segunda-feira, 5 de setembro de 2016

MAIS CRÍTICAS DA ANISTIA INTERNACIONAL À POLÍCIA DE SÃO PAULO QUE CONTINUA INSANA E MAIS VIOLENTA DO QUE O NORMAL

Repórter da BBC relata o que aconteceu na manifestação Fora Temer e como foi agredido domingo por policiais, mesmo se identificando, foi xingado: "Sai, Lixo"

O Sindicato dos Jornalistas está protestando oficialmente contra mais este caso de violência contra profissionais de comunicação trabalhando em eventos públicos, o senador Lindbergh Farias que estava presente no ato, anunciou que recorrerá à Corte Interamericana de Direitos Humanos, ligada à OEA, contra a repressão da PM paulista nos protestos, tanto agora contra Temer, como antes, contrários à Dilma Rousseff. Bem, mas política à parte, acompanhe a seguir o relato do jovem jornalista Felipe Sousa, que fazia a cobertura ontem em Sampa reportagem e fotos para a BBC Brasil, quando foi agredido e xingado por policiais despreparados e violentos que se dizem autoridades e têm todo o respaldo do Governador Geraldo Alckmin, que não se manifestou (ainda) sobre estes fatos. Mais uma ocorrência lamentável em São Paulo, foram dezenas de manifestações em todo o país ontem, mais uma vez, na capítal paulista ao contrário do que rolou em outras cidades, rolou muita violência. A Anistia Internacional já havia criticado antes as operações violentas da PM. E até na China (onde rola o G20) o caso chegou via Internet e é comentado nos bastidores, a dano também da imagem de São Paulo e do Brasil.


Nosso blog se solidariza com mais esta vítima da violência em SP



Um relato sobre mais uma violência policial (feito por uma das suas vítimas)


"Cobri o protesto contra o Presidente da República, Michel Temer, desde o seu início na avenida Paulista, desde às 16h30. A manifestação seguiu sem problemas até o Largo da Batata, na zona oeste da capital. No caminho, membros do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto obrigaram supostos black blocs a tirarem suas máscaras ou então deixarem a manifestação. A intenção do MTST, segundo eles, era evitar que ocorressem atos de vandalismo. Minutos após os manifestantes começarem a se dispersar, por volta das 21h, a polícia começou a jogar bombas de gás lacrimôgeneo e efeito moral pelas ruas de Pinheiros onde acontecia a dispersão. Também foram disparados diversos tiros de bala de borracha. A Secretaria da Segurança Pública informou que a confusão começou após um princípio de tumulto na estação Faria Lima, "que se transformou em depredação". Informa ainda que "vândalos quebraram catracas, colocando em risco funcionários" e que a "Polícia Militar atuou para restabelecer a ordem pública, sendo recebida a pedradas, intervindo com munição química e utilização de jato d'água". Enquanto manifestantes atiravam garrafas e colocavam fogo em barricadas, eu acompanhava os confrontos atrás dos policiais, na rua Sumidouro. De repente, eles decidiram mudar de rota e se voltaram para o lado oposto ao que seguiam. Nesse momento, a Tropa de Choque ficou de frente para mim e ao menos outros dois repórteres fotográficos. Ao perceber que poderia ficar encurralado, procurei uma rota de fuga e me encostei na parede para aguardar a passagem dos policiais.Eu estava identificado com colete e crachá da BBC Brasil, levantei minhas mãos e disse ser da imprensa. Mesmo assim, os policiais avançaram contra mim enquanto gritavam para eu sair da frente. "Sai da frente! Vaza, vaza!", diziam ao menos quatro policiais pouco antes de me atingir com golpes de cassetete no antebraço direito, na mão esquerda, no ombro direito, no peito e na perna direita. Um deles ainda me chamou de lixo. Na confusão, o áudio do vídeo que fiz não captou o xingamento. As marcas das agressões ficaram no meu corpo, principalmente no antebraço, que inchou e ficou roxo. Por sorte, o golpe que levei no peito foi amortecido pelo colete. Eu também usava capacete e máscara de gás. A utilização desses equipamentos de segurança é exigência de normas internas da BBC para cobertura de manifestações. O celular de trabalho que eu usava caiu no chão após a agressão e ficou com a tela danificada.Pelo que soube, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou que "os fatos serão investigados", me solicitaram que eu registre um boletim de ocorrência. OK". (Felipe Souza). 


 
 
 

Imagens de mais violência na manifestação de cidadania

Fontes: BBC - Terra
             www.folhaverdenews.com

10 comentários:

  1. Logo mais aqui nesta seção de comentários mais informações sobre estes fatos, desde já, o nosso blog de ecologia, cidadania e não violência manifesta solidariedade ao repórter Felipe Souza da BBC Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Você pode postar direto aqui a sua mensagem ou então, se preferir, enviar por e-mail para a redação deste blog navepad@netsite.com.br e/ou ainda, enviar seu comentário, foto ou informação pro nosso editor padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. "lamentável, ainda bem que o repórter não se feriu com gravidade, a agressão dele serve como uma advertência às autoridades brasileiras e paulistas, este caso está sendo comentado nos bastidores do G20 na China onde está toda a mídia do mundo": o comentário é de Fernando Soares, de São Paulo (SP) que mora em Pinheiros, perto do Largo da Batata: ele viu de longe os acontecimentos, atua na área publicitária.

    ResponderExcluir
  4. "Ouvi pela Band hoje cedo que tem alguns jovens presos, creio pelo que entendi que só ontem foram três os detidos, o pior é que sempre depois da manifestação pacífica vem a violência, até parece coisa armada": comentário de Juraci Morais, que faz a USP em São Carlos (SP) e faz questão de se solidarizar também com o jovem repórter.

    ResponderExcluir
  5. "Seja contra Dilma seja contra Temer o cidadão tem o direito de se manifestar, também acredito que a apelação prá violência é algo armado mas para investigar isso, só com muita estrutura, quem sabe a BBC compre esta luta, essa pauta depois do que ocorreu com seu repórter": quem comenta é Izabel Borges, do Rio de Janeiro, que trabalha na UFRJ e viu a matéria deste blog ao consultar no Google sobre o que aconteceu ontem em São Paulo.

    ResponderExcluir
  6. "Em nome de todos nós que lutamos pela paz, pela ecologia, pela não violência, pela cidadania enfim, temos que levantar nossa voz, repórteres agredidos antes e agora também, jovens presos, vândalos muito suspeitos invadindo manifestações, parabéns a este blog que não deixou passar em branco cá entre nós": comentário de Rogério dos Santos, de Ribeirão Preto e da USP.

    ResponderExcluir
  7. "Vi uma chamada no Facebook e vim conferir esta matéria muito oportuna para mostrar que as coisas precisam mudar muito no país, o impeachment não resolveu nada até agora, pode até virar uma guerra civil se o país e a violência continuarem nesse rítmo": comentário de Regiane Gonçalves, que trabalha na rede estadual de ensino na Grande São Paulo.

    ResponderExcluir
  8. Nosso blog enviou à BBC Brasil uma mensagem de solidariedade ao repórter Felipe Sousa, vítima de violência e a gente teme por uma recaída na liberdade de expressão atualmente: comentário do ecologista e repórter Padinha, nosso editor de conteúdo aqui neste webespaço da ecologia.

    ResponderExcluir
  9. Pedro Paulo Pontes, advogado, nos reenvia de Brasília (DF) uma notícia que acaba de ser divulgada pela Ag~encia Brasil: "A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo (SSP) informou que os 16 adultos detidos em protesto realizado ontem (4) em São Paulo foram indiciados por associação criminosa e corrupção de menores. No total, 26 pessoas foram detidas, entre elas dez são adolescentes, que também passaram a noite na carceragem. Os adolescentes responderão por ato infracional. Os manifestantes protestaram ontem (4) contra o presidente Michel temer e pediam eleições diretas. De acordo com os organizadores, 100 mil pessoas participaram do ato. A PM não deu estimativas. O protesto transcorreu pacífico, porém ao final a polícia lançou bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo e jatos de água".

    ResponderExcluir
  10. "Ontem à noite os jovens e adolescentes presos ou detidos pela PM por causa dessa manifestação de domingo foram soltos, acho que também por pressão da imprensa e da opinião pública, tem mais gente por aí que merece mais ser presa": comentário de Júlio Antônio Santos, de Campinas (SP), que é empresário de produtos eletrônicos.

    ResponderExcluir

Translation

translation