domingo, 7 de agosto de 2016

COM FRENTE FRIA AUMENTARAM CHANCES DE CHUVA NO NORTE E NORDESTE PAULISTA ENTRE 2ª E 4ª FEIRA APÓS 2 MESES

Com a seca, as queimadas e a ameaça de doenças respiratórias aumentando é boa a notícia da Climatempo prevendo alguma chuva para começo da semana por aqui trazida pelos ventos de agosto

Estado de atenção em todo interior do país

As principais vítimas humanas da seca e das queimadas

Graças a Deus e à natureza estão se formando algumas chuvas

Orlando Villas Boas, vizinho em São Paulo na década de 80 do  editor de conteúdo do nosso blog de ecologia e de cidadania Folha Verde News, Antônio de Pádua Silva Padinha, foi a primeira pessoa a informar a este repórter e ecologista que os ecossistemas do Rio e do nordeste de São Paulo, divisa com sudoeste de Minas, são similares: "As naturezas destas regiões são semelhantes e quando venta ou chove para os cariocas e fluminenses, ventará ou choverá também nesta região do interior paulista", disse à época Villas Boas, que além de atuar com povos indígenas (um dos fundadores do Parque Nacional do Xingu) era estudioso do clima e do meio ambiente. Agora, anos depois, Padinha recebe informação de Michele Fernandes, do site meteorológico Climatempo, que mais uma vez mostra o acerto da previsão do sertanista quando ainda vivo morava na capital paulista e sabia detectar no ar a aragem vinda do Atlântico e da Serra do Mar: "A poluição do ar paulistana pode ainda bem ser atenuada com estas aragens marítimas". constatava Villas Boas, que residia perto do MASP. Bem, mas voltando à atualidade, agora na cidade do Rio de Janeiro também, a massa de ar seco ganhou força e garantiu um dia ensolarado e com temperatura elevada em toda aquela região onde se realizam algumas das principais provas dos Jogos Olímpicos de 2016. O fim de semana começou com bastante sol, calor e temperatura em rápida elevação; a manhã do sábado já terminava com temperatura acima dos 30°C e durante a tarde ainda esquentou mais, com a máxima na capital fluminense chegando a aproximadamente 35 °C. Além do calorão, a umidade relativa do ar voltou a cair e os índice se aproximou dos 30%, caracterizando estado de atenção. Atenção também por aqui no norte/nordeste paulista, com o aumento de queimadas urbanas e rurais, bem como dos índices de problemas respiratórios e secura nas plantações. Neste domingo, por outro lado, uma frente fria chega ao Sudeste e seu avanço segundo a repórter de meteorologia Michel Fernandes será notado logo cedo na cidade do Rio de Janeiro, pois haverá uma intensificação dos ventos. Há expectativa de rajadas de vento moderadas, com velocidade variando entre 30 e 60 km/h. Ainda assim, durante a maior parte do do dia, o sol vai brilhar forte na cidade da Olimpíada e a temperatura continuará elevada, com máxima de 34 °C à tarde. Além da temperatura elevada e da umidade baixa à tarde, a qualidade do ar piora; de acordo com a Aria Techonologies e Aria do Brasil, a qualidade do ar ficará regular neste domingo. No final do dia, os ventos vão mudar de direção com a chegada do sistema frontal, provocando aumento de umidade e nebulosidade na cidade do Rio de Janeiro.


Orlando Villas Boas quando vivia em São Paulo...
...já estava preocupado com o tempo e os índios do Xingu


Os ventos de agosto chegando com a esperança de chuva também por aqui



Xavantes do Mato Grosso também se mostram preocupados com a seca


A manhã deste domingo, 7 de agosto será com os ventos pré-frontais. Antes da chegada da frente fria, os ventos vão predominar, ventos quentes e sopram da terra para o mar. As rajadas serão moderadas, entre 40 km/h e 60 km/h. Quando o ar polar da frente fria chegar, o vento terá uma brusca alteração na direção, passando a soprar das direções sudoeste e sul. Estes ventos serão frios e sopram do mar para a terra e também poderão chegar em rajadas 40 km/h e 60 km/h e sop´ram a partir do meio da tarde deste domingão.Para exemplificar seus efeitos, a Arena de Vôlei de Praia, em Copacabana, e o Circuito de Ciclismo de Estrada devem ser os que mais vão sentir a intensificação e a mudança na direção dos ventos neste domingo. As rajadas podem interferir no trajeto da bola  ou levantar areia. O público dos Jogos também vai sentir o efeito do vento. Os ventos de norte e noroeste aquecem o ar, o que vai aumentar a sensação de calor de forma geral. No caso do Mato Grosso, atendendo a pedido que nos fizeram alguns amigos indígenas da etnia Xavante, preocupados também com o clima e o ambiente nessa época muito seca lá também, a temperatura matogrossense até cai um pouco, mas a sensação ainda é de calor. No oeste, os ventos mudam de direção e passam a soprar de quadrante sul, trazendo um ar mais úmido e frio para a região, por isso a nebulosidade aumenta e a temperatura cai, mas ainda há pouca condição para chuva. Porém, pode chover a partir da 2ª feira, na segunda-feira, uma massa de ar polar começa a ganhar força no interior do Brasil e será reforçada na terça-feira por um novo pulso ar polar. A semana pode começar com chuva no sul de Mato Grosso do Sul, enquanto nas outras áreas, a umidade aumenta, a nebulosidade também, mas só há possibilidade de chuviscos no final do dia. Embora volte a chover em algumas áreas de todo nosso interior, são esperados baixos índices de chuva ainda por agora, ainda não está chegando a já tão esperada Primavera, quando então finalmente começará a chover, se Deus quiser e a natureza tiver então um mínimo de equilíbrio, algo que a ação dos desmatamentos e das queimadas também prejudicam demais. Confira no mapa da Climatempo a seguir um retrato desta situação, a gente esperando que o contraste dos ventos nos possam trazer chuvas por aqui após dois meses de sufoco. 

Último mapa da Climatempo: aumenta chance de chuva entre 2ª e 4ª feira aqui


Fontes: www.climatempo. com.br
             www.folhaverdenews.com 

8 comentários:

  1. Logo mais, ainda neste domingo, estaremos atualizando esta seção de comentários e postando aqui mais informações, esperamos informar com maior certeza a chegada superesperada mas surpreendente até nesta época de algumas chuvas no interior do país.

    ResponderExcluir
  2. Participe desta nossa edição, confira comentários e mande o seu também: você pode postar aqui nesta seção a sua mensagem ou então, se preferir, enviar um e-mail para o webendereço da redação do nosso blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Uma outra opção para você participar é enviar um e-mail diretamente pro nosso editor de conteúdo deste blog padinhafranca@gmail.com podendo também sugerir pautas ou mandar alguma informação.

    ResponderExcluir
  4. "Tem gente "secando" a chuva agora em agosto, em especial, o povo que mexe com Café e que está colhendo, mas em geral todos esperamos que mesmo fora de época chova mesmo um pouco, não vamos aguentar sem nenhuma chuva até setembro": quem comenta é o Renato Yunes, engenheiro agrônomo na região de São José do Rio Preto que nestes dias viajpu pela região cafeeira no sudoeste mineiro.

    ResponderExcluir
  5. "Deus e a natureza nos tragam alguma chuva, o estado de atenção já vira de emergência em algumas regiões onde a seca e as queimadas já estão intensas demais": comentário de Olavo Santos, de Ribeirão Preto (SP), ele nos envia notícias sobre queimadas de cana na região.

    ResponderExcluir
  6. "O Olavo Santos, de Ribeirão Preto, tem razão, já é um estado de emergência, não há um mínimo de gestão ambiental e climática por parte das autoridades municipais, estaduais ou federais em todo o interior do país": comentário de Clara Moreira, de Campo Grande (MS), que diz estar viciada em consultar sites e blogs que falam de meteorologia, "assustada com a seca que pode ocorrer neste ano".

    ResponderExcluir
  7. "Eu me lembro que numa seca brava há uns 10 anos os ecologista de Franca trouxeram aqui na região uns Xavantes do Mato Grosso, entre eles, um velho Pajé, que fez um ritual na mata da Escola Agrícola e por incrível que foi, fez chover, desde então acredito nos índios tanto quanto nos meteorologistas": comentário de Ricardo Goulart, que na época residia em Franca (SP) e hoje é lojista de calçados na capital São Paulo.

    ResponderExcluir
  8. "Finalmenmte, chances de chuva ou chuvisco por aqui no interior, graças ao contraste de temperatura ou de ventos que vão do continente pro mar e vice versa, graças à natureza porque não vi nenhuma medida ambiental ou climática das autoridades": quem comenta é Jairo Souza Fernandes que é analista de sistemas e vive em São Paulo, embora seja de Pernambuco.

    ResponderExcluir

Translation

translation