segunda-feira, 10 de outubro de 2016

100 MIL PESSOAS EM MANIFESTAÇÃO DE CIDADANIA NA ITÁLIA PELA PAZ, FUTURO E NÃO VIOLÊNCIA

A Marcha da Paz entre Perugia e Assis objetivou apoiar mudanças na atual realidade da vida, das pessoas e dos governos e a maioria dos participantes eram jovens




As imagens do evento são um alerta e também um alento



O novo secretário geral da ONU António Guterres elogiou o evento, assim como o Papa Francisco e dezenas de líderes da ecologia e da cidadania na Europa e até por aqui na América e no Brasil, um acontecimento de valor para a humanidade toda: milhares de pessoas participaram nesse domingo da Marcha da Paz Perugia-Assis, na Itália, para protestar contra a guerra, a violência e a indiferença das autoridades governamentais ou dos organismos internacionais. O evento reuniu 100 mil pessoas, de acordo com as agências de notícias, como a Ansa, que informou: os participantes eram procedentes de 500 cidades. A maioria dos participantes eram jovens e estudantes, em especial de Amatrice, a cidade que foi devastada por um terremoto no dia 24 de agosto. Os manifestantes carregavam bandeiras e criticavam as entidades ou  tipos de pessoas que acham que não cabe a elas se "envolver" em problemas sociais ou conflitos. A Marcha da Paz percorreu 25 quilômetros, de Perugia a Rocca de Assis, com representantes de organizações não governamentais, grupos ecológicos ou de cidadania, partidos políticos,  entidades estudantis e também, associações de jornalistas. Uma das faixas dava boas-vindas aos estrangeiros à Europa, estava em pauta neste movimento a questão dos refugiados e imigrantes. Um alerta humanitário. "Este é o sentido desta manifestação", resumiu disse Flavio Lotti, um dos organizadores da marcha: "A paz não é algo abstrato, não é só a ausência de guerras, mas sim o acolhimento de pessoas que fogem de tragédias". O papa Francisco também dentro deste enfoque, fez uma mensagem aos participantes do evento, dizendo que "a guerra é sempre destrutiva e nos faz perder tudo". Uma das faixas no calor da marcha sintetizava o conteúdo: a solidariedade faz todo mundo ganhar mais vida.
 


Um alerta humanitário a favor da vida e da solidariedade

Pessoas e entidades de variadas tendências e de 500 cidades

Pace: um grito pela paz e pela não violência

Em foco, refugiados, imigrantes e outras vítimas


Fontes: Agências Ansa e Brasil
             www.folhaverdenews.com 

9 comentários:

  1. Logo mais, aqui nesta seção, mais informações e comentários sobre este evento e sua reprecussão, aguarde nossa edição e participe vc tb.

    ResponderExcluir
  2. Você pode manifestar aqui a sua opinião sobre este tema, coloque aqui nesta seção o seu comentário: se preferir, envie sua mensagem para o e-mail da redação do nosso blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Você pode também, esteja onde estiver, contatar o nosso editor de conteúdo aqui deste blog de ecologia e de cidadania, inclusive mandando fotos, informações ou sugestão de pautas: envie sua msm pro e-mail padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Senti toda a energia dos movimentos da juventude, hoje em dia estas manifestações mais espontâneas é que podem nos mover e mudar a realidade": a opinião é de Geraldo Assis Moreira, de São Paulo (SP), que atua como professor de línguas neolatinas.

    ResponderExcluir
  5. "Um evento como esse deveria ser a manchete principal de toda a mídia hoje": comentário de Joana Santos, de Juiz de Foras (MG) que acompanhou a Marcha da Paz ao vivo pela RAI e nos passa mais alguns detalhes.

    ResponderExcluir
  6. "Em meio a notícias de tufões, corrupção, mortes por falta de atendimento médico, livres atiradores em escolas, balas perdidas, várias politicagens, enfim, uma boa notícia, este evento que também concordo, deveria ser a manchete do dia na grande mídia de todo mundo": Maria dos Santos Gonçalves, fisioterapeuta que pretende fazer Fisiatria, uma especialidade médica, na USP em São Paulo.

    ResponderExcluir
  7. "A questão dos refugiados na Europa e a dos índios no Brasil tem uma violência semelhante e esta marcha também coloca coisas assim no seu conteúdo, vai daí, que sinto não ter participado, quem sabe, um dia, no Rio": José Júlio, carioca, estudante da UFMG em BH, Minas Gerais.

    ResponderExcluir
  8. "As questões humanitárias são as mais importantes do mundo, mais ainda em época de crise": Marina Gomes, de Salvador (Bahia) nos manda uma série de textos poéticos neste tema. Vamos divulgar numa 1ª oportunidade, parabéns e paz.

    ResponderExcluir
  9. Manuel Bianchi, geólogo, que mora em Roma (Itália) e está sempre por aqui no Brasil nos enviou via o Facebook uma mensagem de que curtiu este post sobre a Marcha da Paz.

    ResponderExcluir

Translation

translation