sexta-feira, 11 de novembro de 2016

SERRA DA CANASTRA E VÁRIOS OUTROS PARQUES NACIONAIS DO PAÍS E ESTADUAIS DE MINAS GERAIS AMEAÇADOS POR FALTA DE GESTÃO GOVERNAMENTAL

O Governo de Minas Gerais tem até esta próxima 2ª feira para pagar os Guarda Parques em vários tipos de reservas da nossa natureza: Parques Nacionais também carecem de mais gestão e maiores investimentos, o meio ambiente do Brasil neste sufoco de hoje em dia está sendo abandonado?...


A Serra da Canastra sofre mais uma vez situação de risco


O governo mineiro tem até segunda-feira para efetuar o pagamento dos funcionários terceirizados que trabalham nas unidades de conservação neste estado, estão há três meses sem receber. Em reunião no Ministério Público do Trabalho há duas semanas, ficou acordado que as autoridades mineiras quitariam o débito assim que a empresa contratante dos funcionários enviasse os dados dos trabalhadores. A planilha com os dados já foi enviada há quatro dias...Nesta situação precária de conservação ambiental e funcionamento estão 8 parques estaduais de Minas Gerais, além de outras áreas de proteção ambiental, monumentos naturais e duas estações ecológicas. Por razões similares, a Serra da Canastra, nascente do São Francisco, que fica no sudoeste mineiro, vem sofrendo variadas dificuldades desde 2015, segundo o ICMBio voltou a questionar agora em 2016. Falta funcionários que atuam na portaria deste Parque Nacional, símbolo da natureza do interior do Brasil. Há mais de cinco meses entra quem quer no Parque Nacional da Serra da Canastra pela portaria III, não há vigilância e nem está sendo cobrada a taxa dos visitantes, importante para a manutenção do parque. A desculpa vinha sendo que falta um controlador de acesso. Há mais de um mês a portaria II também está sem nenhum profissional e por isso quem pagava ingresso para entrar neste Parque Nacional por ali tem entrada livre. Esta situação está sendo ressaltada pelo site O Eco. E isso representa mais uma ameaça à fauna, flora, recursos minerais e conservação desta natureza, inclusive, das nascentes iniciais do Rio São Francisco. Autoridades de MInas Gerais e do Ministério do Meio Ambiente (MMA) em Brasília refutam em parte essa situação, afirmando que há vigias e vigilância em todas entradas e saídas do local, sagrado para a ecologia do nosso interior. Ecologistas e imprensa regional têm colocado, para exemplificar a situação de risco de vários tipos de reservas da natureza interiorana, citam problemas que vêm se arrastando no Parque Nacional da Serra da Canastra (a 100km em linha reta de Franca, nordeste paulista).  Fatos deste tipo levaram a repórter Anna Lúcia Silva, do G1 da região centroeste de Minas, a fazer uma  matéria que repercutiu em todo o pais e no exterior. Na ocasião, ainda antes da virada do ano e do Governo Federal, Fernando Tizianel, chefiando o Parque Nacional da Canastra, comentou que havia falta de funcionários, o que se sabe é que alguns teriam sido dispensados para diminuir despesas. O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) alegava ajuste nas contas públicas (o que vem sendo feito desde o ano passado). A chefia do Parque vem destacando que seria preciso a recomposição de pelo menos 10 funcionários para dar conta do déficit de operação. Entre eles profissionais para a portaria, limpeza e analistas ambientais. Atualmente ali ainda há só cerca de 12 profissionais efetivos e 26 terceirizados.

 

O Parque Estadual do Rio Preto foi uma das unidades fechadas para visitação. Foto: Wikipédia.
Este parque estadual de Minas (Rio Preto) é um dos ainda fechados para visitação


Para exemplificar a situação, em Minas Gerais, onde se localiza o Parque Nacional da Serra da Canastra (a 100km em linha reta de Franca, nordeste paulista) os terceirizados dos Parques Estaduais mineiros são contratados da empresa Cristal Serviços Especializados e estão há três meses sem pagamentos. Sem salário, o órgão ambiental fechou, provisoriamente, 12 unidades de conservação, sendo 8 Parques Estaduais, uma Área de Proteção Ambiental, 1 Monumento Natural e duas Estações Ecológicas. Os atrasos aconteceram porque a Cristal está com a Certidão Negativa de Débitos vencida, o que  impederia o repasse de recursos do estado através da Secretaria de Estado de Meio-Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) para a empresa. A situação ficou tão fora de controle que os funcionários pararam de trabalhar e o órgão ambiental do estado que cuida das áreas protegidas, o Instituto Estadual de Florestas (IEF), chegou a anunciar o fechamento de 12 unidades de conservação.  Segundo a Associação Mineira de Defesa do Ambiente (AMDA), o diretor de áreas protegidas do IEF, Henri Collet, informou que o governo não renovará o contrato com a empresa, que termina no início do próximo ano. O anúncio foi feito durante reunião na Câmara de Proteção da Biodiversidade (CPB). Ainda antes da virada do ano e da mudança na Presidência do Governo Federal, Fernando Tizianel, chefe do Parque Nacional da Canastra comentou que havia falta de funcionários, o que se sabe é que alguns teriam sido dispensados para diminuir despesas. O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) alegava ajuste nas contas públicas (o que vem sendo feito desde o ano passado). A chefia do Parque vem destacando que seria preciso a recomposição de pelo menos 10 funcionários para dar conta do déficit. Entre eles profissionais para a portaria, limpeza e analistas ambientais. Atualmente o Parque conta com cerca de 12 profissionais efetivos e 26 terceirizados, segundo o chefe do local. Pouco investimento governamental levando em conta o valor fora do comum da Serra da Canastra e da última natureza do interior do Brasil. 


Situação difícil em Minas e no Brasil  em todas áreas de conservação ambiental

Fontes: O Eco - G1 - Reuters
             www.folhaverdenews.com

7 comentários:

  1. Mais tarde estaremos fazendo uma nova ediçãop deste post, em especial, aqui na seção de comentários, atualizando ainda mais as informações. Aguarde e participe desta pauta de extrema importância para a última ecologia de Minas e do Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Você tem três opções para participar: pode postar direto sua mensagem nesta seção de comentários ou se preferir, mandar um e-mail para a redação do nosso blog navepad@netsite.com.br e/ou então pode também enviar sua opinião, informação, comentário, fotos, sugestão de pauta entrando em contato com nosso editor de conteúdo aqui neste blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. Nosso blog de ecologia e de cidadania divulga estas informações e questiona esta situação, alertando a população, em especial os integrantes dos movimento científico, ecológico, de cidadania e não violência (pessoas que sempre acessam nossa webpagina)para a situação de abandono ou ao menos de grandes dificuldades das áreas de conservação, não só o Parque Nacional da Serra da Canastra e nem somente os parques estaduais de Minas Gerais.

    ResponderExcluir
  4. "Se o Governo Temer cortasse 5% dos superssalários dos parlamentares, também do Poder Executivo, poderia destinar recursos consideráveis ao meio ambiente, sei que o próprio Ministério do setor vive à mingua, ainda mais agora": comentário de Manoel Santos Ribeiro, que é engenheiro agrônomo formado pela Unesp e hoje atua na região de Sorocaba (SP).

    ResponderExcluir
  5. Lista dos parques estaduais em Minas Gerais que estão fechados à visitação por falta de verba:
    Parque Estadual do Pau Furado (Uberlândia)
    Parque Estadual Lapa Grande (Montes Claros)
    Parque Estadual do Rio Preto (São Gonçalo do Rio Preto)
    Parque Estadual do Pico do Itambé (Sto. Antônio do Itambé)
    Parque Estadual da Serra Negra (Itamarandiba)
    Parque Estadual da Serra do Intendente (Conceição do Mato Dentro)
    Parque Estadual do Biribiri (Diamantina)
    Área de Proteção Ambiental das Águas Vertentes (Diamantina, Serro e outros)
    Monumento Natural da Várzea do Lageado e Serra do Raio (Serro)
    Estação Ecológica de Acauã (Leme do Prado e Turmalina)
    Estação Ecológica da Mata dos Ausentes (Senador Modestino Gonçalves)
    Parque Estadual do Ibitipoca (Lima Duarte)
    Siga o Sulminas146 no Facebook e no Twitter

    ResponderExcluir
  6. Clécio Fontes, advogado em Belo Horizonte comenta que o interior mineiro além dos parques possui dezenas de pousadas, que lotam nos finais de semana com turistas de São Paulo e Rio de Janeiro. Um comerciante amigo meu entrou em contato com a Amda buscando informações sobre a reabertura da unidade de conservação e afirmou estar muito preocupado com a situação: “Os clientes que eu recebo são basicamente os visitantes do parque. Estou preocupado porque meu movimento de vendas está praticamente parado. Se o parque aqui na região não reabrir não sei como minha situação vai ficar”, reclamou Mário dos Santos, proprietário de pousada na região de Uberlândia (MG).

    ResponderExcluir
  7. "O fechamento dos parques prejudica a ecologia, as reservas ficam abandonadas, isso também traz sérios impactos econômicos para as comunidades próximas às unidades de conservação, ainda mais com feriados, férias escolares e festas de final de ano, quando o movimento de visitantes aumenta consideravelmente. Prejudica também as atividades de educação ambiental, pois muitas escolas levam alunos para estudos em campo e atividades de pesquisa que neles são desenvolvidas. É o caso do distrito localizado a cerca de 2 km do parque de Ibitipoca, sofrendo também esse problema": quem comenta é Fabrício Faleiros, que é empresário em Juiz de Fora (MG) e faz turismo nos parques estaduais com seus familiares em todos os feriados em que consegue sair.

    ResponderExcluir

Translation

translation