sábado, 4 de junho de 2016

VIOLÊNCIA POLICIAL CONTRA NEGROS E CONTRA JOVENS NO RIO, EM SÃO PAULO E NO PAÍS PROVOCA CRÍTICAS DA ANISTIA INTERNACIONAL AQUI E NO EXTERIOR

Entidade humanitária chega a questionar os riscos da Olimpíada 2016 no Rio de Janeiro por conta dos erros policiais e governamentais, apesar da mobilização positiva da mídia e da população carioca


Junto à imagem do Cristo Redentor contraste entre o horror e o valor deste evento


Andressa Maria Lima De Oliveira dá números do aumento da violência policial no Rio de Janeiro 3 meses da realização dos Jogos Olímpicos em matéria nos sites Gazeta Esportiva e Terra, passando para nós aqui do blog da ecologia e da cidadania um resumo das informações e das críticas que repercutem também no exterior, levando em conta o prestígio da Anistia Internacional. Esta entidade, que busca desenvolver uma ação humanitária, voltada aos direitos humanos, das minorias e da sociedade civil perante o poder estatal, chegou a divulgar que erros policiais, falhas na segurança pública e uso excessivo ou abuso de força sem controle das autoridades públicas ou políticas são fatores que podem comprometer o legado das Olimpíadas do Rio de Janeiro. A organização afirma que o Brasil segue repetindo erros de violência, como os cometidos durante a Copa do Mundo de 2014. A abordagem violenta sobre jovens negros nas comunidades da capital fluminense também é um ponto destacado, bem como, métodos e táticas policiais que remontam ainda aos tempos do governo ditatorial brasileiro, que caiu em 1986, mas estas práticas continuram na realidade: "Em 2009, quando o Rio foi escolhido para sediar os Jogos Olímpicos, as autoridades se comprometeram a melhorar a segurança. Porém, nestes sete anos, mais de 2.500 pessoas foram mortas pela polícia somente na cidade e poucos casos conseguiram justiça”, declarou Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional no Brasil. Ainda segundo o documento sendo também divulgado agora por agências de notícias em todo o planeta, os homicídios decorrentes de intervenções policiais cresceram em 40%. Em 2015, subiram mais 11%, em um total de 645 mortos pela polícia. 

“A ideia de atirar primeiro e só perguntar depois, coloca a cidade do Rio de Janeiro entre aquelas onde a polícia mais mata no planeta”, acusou o especialista Átila Roque.


Esta estratégia policial, para a Anistia, atrapalha o legado que poderia vir a ser deixado pela Olimpíada, de uma cidade com segurança para todos e com a população se integrando pelo esporte, melhorando assim a qualidade de vida para a maioria dos mais pobres. A própria polícia também não negou estes números da violência: em 2015, segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, foram 645 vítimas civis e 85 mortes de policiais. "Nós que amamos a ecologia humana do esporte e da não violência, queremos sim os Jogos do Rio 2016 mas só podemos pedir a Deus para que eles não venham a ser na prática uma maratona de violência", comentou o repórter e ecologista Antônio de Pádua Silva Padinha, ao editar estas informações mais que lamentáveis aqui em nosso blog, em busca de mudanças imediatas na situação, que fere até também a imagem do Brasil
  


A violência policial contra negros e povos da periferia...

Além de estratégia errada contra jovens em geral...

... criticadas pela Anistia depois de mais de 600 mortes em um ano

Atletas têm que enfrentar também a poluição

Ecologia do esporte ou maratona da violência policial?

O melhor é a mobilização positiva da população
 

Fontes: www.gazetaesportiva.com
             www.terra.com.br
             www.folhaverdenews.com 

7 comentários:

  1. Em seguida, postaremos aqui nesta seção de comentários mais informações sobre esta pauta, a violência nos Jogos Rio 2016: aguarde nossa edição e participe.

    ResponderExcluir
  2. Insira aqui nesta seção o seu comentário, a sua opinião sobre estes fatos e sobre este debate.

    ResponderExcluir
  3. Outra alternativa para participar é você enviar um e-mail para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Ou ainda, mais uma opção para vc participar desta postagem, envie sua mensagem diretamente pro e-mail do nosso editor de conteúdo padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Milhões de dólares investidos no valor do esporte e de repente a violência crônica do Rio e do país estraga tudo": comenta Maria de Lourdes Salles, que é carioca mas vive hoje em São Luís (Maranhão, "justamente para fugir dessa cidade que não é mais maravilhosa".

    ResponderExcluir
  6. "A cidade maravilhosa virou horrorosa pela sua violência, até também dos policiais", comenta ainda Maria de Lourdes Salles, advogada e ativista da OAB.

    ResponderExcluir
  7. "Só de estar entre as cidades que mais matam no mundo já coloca o Rio como impróprio para sediar um evento como a Olimpíada, deveria ser em outro local do Brasil": comentário de Luiz Alvarez, de Santo André (SP), produtor de teatro.

    ResponderExcluir

Translation

translation