quarta-feira, 20 de julho de 2016

AGÊNCIA DA ONU MANDA E-MAIL AO NOSSO BLOG SOBRE CAMINHOS PARA AVANÇAR A AGRICULTURA FAMILIAR BRASILEIRA E AS COMUNIDADES RURAIS

Chefe de agência da ONU destaca o nosso país dentro do objetivo de promover o homem e a mulher do campo por aqui via uma agricultura sustentável: o FIDA já atua no nordeste do país mas pode começar parcerias também em outras regiões 

 

 

Uma parceria para o desenvolvimento sustentável do meio rural do país

 

Na mensagem ao nosso blog de ecologia e de cidadania, a agência das Nações Unidas  comenta que o Brasil tem muito a ensinar ao mundo sobre a importância dos agricultores familiares, segundo pensa o presidente do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), Kanayo F. Nwanze: ele está a caminho de Brasil, sua visita oficial começa ainda nesta semana: "O papel dos agricultores familiares na alimentação do mundo é inegável”, afirmou Nwanze: "No Brasil, eles produzem até 70% dos gêneros alimentícios e o planeta tem algo a aprender sobre a forma como o Brasil apoia os agricultores familiares, é fundamental fornecer ao homem e à mulher do campo as ferramentas de que precisam para serem bem-sucedidos no seu trabalho de produção e de sobrevivência". Aqui no  Brasil, Kanayo Nwanze visitará duas cooperativas financiadas pelo FIDA no Estado da Bahia (a COOPERCUC em Uauá e a COOPROAF em Manoel Vitorino), ele também deverá se reunir dentro desta pauta da sua viagem oficial com o Governador da Bahia, Rui Costa.  Há mais de 30 anos, o FIDA colabora com o nosso país no sentido de reduzir a pobreza, transformar as áreas rurais e aumentar de forma sustentável (com equilíbrio entre a ecologia e a economia) aumentar a produtividade dos pequenos agricultores, avançando o agronegócio familiar mas sempre protegendo o meio ambiente: "Trabalhamos juntos para assegurar que as inovações tecnológicas que já começam a ser desenvolvidas no país sejam compartilhadas por todo o continente e outras regiões da Terra, esta pode ser uma parceria exemplar, pois temos objetivos em comum", resumiu Nwanze.  Com um carteira de investimento total de mais de US$ 450 milhões, as operações apoiadas pelo FIDA no Brasil são as maiores da agência na América Latina e Caribe. Dois terços de todo este total, aproximadamente US$ 300 milhões, consiste de contribuições das autoridades brasileiras e beneficiários. Seis projetos com financiamento do FIDA atualmente implementados no Brasil estão beneficiando diretamente mais de 250.000 famílias na região semiárida do Nordeste. "Este contatos com esta agência da ONU são vitais para trazer esta parceria para outras regiões do país, por exemplo, por aqui no sudeste e no sul, onde cresceu muito a agricultura orgânica tipo familiar", comentou por aqui no Folha Verde News o nosso editor de conteúdo Antônio de Pádua Silva Padinha, apoiando os objetivos da FIDA e pensando em um avanço rural em várias culturas do desenvolvimento sustentável, "base para a criação do nosso futuro, que não pode se limitar só à economia industrial e urbana". Uma das principais características dos projetos apoiados pelo FIDA no Brasil é a busca de inovações técnicas e práticas agrícolas que permitam aos agricultores familiares enfrentar os desafios apresentados pelo ambiente inóspito do semiárido do nordeste brasileiro. Os exemplos incluem métodos de produção orgânica e agroecológica, coleta de água e tecnologias de conservação, além de metodologias de planejamento participativo para aproveitar as inovações e o conhecimento tradicional da população rural brasileira. Dois novos projetos que estão em preparação expandirão as operações financiadas no sertão semiárido onde atuou nos últimos 35 anos na área de transição da Amazônia para a Mata Atlântica, chegando assim ao agreste de Pernambuco. Com os dois projetos que devem entrar em operação até o fim de 2018, eleva-se acima de US$ 550 milhões o total de investimentos apoiados pelo FIDA aqui em nosso país,  beneficiando mais de 300 mil famílias, cerca de 1 milhão de pessoas. Esta agência está também apoiando vários programas que promovem tecnologias, práticas e políticas agrícolas positivas e inovadoras a favor da agricultura familiar no Brasil e em toda a América Latina. Em resumo, o FIDA investe na população rural, para reduzir a pobreza, aumentar a segurança alimentar, melhorar a nutrição e fortalecer a resiliência, recuperação do equilíbrio ecológico da terra e dos recursos naturais. Desde 1978, fornece mais de US$ 17,7 bilhões em doações e empréstimos a juros baixos para projetos que beneficiaram cerca de 459 milhões de pessoas em todo o planeta. O FIDA é assim também uma instituição financeira internacional e uma agência especializada das Nações Unidas com sede em Roma, onde funciona o centro mundial de alimentação e agricultura da ONU. Mais detalhes, dados, informações e contato com o FIDA na seção de comentários aqui no nosso blog, confira.


A agricultura familiar e orgânica cresce muito em todas as regiões brasileiras

Parceria com o FIDA pode avançar a estrutura

Agricultura familiar e orgânica ganha cada vez mais mercado

Grandes feiras também internacionais alavancam este setor

Porém a parceria com o FIDA da ONU é fundamental atualmente

Fontes: www.onu.org.br
             www.folhaverdenews.com

9 comentários:

  1. O FIDA-Mercosul tem um programa apoiado por esta agência da ONU que encoraja as autoridades governamentais a compartilhar políticas e práticas bem-sucedidas a favor da agricultura sustentável e familiar no Mercado Comum do Sul (Mercosul), que inclui Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela.

    ResponderExcluir
  2. Entre 2011 e 2015, a iniciativa Agricultural Innovation Marketplace (MKTPlace) convidou cientistas da América Latina, Caribe e África para trabalhar em conjunto com cientistas da EMBRAPA para adaptar inovações tecnológicas agrícolas sustentáveis desenvolvidas no Brasil a outros países e regiões.

    ResponderExcluir
  3. Nos próximos três anos, um novo programa financiado pelo FIDA –Adaptando Conhecimento para Agricultura Sustentável e Acesso aos Mercados – permitirá a extensão e adaptação de inovações desenvolvidas pela EMBRAPA a projetos financiados pelo FIDA na América Latina.

    ResponderExcluir
  4. Em abril, o FIDA aprovou uma nova estratégia de país para o Brasil. Segundo essa estratégia, todas as operações financiadas pelo FIDA no Brasil se concentrarão em apoiar os agricultores familiares aumentando sua capacidade produtiva, facilitando seu aceso a serviços essenciais (capacitação, planejamento do investimento, crédito rural e apoio técnico, com atenção especial a tecnologias adaptadas ao clima), fortalecendo suas organizações e conectando-os aos mercados.

    ResponderExcluir
  5. “A nova estratégia de país desta agência reafirma nosso compromisso em colaborar com as autoridades brasileiras no combate à pobreza onde hoje se faz mais necessário, as áreas rurais pobres do Nordeste do Brasil”, afirmou Nwanze, diretor do FIDA.

    ResponderExcluir
  6. Para obter mais informações sobre as operações do FIDA no Brasil, agendar uma entrevista com um porta-voz do FIDA, contate: Juan Ignacio Cortés
    Encarregado de Comunicações para a América Latina e Caribe - Telefone +390654592882 ou então pelo e-mail j.cortes@ifad.org


    ResponderExcluir
  7. "A ONU acertou em divulgar o lance agricultura sustentável aqui neste blog, tem tudo a ver e pelo que sei, o FIDA já atua no nordeste do país, bom se começar a fazer parcerias também em outras regiões brasileiras, por aqui no sul e também no sudeste os orgânicos estão precisando meso dum apoio extra": comentário de Valdir Francisco, de Curitiba (Paraná), que mantém duas lojas com produtos naturais e entreposto de orgânicos.

    ResponderExcluir
  8. Mande vc tb a sua mensagem pro e-mail da redação do nosso blog navepad@netsite.com.br e/ou direto pro e-mail do nosso editor padinhafranca@gmail.com e/ou ainda poste a sua mensagem diretamente nesta seção de comentários.

    ResponderExcluir
  9. "O investimento do FIDA da ONU é grande, tem uma carteira de investimento total de mais de 450 milhões de dólares. estas operações são as maiores da agência na América Latina e Caribe, se bem que dois terços de todo este total, aproximadamente US$ 300 milhões, saem daqui mesmo do país. É uma forma de melhorar a estrutura da agricultura familiar e o avanço dos alimentos orgânicos e mais saúdáveis, que precisam ser mais consumidos para baratear seu preço final ao consumidor": comentário de Ivanir Deodato, de Presidente Prudente (SP), economista que também atua como0 produtor de fruticulturas.

    ResponderExcluir

Translation

translation