quarta-feira, 19 de outubro de 2016

E A CENSURA CONTINUA FAZENDO AS SUAS VÍTIMAS COMO AGORA NESTA NOVA SITUAÇÃO SOFRIDA POR ESTE JORNALISTA INDEPENDENTE


O próprio Governo do Equador admite ter cortado acesso de Julian Assange à Internet e a questão é quem no planeta pode encarar de frente a censura dos States? Nesta edição, aqui nesta abertura do post há uns espaços em branco, eles servem para simbolizar o que não conseguimos expressar ou as informações que não foi possível levantar, já que este caso está cheio de mistério, outros interesses e também, contradições e controvérsias. Mas nosso blog vai em busca da verdade...

 


Suécia pede formalmente para Equador interrogar Assange
O WikiLeaks já virou vítima crônica da falta de liberdade de informação


A gente recebeu aqui no blog da ecologia e da cidadania via Agência Brasil, Ansa, BBC e AFP em variados detalhes a notícia sobre mais esta recaída da censura, outra vez em cima de Julian Assange, um dos poucos jornalistas no mundo que têm enfrentado a versão oficial dos Estados Unidos para vários fatos e acontecimentos: "Por noticiar fatos e acontecimentos com outros conteúdos e de forma diversa da maior parte da mídia tem muita importância na atualidade o Wikileaks e deveria ser preservada a sua liberdade de expressão", comentou por aqui Antônio de Pádua Silva Padinha, repórter e ecologista que edita o blog Folha Verde News e tem feito várias postagens sobre o valor da livre informação em vários casos ou ocorrências ao longo destes últimos anos: "Não se trata de defender Hillary Clinton ou Donald Trump, eles mesmos e os seus poderosos partidos já fazem isso em toda a grande mídia, o enfoque dos jornalistas e comunicadores neste caso e sempre deveria ser a garantia de liberdade a todas as opiniões, mesmo as que destoem do tom geral das matérias", argumentou ainda Padinha, lembrando a máxima de Voltaire: "Mesmo que você seja contra algumas opiniões de Julian Assange, precisa lutar para que ele seja livre para se manifestar". Mas o Governo do Equador parece pensar diferentemente: fontes governamentais equatorianas admitiram que este país foi o responsável por cortar o acesso à Internet do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que está refugiado em sua embaixada em Londres. A informação não seja de ser absurda, cortar o acesso à web de um asilado político.  O WikiLeaks é uma organização sem fins lucrativos, sediada na Suécia, que publica, em sua webpagina, postagens e pesquisas de fontes consideradas anônimas ou que são preservadas. A preservação das fontes é um dos direitos básicos do jornalismo, algo que é respeitado até mesmo no Brasil, que já foi um governo ditatorial durante mais de 20 anos e que agora busca se afirmar como um estado de direito. Diante da toda má repercussão, o Ministério das Relações Exteriores do Equador informou que apenas desativou temporariamente a rede mundial usada por Assange, depois de o WikiLeaks divulgar no fim de semana uma nova série de documentos secretos, alguns dos quais sobre a candidata democrata à Presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton. Mas ainda, na véspera desta publicação, o WikiLeaks havia levantado a suspeita de que os Estados Unidos teriam pressionado o Equador para tirar o acesso de Assange à Internet e impedir que o site investigativo publicasse mais relatórios sobre vários personagens ou fatos dos Estados Unidos. Julian Assange está refugiado na embaixada do Equador em Londres há quatro anos e teme com razão ser extraditado para os EUA, onde poderá vir a ser processado por espionagem e condenado até à prisão perpétua. Há muita gente cometendo mais crimes, muitos mais crimes, do que Assange, que já é um ícone do jornalismo investigativo e deveria ter a liberdade para informar o seu ponto de vista dos fatos da atualidade. Entre os censores e os censurados, fico com as vítimas e não com os algozes, para um país ou o próprio planeta mudarem a atual triste realidade a livre informação e também o debate são fundamentais para este avanço cultural. 


Assange questiona mais um caso de censura ao seu trabalho



Fontes: Agência Ansa - Agência Brasil - AFP - BBC
             www.folhaverdenews.com

12 comentários:

  1. Logo mais postaremos aqui outros detalhes sobre esta informação e outros comentários, aguarde a nossa edição, confira aqui depois e participe deste debate sobre o valor da liberdade de informação.

    ResponderExcluir
  2. Você pode postar aqui a sua opinião ou enviar o seu comentário para o e-mail da redação do nosso blog navepad@netsite.com.br e/ou (outra opção) direto pro editor de conteúdo do nosso blog de ecologia e de cidadania padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. "Não conheço os documentos que iriam ser divulgados e nem a situação que envolveu esta censura mas creio que realmente a livre expressão é cada vez mais importante, para todos e não somente os jornalistas": comentário postado por Luiz Moreira, advogado ligado à OAB no Rio de Janeiro (RJ).

    ResponderExcluir
  4. Luiz Moreira faz um segundo comentário, confira a seguir: "Realmente, o direito de preservar as fontes de informação é constitucional no Brasil, deveria ser assim em todo mundo".

    ResponderExcluir
  5. No maior site de informação da Alemanha saiu uma nota sobre o outro lado desta notícia. Embaixada do Equador em Londres diz que restrição imposta ao fundador do Wikileaks respeita a "não ingerência" nos assuntos de outro país. Motivo seria vazamento de informações sobre Hillary Clinton e outras figuras dos Estados Unidos.

    ResponderExcluir
  6. Julian Assange está asilado na embaixada equatoriana em Londres desde 2012, o asilo político que já dura 4 anos também precisa ser resolvido. O problema segundo "múltiplas fontes dos EUA", é que oue o Equador teve que acatar um pedido do secretário de Estado americano, John Kerry, para evitar a divulgação de informações confidenciais relacionadas Las eleições nos Estados Unidos.

    ResponderExcluir
  7. "O governo do Equador respeita o princípio de não ingerência nos assuntos de outros países, não interfere em processos eleitorais em curso, nem apoia nenhum candidato em especial": esta foi a nota oficial do Equador para tentar justificar o corte de Internet de Julian Assange, informação da DW.

    ResponderExcluir
  8. O Equador esclareceu nesta matéria da DW que concedeu asilo político a Assange em sua embaixada em razão dos "temores legítimos de perseguição política", devido a suas atividades como jornalista e fundador do Wikileaks.

    ResponderExcluir
  9. Por sua vez, portavoz do Governo USA "admitiu que suas preocupações com o portal Wikileaks já vêm de longa data, mas o órgão central da diplomacia americana afirmou que "qualquer sugestão de que o secretário Kerry ou o Departamento de Estado estivessem envolvidos no bloqueio da Internet a Julian Assange não procedem".

    ResponderExcluir
  10. "Muitas contradições e congtrovérsias mais uma vez, neste caso de censura a jornalista independente": é o que comenta por aqui o editor do nosso blog de ecologia e de cidadania: "Tanto os Estados Unidos como o Equador falam e tomam atitudes que são pelo menos contraditórias, quando se discute muito o direito ou a lei é que não há justiça, como afirmava Gandhi, mestre da Não Violência, já citado por Assangue".

    ResponderExcluir
  11. Julian Assange,informa ainda o editor Padinha, está asilado na embaixada equatoriana desde 2012, luta contra um pedido de extradição feito pela Suécia em razão de acusações não provadas, as quais ele nega. O fundador do Wikileaks teme que o governo sueco possa entregá-lo às autoridades dos USA, onde seria julgado pelo vazamento de milhares de documentos confidenciais diplomáticos e militares, alguns deles, com certeza, precisam mesmo serem divulgados para todos. "No fundo, no fundo, a questão é mesmo a livre informação, aliás, a liberdade não existe de fato em nenhum país da Terra", comentou aqui o ecologista Antônio de Pádua Silva Padinha.

    ResponderExcluir
  12. "Concordo com o enfoque e com as críticas deste blog mas lembro que em nosso país existem formas veladas mas reais de censura, especialmente ligadas ao poder econômico, manipulado a mídia por aqui": comentário de Júlio dos Santos Nogueira, RH de empresa de comunicação em São Paulo, formado pela ECA da USP.

    ResponderExcluir

Translation

translation