quinta-feira, 26 de maio de 2016

CIENTISTAS BRASILEIROS FAZEM MOVIMENTO CONTRA A INFELIZ EXTINÇÃO DO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

A fusão do MCTI com o das Comunicações feita pelo Governo Temer pode resultar num retrocesso de 30 anos, num prejuízo para a pesquisa e a solução dos atuais  e mais graves problemas do Brasil


Pesquisas garantem a solução de problemas econômicos, ambientais e de saúde


É um movimento mais discreto do que a luta que acabou vitoriosa contra a extinção do MinC porque não envolve artistas ou celebridades mas a gravidade da fusão promovida pelo Governo Temer entre o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) com o das Comunicações está gerando os maiores protestos de entidades científicas, de Universidades  e de pesquisadores brasileiros, tanto por exemplo por parte de estudantes universitários como de mestres do setor da SBPC (Sociedade Brasileira pelo Progesso da Ciência) ou ainda da Academia Brasileira de Ciências (ABC). "Uma fusão destas não tem nada a ver com a realidade e prejudica o trabalho de 30 anos dos cientistas", comentou criticamente o físico carioca Luiz Davidovich ao tomar posse da presidência da ABC, que é respeitada tanto no Brasil como no exterior. Como uma das medidas de contenção de despesas e nova gestão, o governo federal anunciou a fusão entre o MCTI e o Ministério das Comunicações. "O que realmente falta no país é um gestão de desenvolvimento sustentável e para isso, o avanço da ciência é fundamental, os cientistas e as pesquisas precisam ser prioridade, enquanto que sob o enfoque de contenção de despesas, as autoridades econômicas brasileiras deveriam é conter a sangria financeira que representa o gasto com remuneração dos políticos do Legislativo, além de supersalários também dos poderes Executivo e Judiciário entre outras áreas que poderiam sofrer cortes", comentou por aqui o repórter e ecologista Antônio de Pádua Silva Padinha, que edita o blog Folha Verde News, que tem contato direito e diário com o movimento ecológico, científico e de cidadania há vários anos através deste nosso neste webespaço debatendo problemas e soluções. As respeitadas entidades do setor ABC e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) já lançaram  um manifesto contra esta fusão de ministérios. Segundo Luiz Davidovich, que é professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a medida é um retrocesso histórico: "Priorizar a ciência é fundamental para que o nosso país contorne a crise econômica e consiga melhorar também as condições de saúde e de qualidade de vida da população". Em uma história de avanços de 30 anos, foi o MCTI que articulou a criação de Fundações de Amparo à Pesquisa e de Secretarias de Ciência em todos os estados. Graças a isso que se construiu por todas as regiões brasileiras uma rede de financiamento à pesquisa e à ciência. O ministério atualmente extinto também coordenou 20 institutos nacionais que atuam em variadas áreas indispensáveis e estratégicas para um desenvolvimento de verdade do Brasil, que carece de uma atualização do sistema público. que deveria estar criando urgente uma gestão pública de desenvolvimento sustentável capaz de criar um equilíbrio entre os recursos naturais brasileiros e os interesses econômicos, promovendo também uma melhor distribuição de investimentos em novas soluções, inovações e pesquisas que possam resolver problemas urgentíssimos hoje no país em áreas fundamentais como saúde, meio ambiente, educação, condição de vida do povo e criação do futuro da Nação, ameaçado com esse tipo de desgoverno. A desvalorização de todo o setor científico nacional envolve também um prejuízo na formação de novos cientistas e pesquisadores e até mesmo também da solução sustentável dos problemas brasileiros. Para Luiz Davidovich, "são os jovens cientistas que descobrirão como combater epidemias como a de zika e outras que virão, que irão também inovar na tecnologia e agregar valor a produtos, o país não se interessa por ciência e tecnologia e isso é uma questão absurda, triste e preocupante, os governantes deveriam liderar um estímulo ao interesse dum avanço científico e cultural, sem o que o Brasil não vai superar os desafios que só crescem, não vai conseguir a superação necessária de desafios sem por exemplo investir em jovens pesquisadores que têm saídas brilhantes, porque sem eles as soluções e inovações virão com atraso". A maioria dos cientistas e pesquisadores estão protestando como o erro de gestão governamental. O país investirá 2,5% do PIB no setor, mas hoje já recebe 2,05%. Quanto pior a crise, maiores precisam ser os investimentos em ciência e tecnologia. Caso contrário, claro é impossível o Brasil sair do buraco e conseguir nos próximos anos resolver os seus principais problemas.


Luiz Davidovich da entidade científica ABC também critica fusão

A SBPC é a outra entidade de ponta do setor também criticando

  Jovens pesquisadores que protestaram em Brasília também


Fontes: www.reporterdiario.com.br
              www.folhaverdenews.com

8 comentários:

  1. Em seguida postaremos aqui nesta seção de comentários mais informações sobre este importante movimentos dos cientistas, pesquisadores e de estudantes universitários brasileiros. Confira. E participe.

    ResponderExcluir
  2. Você pode postar aqui o seu comentário ou a sua mensagem e opinião como fez Antônio Alves Abulquerque, que é de Belo Horizonte (MG) ,as se formou pela Unesp em São Paulo: "Sem o apoio à pesquisa, um problema de muitos anos no Brasil, a solução, a inovação, tudo se atrasará, impedindo que o Brasil avance".

    ResponderExcluir
  3. Você pode postar aqui o seu comentário conmo fez o Antônio Alves, de BH, ou então enviar a sua mensagem por e-mail para a redação do nosso blog via o navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Outra opção ainda é enviar um e-mail direramnente pro nosso editor de conteúdo com a sua opinião, foto ou video ou informações e comentário, também pode sugerir pautas: padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "A mídia em geral não está dando a devida atenção a este movimento que é fundamental para o país ir à frente": comentário de Juliana Morais Negri, de Curitiba (Paraná) que tem um filho pleiteando verba de pesquisa, sem resposta há 2 anos.

    ResponderExcluir
  6. "Brincadeira perigosa, essa má tradição brasileira dos políticos de desprezarem a cultura e a ciência, isso mostra que o desafio pro nosso país superar os seus problemas serão maiores ainda, o que mais falta no Brasil são homens públicos de verdade": o comentário é de Jarbas Aparício Mendes, do Rio de Janeiro (RJ), que é Educador Ambiental.

    ResponderExcluir
  7. "Fatos como este fazem com que a imagem do Brasil e em especial dos atuais políticos seja a pior das piores no exterior, onde a mídia tem mais liberdade de crítica do que por aqui, onde os lobbies e os intertesses dominam tudo": quem comenta é Maria dos Santos Pereira, que atua na área de exportação de produtos naturais.

    ResponderExcluir
  8. "Um erro de gestão governamental tão absurdo como esse já desmoraliza de cara o Governo Temer, que tem que mudar muito pro país melhorar": Jader Carvalho, Feira de Santana (Bahia) atua em todo o nordeste como representante comercial de algumas empresas do eixo São Paulo e Rio.

    ResponderExcluir

Translation

translation