domingo, 28 de agosto de 2016

APESAR DA PROPAGANDA DOS POLÍTICOS E GOVERNANTES MAIS 65% DE QUEIMADAS NO BRASIL E TAMBÉM POR AQUI NO INTERIOR PAULISTA


Dano ambiental é incalculável, afirmou biólogo sobre queimadas na região entre Ribeirão Preto e Franca, divisa entre São Paulo e Minas Gerais agora nesta época

 

Entre agosto e setembro, antes que venham as chuvas da Primavera, esta é a época mais crítica por aqui entre o nordeste paulista e o sudoeste mineiro: os prejuízos causados pelas queimadas na região de Ribeirão Preto, Orlândia, Barretos, Ituverava, Jardinópolis, Guaíra, Miguelópolis, que estão na zona dos canaviais, mas invadindo também regiões cafeeiras, como Franca (SP) e Sacramento (MG), as queimadas estão ganhando uma dimensão insustentável. O biólogo da USP Milton Groppo tem sido entrevistado sobre isso pelo G1 e pela reportagem da EPTV em algumas destas ocorrências, em que  a falta de chuvas e o clima seco favorecem os focos de incêndio que aumentam desde o final de agosto. Apesar de denúncias, também pela regional da TV Record de Franca, não há em andamento medidas para prevenir ou diminuir a incidência deste problema desta época, nem no meio rural nem nas cidades, aliás, em todo o Brasil, não há uma gestão ambiental e governamental neste sentido, algo que é fundamental para reequilibrar o meio ambiente ou atenuar alguns tipos de doenças sazonais da população, ainda mais que a Saúde Pública nem aqui nem no país interior tem nenhuma estrutura.


Trecho em chamas em Orlândia (Foto: Maurício Glauco/EPTV)
Esta é a imagem que se vê ao longo das estradas na divisa entre SP e MG


Além das queimadas rurais, as urbanas estão aumento demais


O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou mais de 53 mil focos de incêndio só agora em 2016 no Brasil


 O fator mais grave para esta situação é a falta de governo sustentável


Nós aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News abrimos nosso webespaço para a informação que é uma das manchetes socioambientais hoje no Brasil: desde o início do ano até o dia 5 de agosto, já foram registrados mais de 53 mil focos de queimadas e incêndios florestais no país. O número representa um aumento de 65% em relação ao mesmo período do ano passado. O registro foi feito pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), mas outras autoridades do Governo Federal não se manifestaram sobre este fato que mais uma vez escandaliza internautas e movimento dos ambientalistas, em especial na Europa, a dano da imagem (e dos negócios) do Brasil neste momento de crise na economia. Nesse momento a ecologia é um fator de maior peso ainda", comenta por aqui o nosso editor de conteúdo, repórter e ecologista Antônio de Pádua Silva Padinha. Para o coordenador de Monitoramento de Queimadas e Incêndios Florestais do Inpe, Alberto Setzer, ainda estamos no início da temporada de queimadas, que atinge o pico em setembro e a situação já atinge este nível de alerta. Alberto Setzer adverte sobre a necessidade de intensificar a fiscalização para evitar que a população coloque fogo na vegetação nesta época do ano (a ação do homem, aliada ao tempo quente e seco, é uma das principais causas dos incêndios florestais). Setzer porém não se refere à falta de uma gestão ambiental por parte do Governo Temer e também os anteriores, esta fala de administração pública e o lobby de grandes empresas do agronegócio e das madereiras junto a parlamentares no Congresso Nacional e nos governos estaduais ou até municipais, são talvez o fator nº 1 desta situação.  O Acre apresenta uma das situações mais graves, com 844 focos, três vezes mais que 2015. No Amazonas, foram registrados até agora 3.022 registros de queimadas, um crescimento de 284% na comparação com o mesmo período do ano passado. Os números são os oficiais que o  Programa de Monitoramento de Queimadas e Incêndios Florestais do Inpe está divulgando agora. Por sua vez, segundo o Grupo de Trabalho em Previsão Climática Sazonal do MCTIC, a Seca que já agora está atingindo o sudoeste da Amazônia, especialmente o Acre, deve se agravar ainda mais nos próximos meses.  O rio Acre deve atingir o mais baixo nível histórico (entre 1,20 m e 1,30 m) e impactar a navegação e o abastecimento de comunidades ribeirinhas. O levantamento é válido para os meses de agosto, setembro e outubro deste ano. Desde março, o volume de chuvas é pouco na região, em parte por conta do El Niño, que começou no outono do ano passado. Os efeitos ficam mais complexos a partir de agora com a ação de outro fenômeno oceânico, La Niña.  Todos estes fatores alteram os ventos em boa parte do planeta e o regime de chuvas também na Amazônia e em outras regiões do Brasil, mas em todas as regiões a falta de uma gestão ambiental de Desenvolvimento Sustentável é o que mais prejudica o ambiente, também até a economia brasileira e a saúde da população.


Fenômenos oceânicos El Niño e La Niña influem mas...

 ...o lobby do agronegócio e das madeireiras, além da...

...falta duma gestão ambiental e governamental é o fator nº 1


Fontes:  Portal Brasil - www.ecodebate.com.br
               G1 - EPTV - Record de Franca
               www.folhaverdenews.com

9 comentários:

  1. Logo mais, postaremos por aqui mais informações nesta seção de comentários, aguarde e confira.

    ResponderExcluir
  2. Participe da luta do movimento ecológico, científico e de cidadania para mudar esta realidade: você pode colocar desde já aqui a sua opinião ou então de preferir enviar a sua mensagem para o e-mail da redação do nosso blog através do webendereço navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Você pode também trocar informações, enviar a sua msm ou sugerir pautas para o editor de conteúdo do nosso blog pelo e-mail padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Esssa situação sem dúvida prejudica também no final das contas a economia do país": comentário de José Rubens Garcia Neto, de Ribeirão Preto (SP), que é engenheiro agrônomo pela Unicamp.

    ResponderExcluir
  5. "Ainda bem que tem chvido agora em agosto antes mesmo da primavera em algumas regiões brasileiras, atenuando o problema grave demais das queimadas e as autoridades não tomam medidas": comentário de Sueli Cardoso, advogada em São José do Rio Preto (SP).

    ResponderExcluir
  6. "A falta de chuvas e o clima seco favorecem os focos de incêndio agora ainda mais. Muitos locais atingidos, por exemplo, vi na mídia regional, 80 hectares da Mata de Santa Tereza, em Ribeirão Preto, e 250 hectares de uma reserva ambiental em Orlândia": comentário de Durval Ferreira, que é de Batatais (SP), trabalha em São Paulo na área hospitalar e vei passar uns dias na região.

    ResponderExcluir
  7. “O dano ambiental aqui nessa região é incalculável. Vimos no caminho de Orlândia e Jardinópolis algumas áreas de mata que foram completamente queimadas. A recuperação dessas áreas será muito difícil”, disse o biólogo Milton Groppo, entrevistado em rádios, jornais e TVs de todo o nordeste paulista.

    ResponderExcluir
  8. "Levando em conta que o INPE é um órgão respeitado e um dos mais especializados do mundo, eu fico chocado e preocupado demais ao sabe que no caso da Amazônia houve um crescimento de 284 por cento nas queimadas agora, comparando estes 8 meses de 2016 com o mesmo período do ano passado: a minha pergunta é, quem será responsabilizado no Brasil por isso?": comentário de Alberto Teodoro dos Santos, de Juiz de Fora (MG), advogado, ele acredita que a OAB deveria fazer um processo de forma urgente no país.

    ResponderExcluir
  9. "No caso daqui da nossa região não vi nem ouvi nenhum dos candidatos a prefeito ou vereador aqui nas cidades do nordeste paulista ao menos citar este problema ou alguma medida que possa dar fim a essa violência contra a natureza e a saúde da população, algo que também prejudica a economia e portanto a todos": comentário feito em separado pelo repórter e ecologista Padinha, editor deste blog.

    ResponderExcluir

Translation

translation