Brasil, ainda sem solução.


Qualidade de vida da população, do ar e da água no Brasil também foi enfocada...

...neste relatório feito agora pelo Pnuma da ONU em Nairobi na África

Os problemas da água estão ente os mais graves também por aqui na região

  
A qualidade do ar e da água está danificada por aqui em nossa região do planeta 


A alta taxa de urbanização e o rápido crescimento não sustentável da economia na América Latina estão pondo em risco a qualidade do ar e da água na região, advertiu o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. "O desenvolvimento sustentável em síntese é um equilíbrio entre os interesses econômicos com os ecológicos, algo que pode ser visto como uma nova forma de viver e que exige uma outra estrutura, um outro sistema", comentou por aqui Antônio de Pádua Silva Padinha, repórter e ecologista ao editar no blog Folha Verde News esta avaliação do Pnuma que nos chegou através da agência de notícias EFE, do site Terra e do portal da própria ONU. O estudo denominado de Previsão Meio Ambiental Global (GEO-6), apresentado agora na jornada em Nairóbi, revela que a contínua expansão das áreas urbanas, o crescimento da população e o aumento do consumo, dispararam as emissões de gases poluentes deixando já hoje mais de 100 milhões de pessoas em situação de risco. Outra das grandes ameaças para o futuro da vida na América Latina é a gestão dos recursos aquíferos, especialmente os dedicados à agricultura, que consomem 68% de água na região.Segundo avalia o Pnuma, 30 milhões de pessoas não vem tendo fornecimento de água, o que aumenta a probabilidade de contrair malária, cólera ou disenteria e outras doenças transmitidas pela água não potável. Estudo  GEO-6 calcula também que cerca de 45% de água é perdida inclusive antes de chegar ao consumidor final e, ao mesmo tempo, as altas temperaturas batendo recordes e as baixas precipitações registradas em algumas regiões nos dois últimos anos deverão produzir secas cada vez mais graves. Proliferação de gados e zonas de pasto também tiveram um grande impacto nas emissões de óxido nitroso (+29%) e metano (+19%), mas sobretudo supuseram uma enorme perda para a massa florestal em toda a zona da América do Sul, em especial, no Brasil. Em mais de uma década, 17% dos novos cultivos e 57% dos novos gramados se estabeleceram em áreas não florestadas, que além disso são mais suscetíveis a sofrer inundações e enchentes.Keisha García, cientísta de Trinidad e Tobago, que é hoje encarregada de coordenar o estudo sobre a América Latina e Caribe, lembrou que as economias desta região têm uma grande dependência dos recursos naturais, por isso precisam com mais urgência ainda se adaptar ao novo contexto climático, o desenvolvimento sustentável é fundamental para sobrevivência de toda esta região do planeta onde está o Brasil e estamos nós, algo que a maioria das autoridades públicas ou políticas nem se dão conta ou fingem desconhecer, agravando os problemas socioambientais da população agora e diminuindo nossas chances de avançar ao futuro da vida.



Só um desenvolvimento sustentável é capaz de mudar esta realidade
20 especialistas de 10 países já estão em Nairóbi (Quênia) neste trabalho do Pnuma


Fontes: ONU - EFE - www.terra.com.br
             www.folhaverdenews.com 

7 comentários:

  1. O relatório Previsão Meio Ambiental Global (GEO-6) faz parte dos esforços globais para combater a mudança climática e é um antecipação da segunda Assembleia Meio Ambiental das Nações Unidas (UNEA-2), que acontecerá na próxima semana em Nairóbi, no Quênia, na África.

    ResponderExcluir
  2. Desde já adiantamos algumas das principais informações levantadas por este relatório do Pnuma da ONU, dentro das nossa luta de divulgar a urgência cada vez maior de se implantar no Brasil e no planeta gestões públicas de desenvolvimento sustentável.

    ResponderExcluir
  3. "Só uma estrutura de desenvolvimento sustentável é capaz de equilibrar os interesses econômicos com os ecológicos, aumentando as chances de avanço de um país e da condição humana de vida": comentário do repórter de ecologia Padinha, ao editar e antecipar aqui neste blog algumas das conclusões a serem anunciadas pela ONU na África nos próximos dias.

    ResponderExcluir
  4. Coloque aqui nesta seção de comentários a sua mensagem também ou se preferir envie um e-mail para a nossa redação navepad@netsite.com.br e/ou direto pro nosso editor padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Ouvi um resumo destas informações hoje de madrugada na rádio da BBC e realmente a situação no Brasil e na América Latina é um das mais caóticas em termos socioambientais e econômicos": comentário de Ronaldo Peres, que se prepara para especialização em Hidrogeologia na Unesp.

    ResponderExcluir
  6. "O Brasil deveria se ligar menos em problemas políticos ou partidários e resolver questões mais urgentes como as socioambientais e a falta no país dum desenvolvimento de verdade, como propõem os cientistas da ONU": comentário de Paulo Rafael de Souza, engenheiro civil, região de Passos em Minas Gerais.

    ResponderExcluir
  7. "Esse relatório chegou na hora certa, estou fazendo um trabalho sobre ambientalismo na faculdade de História da Unesp Franca": mensagem de Fábio Paula Oliveira, que é de João Pessoa (Paraíba).

    ResponderExcluir

Translation

translation