terça-feira, 1 de novembro de 2016

NOSSO PAÍS PRECISA SE LIVRAR DA DITADURA DO PETRÓLEO: CONFIRA AQUI COMENTÁRIO DO IDEALIZADOR DO PRÓ ÁLCOOL

Nosso país tem potencial para recuperar sua economia e liderar o planeta com a força da  sua ecologia,  por exemplo, investindo em energias limpas e renováveis como a Solar e a Eólica para criar uma nova estrutura energética sustentável com base nos recursos da nossa natureza tão desprezada e agredida em todos estes anos 



Este pequeno texto aqui na chamada deste post do nosso blog nos remete ao que pensava José Walter Bautista Vidal, físico da UFRJ, cientista muito respeitado no país e no exterior: em homenagem à sua luta, ele que idealizou o programa Pró Álcool e morreu há 3 anos, a gente aqui hoje no blog da ecologia e da cidadania vamos postar um trecho bem expressivo dos seus ideais e do nível fora do comum de suas informações para indicar um caminho de desenvolvimento de verdade ao Brasil. Confira a seguir as palavras superatuais deste líder brasileiro, que não foi suficientemente ouvido nem seguido enquanto estava vivo entre nós. Quem sabe agora, no fundo do poço (no fundo do poço da economia e da ditadura do petróleo também) nosso país acorde para criar uma realidade melhor. O Pró Álcool já mostra hoje erros e limites não só na área socioambiental, porém, há muito mais recursos naturais e mais sustentáveis a serem explorados, os canaviais e as suas usinas ficam como um cenário de passagem, como uma préhistória para um desenvolvimento de verdade e mais avançado ainda, equilibrando os interesses econômicos com os ecológicos e assim criando o nosso futuro. Em meio a esta crise, também de estrutura energética, nada mais nos resta do que partir já imediatamente para a criação de um novo modelo e até do futuro Brasil. Este, já era. (Antônio de Pádua Silva Padinha) 




José Walter Bautista Vidal, físico da UFRJ visualizou saída para a crise
A questão não é mais álcool X petróleo mas nova estrutura energética sustentável


"Todas as formas energéticas utilizadas pelo homem, com exceção da energia das marés, da geotermia e da energia nuclear, vêm do Sol, o eterno e imenso reator a fusão nuclear natural. O Brasil é o único país do mundo em condições de usufruir em grande extensão desse reator. Sonho inalcançável para os demais países, muito especialmente os situados nas regiões temperadas e frias do planeta. A energia solar acumulada nos hidratos de carbono das plantas e de animais microscópicos necessita centenas de milhões de anos para transformar-se em combustíveis fósseis. Assim, o uso direto pelo homem da energia armazenada nos hidratos de carbono das plantas encurta em eras geológicas o uso da energia solar concentrada nos fósseis. Os hidrocarbonetos, cujas misturas formam o que denominamos petróleo, derivam dos hidratos de carbono das plantas pela perda de oxigênio em processo de fossilização, levam para isso centenas de milhões de anos. O óleo de girassol, excepcional substituto do óleo diesel do petróleo – limpo e renovável - chega a fazer 40 quilômetros por litro em motores Elsbett de ciclo diesel – leva apenas três semanas para se formar. Assim, em vez de usar-se o capital da energia solar que exige centenas de milhões de anos para se constituir, usemos os dividendos dessa energia, renovados de modo permanente. Os combustíveis derivados da biomassa – hidratos de carbono vegetal – para serem vantajosos exigem formação acelerada na natureza, o que ocorre somente com muito sol e água. Isto é possível nas regiões tropicais brasileiras. Nosso continente detém de 22 a 24% da água doce do planeta Terra. Somente a região amazônica tem 18% desse montante, com o Canadá em segundo lugar, com 14%, embora nele a água seja gelo em grande parte do ano. Finalmente, ser o principal supridor mundial de energia renovável e limpa ou de produtos de elevado conteúdo energético, exige dimensões continentais localizadas nos trópicos com água abundante e imensas áreas desocupadas. Assim, o óleo de girassol por exemplo oferece ao Brasil a grande oportunidade econômica que jamais algum país teve na história da Humanidade, ou seja, cabe-nos um papel importante no mundo, neste começo do século 21. É grave equívoco contemporizar com um sistema financeiro internacional irremediavelmente falido, o qual somente intensificará os atuais conflitos entre nações. A situação é muito mais grave do que foi em 1929, pois não havia então as atuais previsões de colapso dos combustíveis fósseis e do Efeito Estufa. O que estamos presenciando é o resultado do desmoronamento da política tirânica do dinheiro digital na tentativa de dar uma sobrevida a um sistema financeiro condenado de modo irremediável pelo abismo que se abre entre ele e a economia que tem por base o mundo físico, o mundo concreto e o da natureza. O que se busca é um pacto entre um conjunto de países de elevado peso mundial tendo por base uma questão crucial para todos, qual seja a energética. Ele objetiva iniciar movimento internacional de modo a frear a atual oligarquia financeira que está levando importantes países à ruína e o mundo à guerra. Visa principalmente a abrir uma discussão acerca da reformulação do atual sistema financeiro internacional que desmorona, tendo em vista contribuir para retirar a humanidade da perigosíssima situação para a qual caminhamos cegamente"  (José Walter Bautista Vidal).







Fontes: Revista Eco 21
             www.ambientebrasil.com.br
             www.folhaverdenews.com

9 comentários:

  1. "O óleo de Girassol, as energias limpas e renováveis como a Solar ou a Eólica, o cientista morto há 3 anos reaparece hoje no blog da gente argumentando contra todo o sistema petrolífero, Professor Bautista explica a força dos recursos da natureza brasileira, não se trata só de álcool X petróleo mas de uma nova estrutura energética sustentável, para recuperar a economia e regatar a ecologia": comentário feito no Facebook sobre este post de hoje aqui, resume bem a visão profunda do mestre José Walter Bautista Vidal, da UFRJ, morto há 3 anos, mas superatual nas suas colocações. Este post é uma homenagem a ele.

    ResponderExcluir
  2. Logo mais, por aqui nesta seção de comentários, mais informações sobre esta pauta de importância tanto para a economia como para a ecologia do Brasil. Aguarde a nossa edição, conferindo logo + comentários e você desde já pode postar a sua opinião aqui nesta seção.

    ResponderExcluir
  3. Outra opção é vc enviar seu comentário, informação, opinião ou mensagem para o e-mail da redação do nosso blog: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Vc pode ainda enviar sua msm diretamente pro nosso editor de conteúdo, podendo também aproveitar para sugerir pautas, e-mail padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "O Brasil parou de discutir a questão petrolífera, que é essencial pro país, por causa do petrolão e do lavajato, esta matéria é oportuna, todas as colocações do Dr. Bautista precisam ser rediscutidas hoje": quem comenta é Pedro Paulo, do Rio de Janeiro (RJ), atualmente engenheiro químico na região de Campinas (SP).

    ResponderExcluir
  6. "Os problemas da chamada civilização do petróleo têm uma dimensão monstruosa aqui e em todo o mundo mas a questão do etanol também é problemática, com estes canaviais com suas queimadas e vinhotos que estão poluindo e desequilibrando o ambiente de algumas das melhores regiões agrícolas do Brasil, mesmo porque não comemos combustível. Energias limpas e agricultura orgânica de alimentos, esta é a saída, caso queiramos seguir o rumo indicado pelo físico José Walter Bautista Vidal, criticando o sistema do petróleo": comentário de Elizabeth Costa, de Brasília (DF), carioca de origem e técnica administrativa na capital federal.

    ResponderExcluir
  7. "O Brssil precisa urgentemente priorizar os recursos da nossa natureza, como a água e o Sol, isso, se quiser ter futuro, o petróleo já nos leva a uma situação limite": comentário de Douglas de Sousa, de Ribeirão Preto (SP), médico que se formou na Federal de Uberlândia (MG).

    ResponderExcluir
  8. "Estou enviando aí pro blog texto duma homenagem que foi feita aqui na Bahia ao Bautista Vidal, que defendia as energias alternativas": comentário de Rafael Santos, de Salvador (Bahia), tecnólogo. Confira a seguir este texto, agradecemos a Rafael.

    ResponderExcluir
  9. "A Universidade Federal da Bahia lamentou a perda do professor José Walter Bautista Vidal, ex-diretor e docente da Faculdade de Física da UFBA. Vidal, que faleceu aos 78 anos em 2013, foi um grande representante da física na Bahia e no Brasil e autor de uma série de livros, alguns premiados no exterior, em que defendeu os seus pontos de vista sobre a economia do país. Ele era
    crítico do modelo de desenvolvimento brasileiro, o professor defendeu a utilização e estudo de energias alternativas, foi o idealizador do Programa Nacional do Àlcool (Pró-Álcool) e, em cooperação com o Urbano Ernesto Stumpf também contribuiu para a criação do motor a álcool.
    O físico e engenheiro baiano deixa um legado de realizações que repercutiu nacional e internacionalmente e contribuiu para o avanço científico e tecnológico nas últimas quatro décadas no nosso país. Bautista Vidal também foi um dos mais destacados participantes do movimento que contribuiu para a criação do atual Instituto de Física da UFBA, referência dos pesquisadores do nordetes do Brasil".

    ResponderExcluir

Translation

translation