quinta-feira, 10 de novembro de 2016

MANIFESTAÇÕES DE CIDADANIA E PROTESTOS EM UNIVERSIDADES CONTRA FALHAS NO PROGRAMA DE TRUMP PARA PROBLEMAS DOS ESTADOS UNIDOS


Vitória de Trump gera protestos nos Estados Unidos: houve atos pacíficos mas em Oakland (Califórnia) manifestantes colocaram fogo em barricadas e nas universidades também aconteceram tumultos, manifestações em várias cidades, só em Nova York mais de 5 mil pessoas, em sua maioria, jovens

 

Estados Unidos bem Brasil...

 

Jovens e imigrantes em manifestação de cidadania nos USA

 
Em regiões em que Hillary Clinton foi a mais votada e são destaque cultural nos Estados Unidos, pelo menos 1000 pessoas protestaram em universidades, por exemplo,  da Califórnia e em Oregon, segundo estimativas feitas pela polícia, divulgadas pela Associated Press. Alguns gritavam palavrões anti-Trump. Não houve prisões imediatas, mas há rumor de dezenas de estudantes interrogados pelos policiais. Outras manifestações menores nos bairros em Berkeley, Irvine e Davis e no Estado de San Jose. Mais manifestantes foram às ruas do centro da cidade de Oakland e a KNTV-TV informou que os manifestantes queimaram um boneco que representava Trump, quebraram janelas da redação da Oakland Tribune e incendiaram pneus e lixo. States vivendo uma noite tipo Brasil. A Patrulha Rodoviária da Califórnia afirmou que uma mulher foi atingida por um carro durante o protesto e está gravemente ferida. Em Oregon, dezenas de pessoas bloquearam o tráfego no centro de Portland e forçaram um atraso para os trens em duas linhas de trens de alta velocidade. Um grupo de pessoas identificado como de imigrantes ilegais havia feito antes um protesto em frente à Casa Branca, em Washington. Com uma faixa com as frase Trump racista, foram dezenas de imigrantes latinos que estavam,sem documentos informaram outros participantes do ato público. Tanto manifestações que são pacíficas como protestos com tumultos podem pipocar pelo país, segundo analistas nas TVS e uma das razões parece ser a falta de um programa de governo para alguns problemas ou também de conteúdo social por causa de preconceito contra imigrantes e população mais pobre em algumas cidades e regiões americanas.  Nos aqui no Folha Verde News desde ontem antevíamos situações deste tipo e debatemos vários ângulos do Efeito Trump. Confira nosso post que vem repercutindo e que intenciona debater a realidade de agora nos Estados Unidos, aqui e em todo o planeta, a zona de influência destes fatos é mundial.
 

Alguns protestos se tornaram focos de violência e revolta

 

HAVERÁ PÓS VITÓRIA DE TRUMP ONDA DE VIOLÊNCIA?

Muitos de nós preocupados com a falta de visão ecológica ou dum programa de desenvolvimento sustentável de Donald Trump que é um business man que parece não ter ideologia nem se ligar na questão ambiental hoje um fator de evolução da vida lá, aqui, em todo lugar do planeta: na edição de hoje, alguns comentários de Albertina Lourenci diretamente dos Estados Unidos, confira aqui a seguir esta nossa webpágina coletiva de hoje que teve também um apoio do jornalista Cássio Freires



Super Trump terá um desafio monstro à frente dos States


Nosso blog em 1ª mão às 5h desta quarta-feira aqui já comunicava uma pré-visão sobre a vitória surpreendente de Donald Trump, gerando dúvidas e até temor em alguns setores, lá, aqui, em todo mundo, uma vez que a eleição nos States foi como deveria ser megafato de alcance mundial. Temor por exemplo entre os mexicanos e também os imigrantes. Há controvérsias, polêmicas e debate em torno da vitória dos Republicanos diante dos Democratas e em especial por causa da eleição surpreendente de Trump, furando todas as pesquisas e previsões eleitorais da mídia. Foi eleito por desiludidos com a política, uma massa de adultos com baixa escolaridade, sofrendo para sobreviver ou suportar o desemprego, uma maioria branca. Dúvidas porque os analistas de plantão erraram feio. No primeiro discurso como Presidente dos USA Trump enalteceu Hillary Clinton, tentou ser diplomático e conciliador, o país que mais elogiou a sua vitória foi a China, no Brasil, há suspeitas de fechamento do mercado americano para produtos brasileiros e na área ambiental, uma suspeita de parcerias que possam vir a ser nocivas ao meio ambiente, como a exploração do Gás de Xisto. A  gente nesta edição está postando entrevista com a brasileira e gaucha de Caxias do Sul, Albertina Lourenci, que está no States e acompanhou tudo de perto, ao vivo, ela que mora em Santa Bárbara, na Califórnia e atuou como Reseacher na empresa Laboratory of Integrated Systems (LSI), doutora que passou pela USP e UFRJ. Confira a seguir, um resumo dos comentários que nos enviou online Albertina Lourenci; Só mais um detalhe: Trump elegeu a mídia como seu inimigo nº 1 na campanha e isso também pesou. O X da questão no caso do Brasil pode ser a exploração por aqui do Gás de Xisto (que detona as águas subterrâneas a favor só da indústria petrolífera) numa parceria entre ele e o Governo Michel Temer que seria um caos para a última ecologia de nossas águas, também por aqui no interior, na região do Aquífero Guarani. Nos Estados Unidos, ecologistas se mostraram contrários a esta exploração mineral poluente lá. Trump pode querer empurrar o problema para nosso país...(Antônio de Pádua Silva Padinha)


Ecologistas americanos não querem exploração do Gás de Xisto lá



Estados Unidos desunidos entre vitoriosos e derrotados


O Efeito Trump na visão de brasileira que vive atualmente nos States
 
The Trump's people

1- "Sempre que nos defrontamos com a Agenda Marrom temos de detectar os parâmetros que a tornam um sistema estável que está perdurando há décadas. A natureza seleciona sistemas estáveis. São mais aptos a lutar pela sobrevivência. Na base disso na sociedade humana está a exploração dos descamisados, dos moradores de rua, dos favelados, dos assalariados, das mulheres, das crianças, dos idosos, dos refugiados, dos imigrantes, etc. Uma criança tem todo um potencial de genialidade a ser explorado. Os pais a tornam um perfeito adulto para imitar a Agenda Marrom a partir de 4 anos. O partido democrata nos EUA deu uma guinada com Franklin Delano Roosevelt que escapou de criar uma grande divisão entre o seu programa assistencialista para superar a depressão de 1929 e os empresários com a sua associação com Churchill para combater Hitler. Os aviões e navios americanos derrotaram Hitler e os milionários empresários aplaudiram e FDR foi reeleito 4 vezes, ferindo o princípio básico da democracia. Enquanto pacifistas e humanistas ganharem o pão de cada dia através de contribuições voluntárias, então  sempre prevalecerá um Trump financiando sua própria campanha. Isso corrobora as quatro leis da termodinâmica. Deus ajuda quem trabalha. Na sociedade capitalista que permite um Trump não pagar os seus impostos diretamente, enquanto o assalariado tem que descontar diretamente na folha de pagamento tem-se uma idéia do descalabro. Em suma, enquanto quisermos melhorar o sistema sem imitar as plantas que produzem fotossíntese e geram toda a vida na Terra, fica difícil derrotar a Agenda Marrom. O melhor exemplo é a propinocracia estabelecida no Brasil". 
 
2. "Os apoiadores de Trump se sentem traídos pelo multiculturalismo e também pela  globalização. Curiosamente na natureza os sistemas locais se sacrificam pelo bem estar de todo o sistema. Obviamente um sistema que visa proteger o sistema local! Quando seus apoiadores exigem trabalho no local, há toda uma eficiência ecológica em termos de recursos humanos e recursos naturais que se tornam gerenciados de modo mais holístico. Em 2025 9 bilhões de passageiros aéreos cruzarão os ares. Não há maior poluidor que passageiro aéreo. Espero que caia a ficha... (USA nº 1 da poluição (também aérea)".
 
3- "Quando se tenta impor de cima para baixo um sistema que não permite à vida se desenvolver de modo que imite a natureza, a violência é uma decorrência. Democratas estão longe de abraçarem a Agenda Verde. Imitar a natureza é gerar a vida em toda sua diversidade a partir da molécula do ácido desoxirribonucleico e uma fonte de energia. Tudo que é produzido na natureza segue o princípio de uso mínimo de energia para um maximo de informação "holística". O contrário dos pesquisadores de opinião que erraram de norte a sul, de leste a oeste quem ganharia as eleições com raras exceções. Honestamente acho que Trump eleito vai perceber que na natureza e num sistema complexo a troca de informação ocorre de modo transparente. Obama se associou à Agência Nacional de Informação. Até hoje não perdoou Snowden. Há maior truculência do que isso?!"
 
4- "Os brasileiros logo irão atravessar as fronteiras americanas sem visto!"
 
5- "Eu fiquei apreensiva sim por perceber o quanto o americano coloca a mulher embaixo do seu chinelo e a esfola. Eu votaria em Bernie, porque ele aponta os problemas americanos relacionados com o capitalismo e a Agenda Marrom. Sendo socialista, estava nadando contra a maré, ignorando a implosão espetacular da União Soviética. O bipartidarismo está na raiz do mal da política americana. Apenas 100 milhões votaram num país de 300 milhões de habitantes. Hillary representa o establishment político e foi derrotada. Trump representa o establishment econômico e foi eleito. Isso é uma evolução do sistema complexo humano? Só o futuro dirá. Obama abriu caminho para um bilionário com certeza".
Albertina Lourenci vive hoje perto de Los Angeles

Recebemos aqui na redação do nosso blog de ecologia e de cidadania, através de Ivan Simões, que é advogado e também blogueiro, produtor cultural especializado em informática e design, este texto que analisa o Efeito Trump, escrito pelo engenheiro florestal Marcos Simões Nunes Júnior, dimensionando uma das preocupações centrais do movimento ecológico e também antevendo mudanças na relação agora entre as maiores potências mundiais, USA e China.


O Efeito Trump segundo o engenheiro florestal Marcos Simões


O caos do ambiente e do clima, o maior desafio de Trump

"Não só o clima em nosso planeta será afetado mas a economia ira sofrer grande impacto principalmente a nossa. Para quem lida com Créditos de Carbono o melhor é esperar "o efeito trump" passar A China rejeitou nesta terça-feira um plano do candidato presidencial republicano dos Estados Unidos, Donald Trump, de abandonar um acordo global contra a mudança climática, dizendo que um líder político sábio deveria elaborar políticas alinhadas com as tendências mundiais, em um comentário raro sobre uma eleição estrangeira. O mundo está rumando para o equilíbrio entre a proteção ambiental e o crescimento econômico, disse o principal negociador chinês para a mudança climática a repórteres quando indagado como a China trabalharia com um governo Trump nesta questão. "Se eles resistirem a esta tendência, não acho que conseguirão o apoio de seu povo, e o progresso econômico e social também será afetado", disse Xie Zhenhua. "Acredito que um líder político sábio deveria adotar posturas políticas de acordo com as tendências globais", disse o veterano negociador climático. Trump ameaçou rejeitar o Acordo de Paris, um pacto global negociado por quase 200 governos para combater a mudança climática que entra em vigor na sexta-feira. As autoridades chinesas muitas vezes hesitam em opinar sobre eleições estrangeiras, embora defendam as políticas de seu país quando atacadas nas plataformas políticas dos candidatos. Os comentários de Xie surgem no momento em que a China planeja lançar um esquema nacional de comércio de carbono em 2017" 
 
Fontes: APF - Reuters - Facebook - G1
             www.folhaverdenews.com 

13 comentários:

  1. Nas próximas horas, editaremos por aqui mais comentários com mais informações, mensagens, opiniões. Aguarde a próxima edição, repercutindo este post e confira aqui nesta seção logo mais.

    ResponderExcluir
  2. Você pode postar direto nesta seção de comentários a sua mensagem ou, se preferir, enviá-la para o e-mail da redação do blog navepad@netsite.com.br e/ou então diretamente pro nosso editor de conteúdo padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. "Curti esta página com uma visão coletiva sobre o efeito Trump na realidade de agora": comentário de Fabiana Santos, de São Paulo, estudante da USP, ECA.

    ResponderExcluir
  4. Nosso blog ligado ao movimento ecológico, científico, de cidadania e da não violência está assim, hoje, pondo em debate não exatamente Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos, mas o contexto de agora, segundo a nossa cultura da vida. Seja aqui, nos Estados Unidos, na China, onde for.


    ResponderExcluir
  5. "Creio que hoje temos quase que empatados os humanistas e os não humanistas e assim os alienados que elegeram o Trump vivenciarão processos complexos incluindo todos emigrantes , e talvez uma terceira guerra pode acontecer, cruz credo, nós pacifistas estamos meditando contra e contra, viva a cultura da paz!": mensagem de Nilvana Marchiori Tostes, ecologista, que morava em São Paulo e hoje está na sua cidade natal, no interior, em Batatais(SP).

    ResponderExcluir
  6. "Acho que ficou legal sim. O problema é saber se vai ficar claro, é complicado colocar ideias complexas de modo suscinto, é abrir caminho para equívocos. Por isso é importante os comentários do leitor. Na maioria das vezes feitos sem nenhuma reflexão séria infelizmente. Mas sempre valem. A verdade é que Obama abriu caminho para um bilionário. Não é executivo e não sabe mexer com grana para ter bolado um Obamacare que é um puro desastre para todo mundo. Mas, educação tem de ser pública. Saúde também. De qualidade? Claro! Como conseguir isso? Esse é o enigma. Agricultura orgânica? Urgente!": comentário de Albertina Lourenci, refletindo sobre os seus próprios comentários aqui no blog.


    ResponderExcluir
  7. "Não vi em outras mídias nem em grandes jornais uma reflexão tão boa como hoje neste blog, curti muito mesmo porque temos mesmo que ter espírito crítico destes fatos de grande dimensão na realidade de todos ´nós": comentário de Neusa Pereyra, de Londrina (Paraná), Tecnologia de Informação.


    ResponderExcluir
  8. "Jovens nos Estados Unidos protestaram ontem contra a vitória de Trump temendo o futuro do país diante da falta de programa do novo Presidente": comentário de José Alves Pereira, do Rio de Janeiro (RJ) que nos envia informações a respeito. Informa que viu nosso blog ao pesquisar no Google matérias sobre a eleição americana.


    ResponderExcluir
  9. "Me preocupa isso tudo que vocês colocaram aqui e mas ainda uma possível falta de representatividade de Trump nos Estados Unidos, digo isso ao ver o texto da brasileira na Califórnia, informando que apenas 100 milhões votaram num país de 300 milhões de habitantes": comentário de Maria Durval Mendes, de Belo Horizonte, que terminou curso de Jornalismo na PUC MInas.

    ResponderExcluir
  10. "Acho que eu e todo o mundo em todo planeta estamos na expectativa do que acontecerá nestas próximas horas nos Estados Unidos": comentário de Guilherme Guimarães, de Ribeirão Preto (SP), executivo.

    ResponderExcluir
  11. "Como eu previ. Americanos vão acordar do torpor chamado torpe democrats! Republicanos truculentos que abriram caminho para um bilionário como Trump": comentário de Albertina Lourenci, que escreveu ontem em nosso blog sobre o Efeito Trump. ela é brasileira, ecologista e vive hoje em Santa Barbara (Califórnia, USA).

    ResponderExcluir
  12. "Estou vendo que vários problemas "subterrâneos" da realidade dos Estados Unidos estou surgindo à tona com o efeito Trump, um dos países mais ricos da Terra mostra sua crise profunda e tudo começa a ser discutido, até a separação da Califórnia do resto da nação": comentário de Nilton Alves, de São Paulo (SP), jornalista free-lancer.

    ResponderExcluir
  13. O mesmo Nilton Alves, jovem jornalista paulistano, nos envia um comentário que ele colheu agora há pouco na APF: "Os Estados Unidos provavelmente não cumprirão os seus compromissos de redução de gases de efeito estufa estabelecidos no histórico Acordo do Clima de Paris, ainda mais com o presidente eleito Donald Trump: a informação é de relatório publicado nesta quinta-feira. As emissões de gases de efeito estufa dos Estados Unidos vão se manter inalteradas nos próximos 15 anos, na melhor das hipóteses, segundo este relatório do NewClimate Institute, divulgado hoje durante a Conferência da ONU sobre o clima, sendo realizada nesta semana em Marrakesh".

    ResponderExcluir

Translation

translation