terça-feira, 26 de julho de 2016

CIENTISTAS MOSTRAM PREOCUPAÇÃO COM O FIM DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL EM ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA SCIENCE

Site Eco destaca que uma polêmica emenda constitucional (Pec 65) deve acelerar construção de megahidrelétricas e estradas na Amazônia e sem a licença ambiental há um risco maior ainda para a última ecologia do país: confira um resumo aqui

Belo Monte. Foto: Wikimedia Commons
PEC 65 pode acelerar grandes obras e impactos ambientais enormes


"Em meio à turbulência política e recessão econômica, corre no Senado a polêmica emenda constitucional conhecida como PEC 65/2012. Ela abole o licenciamento ambiental no Brasil. Se sancionada, essa emenda pode causar uma destruição indiscriminada e de grande escala da Amazônia. A emenda foi proposta em 2012 pelo senador Acir Gurgacz (PDT-RO). Em abril desse ano, foi aprovada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado. Em maio, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) entrou com um requerimento solicitando que a PEC voltasse à CCJ, com o objetivo de aprofundar o debate técnico e legal em torno do texto e suas consequências. Seu requerimento foi aceito e Rodrigues é o atual relator da PEC. Em seu relatório, ele classificou esta emenda como inconstitucional, além de considerá-la o mais grave retrocesso ambiental das últimas décadas. Seu parecer aguarda votação. Se for aprovado por seus colegas na CCJ, a PEC 65 será arquivada. Cerca de 334 hidrelétricas foram propostas e mais da metade delas estão na Amazônia brasileira. Além disso, mais de 1 milhão de quilômetros quadrados da Amazônia brasileira já foram registrados como de potencial interesse para a mineração. Entretanto, a legislação ambiental vigente pode barrar o avanço de muitos destes projetos: 60% do potencial hidrelétrico da Amazônia e 20% de áreas amazônicas com interesse registrado para mineração estão dentro de áreas estritamente protegidas e terras indígenas. Se for ratificada, a nova emenda permitirá que os construtores usem essas áreas e ignorem restrições ambientais bem como os direitos dos povos indígenas. O Plano Decenal de Expansão de Energia mais recente prevê a construção de 12 megabarragens na Amazônia brasileira até 2024. Estas barragens representam 93% do aumento previsto na capacidade de geração de energia hidrelétrica do país. Se a emenda for sancionada, essas futuras barragens - juntamente com megaprojetos de infraestrutura associados, tais como rodovias e linhas de transmissão de energia elétrica - serão implementadas apesar de avaliações insuficientes sobre os impactos sociais e ambientais. Se a construção associada de rodovias também carecer de planejamento sustentável, os projetos poderão levar indiretamente a uma expansão indiscriminada das fronteiras agrícolas e um aumento ainda maior nas taxas de desmatamento. Para proteger a Amazônia, é preciso modernizar planos de exploração de energia, substituir a infraestrutura convencional com infraestrutura sustentável (harmonizando os interesses econômicos com os ecológicos) e integrar o planejamento e gestão. Existe uma massa crítica de literatura científica que sugere o planejamento na escala da bacia hidrográfica antes da construção de novos projetos de infraestrutura. Esse é o caminho certo. Entretanto, a PEC 65 vai na direção oposta e colocará décadas de esforços em conservação e a própria Amazônia em perigo", é em suma a argumentação dos biólogos Rafael Almeida, Thomaz Lovejoy e Fábio Roland.


Fontes: Revista Science
             www.oeco.org.br
             www.folhaverdenews.com 


Aqui, dados sobre os três biologos indo à luta, levantando esta causa de cidadania pelo desenvolvimento sustentável, pelo equilíbrio entre a economia e a ecologia
 

rafael Rafael M. Almeida é biólogo e doutorando em Ecologia
pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Estuda a 
Amazônia desde 2007, com foco na bacia do Rio Madeira,
e está atualmente terminando seu doutorado no Cary 
Institute of Ecosystem Studies (EUA)
f_Lovejoy Thomas E. Lovejoy é biólogo e professor titular da 
George Mason University (EUA). Estuda a Amazônia 
há 50 anos e é um dos biólogos conservacionistas
mais importantes da atualidade no planeta
fabio Fábio Roland é biólogo sendo professor titular da 
Universidade Federal de Juiz de Fora. Estuda a Amazônia
desde a década de 80, onde colabora com um projeto de 
recuperação do Lago Batata, um lago amazônico impactado
por rejeitos da mineração de bauxita

9 comentários:

  1. Logo mais, aqui no blog da ecologia e da cidadania, mais informações sobre esta luta pela Amazônia e pelo Desenvolvimento Sustentável, que em suma é um equilíbrio básico entre os interesses econômicos e os ecológicos, a bem da vida.

    ResponderExcluir
  2. Confira aqui nesta seção de comentários logo mais nossa próxima edição dentro desta pauta. Outra opção para participar: envie a sua mensagem para o e-mail da redação do nosso blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Outra alternativa para participar desta luta é entrar em contato com o editor de conteúdo do nosso blog, inclusive para comentar ou sugerir pautas no e-mail padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Três cientistas de grande credibilidade e a denúncia deles com todo fundamento não é contra o desenvolvimento e sim a favor de o Brasil avançar, conseguindo se desenvolver e ao mesmo tempo ajudar o reequilíbrio ambiental, sem o que não há futuro em nossa vida": comentário do repórter e ecologista Padinha, que edita este blog.

    ResponderExcluir
  5. "Será o fim da nossa natureza isentar grandes obras de licenciamento ambiental, esta PEC caso aprovada irá decretar a morte política do atual Congresso Nacional e de cada um dos parlamentares": quem comenta é Manuel Pereira Barros, engenheiro, que se formou pela Unesp e atua na região do Cerrado, no Mato Grosso.

    ResponderExcluir
  6. "A defesa da ecologia é tão ou mais importante que a questão da economia, sem os recursos naturais nenhum país, muito menos o nosso, terá um mínimo de futuro": comentário de Valdir Fernandes, de Juiz de Fora (MG), advogado especializado em Meio Ambiente.

    ResponderExcluir
  7. Fausto Macedo, jornalista que mantém blog em SP, nos envia informações e dados sobre a PEC 65, que chegou a ser inicialmente aprovada em abril e que deverá ainda ser votada pós-recesso parlamentar.

    ResponderExcluir
  8. O Ministério Público Federal divulgou nota técnica contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 65/2012, que derruba licenciamento ambiental para obras. Para a Procuradoria, na prática, "esta medida descaracteriza o processo de licenciamento ambiental – composto por várias etapas – e impede qualquer controle posterior sobre o cumprimento das obrigações socioambientais por parte do empreendedor". O documento foi encaminhado ao Senado Federal.


    ResponderExcluir
  9. “A Proposta de Emenda Constitucional nº 65/2012, ao acrescentar o § 7° ao art. 225 da Constituição, com a redação apresentada e aprovada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal, altera por completo a sistemática vigente acerca do licenciamento ambiental, em flagrante violação a Cláusulas Pétreas da Constituição, a princípios constitucionais explícitos e a compromissos internacionais assumidos pelo Brasil perante a comunidade internacional”, diz a conclusão da Nota Técnica subscrita por três subprocuradores-gerais e um Procurador da República em defesa de uma visão sustentável nos empreendimentos no Brasil.

    ResponderExcluir

Translation

translation