quarta-feira, 24 de agosto de 2016

REVOLUSOLAR É UMA COOPERATIVA DA SOCIEDADE CIVIL QUE MOSTRA TAMBÉM O QUE O PODER PÚBLICO E POLÍTICO DEVERIA FAZER NAS FAVELAS E NAS CIDADES

Cidadão belga revoluciona as favelas brasileiras com um sistema de energia solar e a cooperativa Revolusolar poderá vir a ser ainda uma solução sustentável no Brasil

 

Um sistema econômico, ecológico e independente de energia limpa


Pol Dhuyvetter, produtor cultural e pesquisador de origem belga,  durante a Olimpíada do Rio que acabou recentemente, procurou mostrar nas redes sociais como os estrangeiros viam a realidade do Brasil e destacou na web algumas sugestões interessantes: uma delas, agora está sendo manchete em sites como o da BBC em todo o planeta e no G1 no Brasil, em resumo, o sonho deste cidadão natural da Bélgica, Pol Dhuyvetter é tornar as favelas independentes das concessionárias de energia elétrica.  Para implantar este sistema cooperativo de energia solar, ele está morando na favela Babilônia, no Rio de Janeiro. Seu projeto é tornar real a primeira cooperativa de geração de energia solar no país, pioneira também em toda América do Sul. Batizada de Revolusolar, a cooperativa já conta com duas instalações no local (dois albergues), que não só usam placas solares de energia como também já estão vendendo o excedente energético para a empresa estatal (Light),  durante o dia, a produção é maior do que o consumo. Dhuyvetter argumenta ainda que a tarifa de energia elétrica carioca e a brasileira em geral está entre as mais caras do mundo, enquanto que o poder de consumo da população brasileira está entre os menores em comparação aos índices de muitos outros país. Isso motivou a sua iniciativa, também apoiada pelo movimento científico, ecológico e de cidadania. Ele manifestou esta sua intenção no último episódio da websérie #Olhares e agora o projeto está cada vez mais se concretizando, sendo  até considerado como exemplar por engenheiros especializados.



 Dhuyvetter: 'Os moradores decidirão qual o preço e o que fazer com o lucro obtido pela cooperativa'  (Foto: BBC)
Os moradores da favela decidirão o que fazer com os lucros do sistema independente de energia solar, limpa e barata, econômica e ecológica, sustentável
Em breve, Dhuyvetter com apoio de outros moradores da favela Babilônia e de jovens engenheiros e ecologistas cariocas que estão conhecendo e se entusiasmando com o potencial desta cooperativa de energia solar, espera cobrir com este tipo de painéis também o centro comunitário e o posto de saúdeda comunidade: "Os moradores decidirão qual o preço e o que fazer com o lucro obtido por esta cooperativa", explicou o belga, que acabou por vir à Babilônia depois de várias tentativas frustradas de alugar um apartamento em Copacabana sem fiador, para dali acompanhar os Jogos Olímpicos e realizar as suas postagens para as redes sociais e a Internet. A sua crítica de que as tarifas energéticas são altas demais no Brasil foram agora confirmadas pela mídia brasileira, que foi pesquisar o tema e a conclusão dá total razão à Dhuyvetter.  De acordo com dados da Federação das Indústrias do Estado do Rio, o preço da energia elétrica brasileira é 46% superior à média internacional. A partir desta comprovação, o projeto da cooperativa Revolusolar ganhou mais força ainda.


 Segundo belga, o projeto na Babilônia servirá de piloto para outras comunidades no Brasil.  (Foto: BBC)
Pro produtor cultural belga este é um projeto piloto a ser usado em todo o país

Especialistas em energia, entrevistados por jornais e rádios do Rio de Janeiro, confirmam que o projeto da cooperativa solar na favela carioca Babilônia é pioneiro e importante, servirá de piloto para ser implantado em outras comunidades de variados tipos e em outras cidades do Brasil, uma vez que os concumidores brasileiros em sua maioria têm dificuldades de pagar a conta mensal de luz. O belga Dhuyvetter chegou a ser convidado a explicar o projeto na Câmara dos Deputados, aceitou o convite e foi lá debater a sua idéia, segundo repórteres do Rio os representantes governamentais ficaram, numa palavra, entusiasmados com o alcance da cooperativa Revolusolar. Isso motivou também a BBC destacar mais ainda a websserie #Olhares e contar a história de Pol Dhuyvetter, tudo começou com os depoimentos de estrangeiros sobre o Brasil  que ele captava e jogava na Internet durante os Jogos Olímpicos. De repente, esta pequena cooperativa de energia solar poderá causar uma revolução energética e de cidadania em nosso país. 



Pol Dhuyvette chegou a ser visto como louco: agora é tratado como gênio


Fontes: BBC - G1
             www.folhaverdenews.com

7 comentários:

  1. Que situação extraordinária para demonstrar que a sociedade civil precisa ser mais respeitada e mais apoiada ou que o poder público ou político no país tem que ser melhor dimensionado: a cooperativa de energia solar na favela Babilônia é pioneira de uma revolução energética no Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Esperamos que esta iniciativa, já na prática aprovada pela Light e pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, seja implantada em outras favelas e até em cidades brasileiras onde a conta de luz está cara demais para os recursos dos brasileiros.

    ResponderExcluir
  3. "Além do mais, a inteligência e o bom nível de informação de Pol Dhuyvette mostraram e um levantamento da mídia no Rio comprovaram que o custo da energia elétrica no país é 46% mais alto do que a média internacional deste serviço": quem comenta é Rubens Fernandes, ligado ao movimento ecológico no Rio de Janeiro, estudante de Engenharia, que foi quem nos enviou material sobre a Revolusolar. Agradecemos a ele, que realmente é algo fora do comum esta informação.

    ResponderExcluir
  4. Logo mais, aqui nesta seção de comentários, mais informações sobre esta iniciativa, vc pode desde já por aqui a sua opinião ou então, se preferir, mandar a sua mensagem para o e-mail da redação do nosso blog de ecologia e de cidadania navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Você pode também mandar um e-mail pro editor do nosso blog, mais mais detalhes, fotos, informações sobre esta matéria ou também sugerir pautas prá gente padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. "Surpreendente esta cooperativa de energia solar, bem oportuna nesta época de eleição municipal, não vi nenhum candidato a prefeito ou a vereador fazer nem de longe alguma sugestão tão boa para avançar a sustentabilidade no país": comentário do nosso editor de conteúdo aqui do blog, o ecologista Padinha, divulgando esta iniciativa também no Facebook. Participe vc tb deste movimento.

    ResponderExcluir
  7. "Se os usuários deste blog procurarem no Facebook a Revolusolar vão poder entrar ali na página desta importante cooperativa de energia solar, importante e exemplar": a mensagem nos foi enviada por Itamar dos Santos, de São Paulo, estudante da USP, que ficou por dentro desta cooperativa, através da série #Olhares na Internet.

    ResponderExcluir

Translation

translation