terça-feira, 21 de junho de 2016

JOVEM ANTISSISTEMA CONSEGUE SE ELEGER PREFEITA DE ROMA NA ITÁLIA E SURPREENDE O MUNDO

Primeira mulher eleita Prefeito em Roma promete iniciar uma nova era na política italiana, priorizando qualidade de vida e cidadania


Virgínia Raggi é um sinal de mudanças na política atualmente



A seguir um dossiê sobre  a nova prefeita de Roma, a jovem Virginia Raggi,  do Movimento 5 Estrelas, contrária à política tradicional, ela que usa as redes sociais como sua forma de comunicação, busca ser independente e até revolucionária: a gente aqui no blog Folha Verde News faz hoje uma pesquisa sobre Raggi sintetizando um resumo de notícias captadas nas agências Ansa, Reuters e AFP, em sites internacionais como BBC e nacionais como JB, Isto É, O Globo e Folha Nobre para ajudar a sua informação sobre esta nova líder de cidadania. Ela é um fenômeno novo na Itália, onde os partidos políticos têm muitas dificuldades atualmente, sendo também um destaque mundial, também por ser uma mulher jovem que consegue superar uma grande barreira e se colocar no comando da mais influente cidade italiana e uma das principais da Europa. "Após nossa vitória nas urnas, agora se abre uma nova era. Eu não poderia deixar de falar sobre os quatro meses de campanha que se tornaram praticamente uma “guerra” sem precedentes. O ponto é que eles não conseguiram nos parar. Sinal de que somos fortes assim como os romanos, buscando novos caminhos”, escreveu Virginia Raggi, do M5S, Prefeita de Roma. Ela também postou nas redes sociais um agradecimento aos fundadores deste partido, o comediante Beppe Grillo e Gianroberto Casaleggio, falecido em abril deste ano. A vitória do M5S impôs uma dura realizada ao Partido Democrático (PD), do primeiro-ministro Matteo Renzi. Até a líder do PD na Câmara dos Deputados, Laura Boldrini, afirmou que o resultado das urnas mostram “um claro sinal de necessidade de mudança”. Recentemente, a Áustria elegeu pela primeira vez na história do planeta e da política um ecologista Presidente, isso também dá a dimensão das mudanças que estão começando a acontecer na realidade:“É preciso fazer política de uma maneira que os partidos sejam mais transparentes e limpos”, comentou ainda Laura Boldrini.A deputada ressaltou ainda a importância política de duas jovens mulheres  liderando grandes cidades e parabenizou tanto Virgínia Raggi como Chiara Appendino, que venceu em Turim. Mais um sinal de mudanças começando a acontecer, é o tom dos comentários na mídia européia. A cidade de Roma foi envolvida em um grande escândalo de corrupção no ano passado, que ficou conhecido como “Máfia Capital”. Desde novembro do ano passado, a cidade é governada por comissários após a renúncia do então prefeito e, agora, será administrada pela oposição. Foi um baque, comentam alguns jornais da Europa, falando sobre o tradicional partido PD derrotado no segundo turno das eleições municipais pelas candidatas do movimento populista, alternativo e antissistema Cinco Estrelas (M5S) em Roma e Turim. As derrotas colocam pressão sobre  todos os políticos tradicionais italianos e europeus em geral. No total, 126 cidades realizaram eleições na Itália. abalada em meio a um escândalo de gastos e à desorganização em algumas cidades. Virgínia Raggi, advogada de 37 anos, é vereadora em Roma desde 2013. Defensora de políticas de educação e meio ambiente, promete fazer uma faxina, com foco no combate à corrupção e aos privilégios a políticos e empresários. Também ganhou manchetes ao propor projetos diferentes e propostas de bem estar público como teleféricos na cidade. Além de mulher, com visão ecológica e de desenvolvimento sustentável, Raggi entra na história política da Itália como a primeira prefeita mulher de Roma e a mais jovem chefe de governo em seu país. Os seus eleitores buscaram, na expressão manifestada nas redes sociais, um "sopro de ar fresco" na política italiana. De repente, o sopro vira uma ventania na UE e o vento da renovação pode também repercutir até em outros lugares do mundo, como aqui mesmo no Brasil, que entrou como tema em algumas entrevistas e falas de Virgínia Raggi por causa dos Jogos Olímpicos. Ela não criticou de forma direta a Olimpíada do Rio 2106 mas foi explícita em se posicionar contra a candidatura de Roma para eventualmente sediar os Jogos Olímpicos de 2024. Raggi prioriza por enquanto uma gestão para reorganizar a cidade, como falou ao jornal Il Tempo: "Uma Olimpíada é um evento muito importante, os jogos são um presente econômico normalmente usado para construir grandes obras que ficam incompletas. É preciso primeiro se concentrar no básico, antes de pensar em promover os Jogos Olímpicos, Roma precisa resolver seus problemas, está morrendo afogada no caos do trânsito, em buracos, em questões socioambientais". Por uma postura democrática, a prefeita romana está propensa a realizar um plebiscito, uma consulta popular, para saber o que os próprios romanos e romanas pensam a este respeito. Mesmo que Raggi decida fazer um referendo, o tempo para realizar a consulta é pequeno. A tendência é que a "cidade eterna" fique sem os Jogos Olímpicos. No início de agosto, o Rio de Janeiro, onde vai rolar a Olimpíada deste ano (apesar de todos os problemas da população e de violência na "cidade maravilhosa" e no próprio Brasil), o Rio  receberá uma reunião do Comitê Olímpico Internacional (COI) com a presença da Roma (Itália) e de representantes de todos os países e cidades postulantes, lista que ainda inclui Budapeste (Hungria), Los Angeles (EUA) e Paris (França). Virgínia Raggi pode participar do encontro para dizer não, uma oportunidade para os brasileiros e brasileiras conhecerem esta nova líder da cidadania e do meio ambiente, com a sua visão crítica da política tradicional e uma luta voltada para a criação de um futuro sustentável. O encontro em agosto poderá de alguma forma influir nas eleições municipais brasileiras que estão agendadas para outubro? Raggi poderá ser o nome desta influência, a bem de mudanças na realidade.



Jovem líder da cidadania e do meio ambiente comanda agora Roma (Itália)


A poluição e a violência no Rio 2016 é destacada na Italia...

...onde Roma tem visão crítica do evento


Fontes: Ansa/Reuters/AFP/BBC/OGlobo/IstoÉ/FolhaNobre
             www.folhaverdenews,com 

8 comentários:

  1. Logo mais aqui nesta seção de comentários mais informações sobre esta pauta, coloque você também aqui a sua mensagem.

    ResponderExcluir
  2. Entre aqui com o seu comentário ou envie a sua mensagem pro e-mail da redação do nosso blog de ecologia e cidadania navepad@netsite.com.br e/ou direto pro e-mail do nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. "Agora é tarde, o Rio 2016 vai mesmo acontecer, Deus queira que não aconteça nenhuma desgraça e a cidade ou o país possam ter algum benefício, quanto à Prefeita de Roma, isso deve levar nosso povo a ter uma reflexão antes das eleições por aqui": o comentário é de Isabel Moretti, de São paulo (SP), executiva de Turismo, que nos envia noticiário sobre eventuais retornos da realização da Olimpíada no Rio e no Brasil.

    ResponderExcluir
  4. "A hora é dos ecologistas e das novas lideranças que atuam na cidadania e podem mudar a política que está um caos em todo lugar": comentário de Júlio de Abreu Santos, de Campinas (SP), economista pela USP.

    ResponderExcluir
  5. "Eu tinha lido no jornal espanhol El Pais sobre a
    Virginia Raggi, uma advogada de 37 anos, que será a primeira prefeita da história de Roma. No 2º turno das eleições municipais da Itália a candidata do Movimento 5 Estrelas (M5S) teve o dobro de votos de Roberto Giachetti, o candidato do poderoso Partido Democrático (PD). Isso encheu de esperança a juventude, os ecologistas e o movimento de cidadania de Roma": comentário de Leonor Mendes, de Curitiba (Paraná) que mantém um mudário de plantas e de árvores nativas.

    ResponderExcluir
  6. "A Itália continua em geral sendo pelo menos nas gerações mais maduras muito conservadora, por exemplo, Berlusconi diz que mulher não pode ser mãe e prefeita de Roma ao mesmo tempo": quem comenta é Mariana Santos, advogada de Ribeirão Preto (SP).

    ResponderExcluir
  7. "Ela é uma exceção mas mostra a força do movimento da cidadania que aqui no Brasil quase não tem representação política": comentário de José Antônio, redator de site de notícias na sua cidade, Sorocaba (SP).

    ResponderExcluir
  8. "Na Áustria, na Itália, na Espanha, na Grécia, a tendência está sendo de surpresas e os partidos mais tradicionais estão sendo derrotados, isso vai acabar se generalizando e acontecendo quem sabe também aqui no Brasil": o comentário é de Josué Oliveira, empresário, que tem uma filha que estuda Direito na Universidade de Coimbra em Portugal e lhe passou as informações.

    ResponderExcluir

Translation

translation