quarta-feira, 12 de outubro de 2016

PEC 241 PODE SIGNIFICAR 20 ANOS DE ATRASO CULTURAL PARA O BRASIL SEGUNDO CRITICAM CIENTISTAS

Um dos que protestam é o físico da USP Paulo Artaxo considerado um dos pesquisadores mais influentes do mundo pela lista mundial de cientistas da Reuters



Movimento social Povo Sem Medo na Avenida Paulista

Movimentos sociais e de cidadania cada vez mais criticam PEC 241
O físico da USP Paulo Artaxo também contradiz esta PEC

Charge que rolou na Avenida Paulista e redes sociais...


Não são somente os estudantes e os movimentos sociais que estão protestando contra a aprovação em 1º turno pela Câmara Federal em Brasília (DF) da emenda constitucional PEC 241 que ao entrar em vigor, quando aprovada, limitará gastos públicos em áreas sociais como Saúde e Educação.  A luta é para que não seja aprovada tal como foi formulada por autoridades governamentais como Michel Temer e Henrique Meirelles, os maiores responsáveis pela emenda. "Ela vai remendar mas não resolverá problemas fundamentais do país", comenta aqui no Folha Verde News o nosso editor, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Silva Padinha. Ele edita este blog que é ligado a todo o movimento ecológico, científico e de cidadania. Desta vez, nas agências Brasil e Reuters, também no site UOL, ele captou protestos sobre esta medida anunciada pelo Governo. Uma das manifestações mais expressivas contra a PEC 241 está sendo feita pelo físico da Universidade de São Paulo, Paulo Artaxo: "Esta Pec vai condenar o Brasil a um atraso intelectual de 20 anos ao cortar investimentos nas universidades e nas pesquisas". Artaxo é respeitado em todo o planeta pelo seu trabalho, integra ao lado de outros dois pesquisadores brasileiros a lista da Reuters dos cientistas mais influentes do mundo. Ele ainda argumenta: "Todo brasileiro deve ficar preocupado e todos deveríamos estar sendo consultados e também participar desta decisão". Jovens estudantes têm feito todos os dias protestos contra este projeto e ontem a frente de movimentos sociais Povo Sem Medo protestou, em São Paulo, contra a aprovação desta Proposta de Emenda à Constituição, PEC 241, que limita os gastos públicos por 20 anos, a partir de 2017. A manifestação começou por volta das 19h no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, e seguiu até o escritório da Presidência da República, na mesma avenida, onde foi encerrada por volta das 20h10. O protesto ocupou quatro das oito faixas da Paulista e foi acompanhada por policiais militares em todo o trajeto, porém, não houve incidentes e a caminhada foi pacífica: os manifestantes portavam faixas e cartazes pedindo a saída do Presidente Michel Temer e protestando contra a aprovação de limites a gastos públicos em áreas que estão é precisando de investimentos: "Eu quero recursos para a saúde e educação”, “Eu não vou deixar, o meu futuro eles querem congelar”, e “Fora, Temer”, foram algumas das palavras de ordem cantadas pelos manifestantes na Avenida Paulista. Também participaram da manifestação representantes de entidades como a União Paulista do Estudantes Secundaristas (Upes), a União Nacional dos Estudantes (UNE) além do coletivo RUA. A tendência é que os protestos cresçam e grandes eventos de cidadania aconteçam nos próximos dias e meses. "Por que não limitar os gastos dos políticos no país?", questionou o estudante da Unicamp Maurício Paes, que considera exorbitante o dinheiro que é gasto com os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, "em especial com a classe política, todos estes gastos estão fora da realidade brasileira, eles sim podem quebrar o país e não investimentos em cultura, educação e saúde pública, que com certeza darão retorno à população". 

 Povo sem educação e saúde é PEC do fim do mundo
 

As autoridades responsáveis precisam rever medidas
 
Plantão de estudantes na sede do Governo Temer em SP


Mesmo mostrando credenciais da OAB advogados barrados na sede em SP


Fontes: Agência Brasil - Reuters - Uol
              www.folhaverdenews.com 

8 comentários:

  1. Logo mais, mais informações nesta seção de comentários, aguarde nossa próxima edição, confira e participe vc tb.

    ResponderExcluir
  2. Desde já vc pode colocar aqui nesta seção de comentários a sua opinião, crítica ou sugestão, tem também a opção se preferir de mandar um e-mail com a sua mensagem para a redação do nosso blog de ecologia e cidadania navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Ainda outra opção: envie seu comentário ou entre em contato com a gente através do e-mail do nosso editor de conteúdo deste blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Estou passando por aqui prum comentário bem curto e direto: se o Governo quer cortar gastos, que faça de si mesmo, da classe política e não do povo, já no maior sufoco": comentário de Tadeu Urias, de São Paulo, que nos mandou fotos da manifestação Povo Sem Medo na Avenida Paulista, ele trabalha em agência publicitária como contato.

    ResponderExcluir
  5. "O Brasil deveria analisar com sua população quais são as prioridades e não tom,ar medidas sem antes ouvir cada setor envolvido, cortar gastos da saúde e da educação é absurdo, são setores que carecem muito de investimentos": Maria Célia Araújo, de São José dos Campos (SP), ela atua com empresa de turismo voltada em especial para viagens ao Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  6. "Cortar gastos públicos sim mas das mordomias ou excessos do estado, também paralisar a sangria de dinheiro no Legislativo, Executivo e Judiciário, não dá prá tirar de onde não tem": comentário de Hugo Jorge, do Rio de Janeiro (RJ), formado em Economia pela UFRJ e hoje atuando no mercado financeiro.

    ResponderExcluir
  7. "Tantas manifestações de cidadania e o Brasil não toma o rumo necessário, vejo que vai começar tudo de novo, a população sempre paga o pato, também tem,o por mais violência nas ruas": comentário de Alexandre Peres, de Ribeirão Preto (SP), ele que trabalha como executivo de vendas, inclusive no eixo São Paulo, Rio, BH.

    ResponderExcluir
  8. "Além duma gestão eficiente os governantes e os políticos em geral precisam ter um mínimo de cidadania, senão será o caos no país": comentário de Aparecida Salles, de Sorocaba (SP), advogada.

    ResponderExcluir

Translation

translation