quinta-feira, 8 de setembro de 2016

EQUIPE DO GREENPEACE SOBREVOA VÁRIAS REGIÕES DA AMAZÔNIA E FLAGRA AUMENTO DE QUEIMADAS, DE EMISSÃO DE CO2 E DE PROBLEMAS AMBIENTAIS

Equipe dos ecologistas sobrevoou os estados do Amazonas, Acre, Rondônia, Mato Grosso e Pará constatando destruição de florestas e também falta de gestão ambiental dos governos estaduais e federal



O estado do Amazonas é onde está mais crescendo este problema...

...que se espalha por outros cinco estados do norte do  Brasil



Com base nos focos de queimadas e incêndios fornecidos por satélites, uma equipe do Greenpeace sobrevoou estes cinco estados e comprovou a existência de diversas queimadas nessas regiões, com destaque para o estado do Amazonas, que neste primeiro semestre de 2016 agoracontabilizou um aumento de 746% no número de focos em relação à média histórica. Este estado, que costumava ter enormes porções de floresta preservada,é a nova fronteira para os desmatadores e um triste exemplo do processo que leva ao aumento da destruição da floresta, das queimadas e emissões. O cenário é resultante da combinação de baixo comprometimento com a gestão ambiental, tolerância oficial ao desmatamento e falta de planejamento governamental para lidar com o problema. Cristiane Mazzetti  da campanha Amazônia do Greeanpeace relata:“O sul do Amazonas vem sendo incorporado agora pelo arco do desmatamento, com números cada vez maiores de alertas e de ocorrências". Para piorar este cenário que esta equipe ecológica contastatou agora, no ano passado, o governo estadual realizou uma série de reformas administrativas que fragilizaram o sistema de gestão e controle ambiental  por ali. Um claro sinal verde para desmatadores e na contramão da luta contra o caos do clima e do meio ambiente que envolve a ONU e cerca de 200 países. 




O número de focos de incêndios disparou no Amazonas


Embora o Brasil tenha avançado na redução do desmatamento na Amazônia (a taxa caiu de 27.772 km², em 2004, para 4.571 km² em 2011), o problema da destruição florestal persiste em 2016 e pode colocar em risco toda conquista. O desmatamento encontra no Brasil um ambiente favorável para se "desenvolver". Além do caso específico do governo do estado do Amazonas, o sinal verde para a destruição também veio em nível federal. Existe uma tolerância por parte do governo federal com o desmatamento e além do mais, a ambição para eliminar o problema é baixa: não contente em anistiar aqueles que desmataram ilegalmente até o ano de 2008, com a aprovação do Novo Código Florestal, em 2012, o governo brasileiro apresentou na última Conferência de Mudanças Climáticas da ONU o fraco objetivo de zerar o desmatamento ilegal na Amazônia em 2030, isto significa na prática aceitar o crime por mais 14 anos na Amazônia e por tempo indefinido no resto do país. O Brasil já desmatou e queimou demais suas florestas. Está na hora dos governos estaduais e federal aumentarem de vez p seu projeto de mudar esta realidade, assumindo de vez uma meta para atingir o Desmatamento Zero, a começar pela revisão imediata da meta de acabar com o desmatamento ilegal na Amazônia apenas em 2030. O fim do desmatamento também está alinhado com o desejo da população, que apresentou em 2015 uma Proposta de Lei pelo Desmatamento Zero com 1,4 milhão de assinaturas. Isso precisa ser levado em conta nessa luta daqui para frente.



Queimada cobre fazendas e floresta em Lábrea ao sul do Amazonas

  
As imagens captadas pela equipe do Greenpeace confiram....

...que o drama das queimadas já virou tragédia brasileira



"A destruição na Amazônia continua a todo vapor e precisamos fazer com que o mundo saiba sobre a tragédia que segue em curso na floresta: espalhe a notícia e vamos juntos pressionar governos para colocar fim do desmatamento", foi a mensagem da equipe do Greenpeace que estamos divulgando hoje aqui em nosso blog da ecologia e da cidadania. 





Integrantes da equipe de sobrevôo do Greenpace deixaram aqui...


...uma mensagem pedindo que você também entre na luta do desmatamento



Fontes: www.ecodebate.com.br

             www.folhaverdenews.com 


7 comentários:

  1. Esta reportagem de hoje aqui em nosso blog também tem o sentido de completar as informações que a gente levantou ontem sobre a seca amazônica. Uma coisa tem a ver com a outra.

    ResponderExcluir
  2. Logo mais aqui nesta seção de comentários a gente vai postar mais dados e também mensagens: você pode postar aqui nesta seção desde já o seu comentário. Se preferir, mande um e-mail para a redação do nosso blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Você também pode nos enviar fotos, outras informações, mensagens ou até sugerir pautas pro nosso blog, enviando um e-mail direto para o nosso editor de conteúdo do blog padinhafranca@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Estas denúncias precisam servir de base para ações e manifestações do movimento de cidadania, na Amazônia e por todos os lugares do país, antes que seja tarde": comentário de maria Isabel Morais, de Brasília (DF), formada em Geografia pela UFMG.

    ResponderExcluir
  5. "Nas campanhas iniciais pelo desmatamento Zero o Greenpeace já informava que hoje no Brasil não é mais necessário derrubar mais nenhuma árvore e nenhuma floresta para a produção agrícola crescer, já há espaços mais do que suficientes para a agricultura e a pecuária": comentário de Sidney Moreira Santos, de São Paulo (SP), que atuou em equipe de apoio a pesquisadores da USP.

    ResponderExcluir
  6. "Importante essa matéria e mostra a realidade que se esconde em notícias oficiais e da grande mídia no país": comentário de Arlete Gomes, que mora em Piracicaba (SP) e veio do sul do Amazonas.

    ResponderExcluir
  7. "Fundamental a proposta do Greenpeace do Desmatamento Zero, basta ver a seca no leste da Amazônia, a retomada dos desmatamentos e tudo o mais que grita por uma gestão dos Governos na área do ambiente": comentário de Jonas Abreu, de Belo Horizonte (MG), representante comercial.

    ResponderExcluir

Translation

translation