terça-feira, 30 de agosto de 2016

MATA ATLÂNTICA TEM RECAÍDA DE DESMATAMENTO EM ESPECIAL EM MINAS GERAIS. PIAUÍ, BAHIA E PARANÁ

O bioma Mata Atlântica perde mais 184 km² em menos de um ano por desmatamento nas suas últimas matas principalmente em Minas Gerais e nos limites do Cerrado por aqui também na macrorregião

 

 

Estas duas imagens mostram a tendência...

....detectada no último Atlas da Mata Atlântica

 

A Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) confirmaram esta informação que Vanessa Barbosa postou nos sites exame.com e planeta sustentável da Abril, atualizando dados do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica. O estudo aponta desmatamento de mais 18.433 hectares ou 184 Km², de remanescentes florestais em 17 regiões brasileiras. Minas Gerais, que vinha de dois anos de queda nos níveis de desmatamento, voltou a liderar este triste ranking no país, com alta de 37% na perda da floresta. A mineração foi umas das principais causas pela baixa no estado de Minas Gerais, sendo o rompimento da barragem da Samarco, a maior tragédia ambiental brasileira, isso fez com que esta região responda por 65% do desmatamento por exemplo de 258 hectares na cidade de Mariana. Porém, a maior parte do total de desmatamento em Minas Gerais está acontecendo é na região de Jequitinhonha, no noroeste do estado, que já é conhecida como Triângulo do Desmatamento. Logo após Minas, aparece neste ranking do desmatamento em 2º lugar a Bahia, com 3.997 hectares derrubados. O estado do Piauí, campeão de desmatamento entre 2013 e 2014, ocupa agora o 3º lugar, após reduzir o desmatamento em 48%, caindo de 5.626 para 2.926 hectares. Estas três regiões mais desmatadas estão nos limites do bioma Cerrado. Mas além de Minas, Piauí e Bahia, o Paraná também se encontra em estado de atenção. Enquanto os três primeiros lideram a lista geral, o Paraná foi o que apresentou o aumento mais brusco, 116% a mais, de 921 hectares de últimas manchas de florestas nativas entre 2013 a 2014 para 1.988 hectares agora nesta última medição.  O retorno do desmatamento nas florestas com Araucária é o principal ponto de alerta na região paranaense, responsável por 89% do total de desflorestamento neste estado, onde restam somente 3% das florestas que abrigam ainda a Araucaria angustifolia, espécie ameaçada de extinção conhecida também como Pinheiro brasileiro. Nesta edição do Atlas da Mata Atlântica, 17 estados brasileiros apresentaram desmatamento. Com um detalhe óbvio, os estados com menores índices de desmate são aqueles em que sobrevivem menos remanescentes florestais, como São Paulo e Rio de Janeiro, que porém estão longe do desmatamento zero que já deveria ser uma realidade hoje na Mata Atlântica e em todos os biomas do Brasil. Ou seja, as regiões que estão desmatando menos são as que tem mais matas que já foram destruídas. (Antônio de Pádua Silva Padinha)


Carvoarias são fantasmas em todos os biomas...

e predominam no Triângulo do Desmatamento em Minas

Últimas manchas de Mata Atlântica sobrevivem por aqui também


Fontes: www.planetasustentavel.abril.com.br
              www.exame.com
              www.folhaverdenews.com

7 comentários:

  1. Em seguida, nova edição aqui nesta seção de comentários,postaremos mais informações sobre o ranking de destruição das últimas florestas no bioma Mata Atlântica também por aqui nos limites do Cerrado.

    ResponderExcluir
  2. Confira por aqui e participe deste debate ou desta luta para manter ou recuperar as últimas manchas de mata no país: você pode colocar aqui a sua mensagem ou se preferir enviar um e-mail para a redação do nosso blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Outra opção para você participar é enviar um e-mail pro editor do nosso blog de ecologia e de cidadania via o webendereço padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Passei pela região de Jequitinhonha, no noroeste do estado de Minas, e concordo que esta região seja chamada de Triângulo do Desmatamento, é muito triste ver como está ficando isso por aqui": é o que comenta Marcos Fernandes, de Jaú (SP), que atua como vendedor de calçados femininos naquela região de Minas Gerais.

    ResponderExcluir
  5. Para mais informações sobre o aumento do desmate em várias regiões brasileiras, acesse o site da Fundação SOS Mata Atlântica http://www.sosma.org.br/

    ResponderExcluir
  6. "Vem sendo realizado desde 1985 um monitoramento pela SOS Mata Altântica que permite vislumbrar o desmatamento acumulado em alguns estados nos últimos 30 anos. O Paraná lidera este ranking, com 456.514 hectares desmatados, seguido por Minas Gerais (383.637 ha) e Santa Catarina (283.168 ha)": as informações nos foram passadas por Eunice Campos, de São Paulo (SP) que consulta direto o Atlas das últimas manchas de matas deste bioma.

    ResponderExcluir
  7. Eunice Campos nos informa de mai9s dados do Atlas da Fundação SOS Mata Atlântica: "Após a queda no índice de desmatamento por dois anos seguidos, o estado de Minas Gerais lidera o ranking de 2016 com 7.702 hectares(37%) derrubados, seguido pela Bahia e o Piauí. Mas foi o Paraná que apresentou o aumento mais brusco, de 921 hectares para 1.988 hectares, o equivalente a 116%, no último período, algo numa intensidade grande demais e que precisa ser controlada em tempo".

    ResponderExcluir

Translation

translation