domingo, 25 de dezembro de 2016

BOA NOTÍCIA DO NATAL: INGLATERRA E OMS DA ONU INVESTIRÃO NA EMPRESA DE REFRIGERANTE QUE TORNAR A BEBIDA GOSTOSA MAIS SAÚDAVEL


Aumento de impostos sobre refrigerantes para reduzir obesidade e outras doenças: a Inglaterra assume esta política para mudar a realidade no consumo e na saúde pública, isso pode estar fazendo com que seja criado um refrigerante sustentável

 

Enquanto não se produz o refri sustentável podemos beber água com limão, né?...




UM FELIZ NATAL DE VERDADE NÃO PRECISA DE MUITAS PALAVRAS 


É o que acredita a equipe do blog da gente e assim a nossa mensagem é só uma imagem, só uma imagem que vale por milhões de frases, OK?



PAPAI NOEL, É PEDIR MUITO? ...Nós brasileiros e brasileiras temos muito o que pedir mas periga da gente não ganhar nada, do jeito que as coisas andam no país. Aliás, no planeta. Eu pessoalmente gostaria que mais pessoas lutassem pro ser humano ser humano como o 1º passo para sermos divinos. É pedir muito? É o que peço para todos os Papais Noéis por aí, da minha parte só posso oferecer uma energia pura, paz e graça a todos aí. (Padinha)

8 comentários:

  1. Em relação a esta nossa Mensagem de Natal, ela bombou no Facebook na virada de ontem para hoje e a gente fica feliz com comentários como o que fez o músico, sonoplasta e ecologista Rodrigo Gonzales Vergara: "É a notícia que a humanidade precisa".

    ResponderExcluir
  2. Em relação à proposta e estudo da OMS, assumida como política pública na Inglaterra, aumentar os tributos a bem da Saúde Pública é algo positivo, ainda mais com os recursos (20% mais de impostos) sendo investidos na pesquisa e na criação dum refrigerante saudável (sem açúcares e sem aditivos), um refri sustentável. É o que em todos os países os consumidores estão precisando.

    ResponderExcluir
  3. "De acordo com o novo relatório da OMS, pesquisas alimentares nacionais indicam que bebidas e alimentos ricos em açúcares livres podem ser uma grande fonte de calorias desnecessárias. O documento também aponta que alguns grupos, incluindo pessoas que vivem com baixo rendimento, jovens e aqueles que consomem com frequência alimentos e bebidas pouco saudáveis são os que mais respondem às mudanças nos preços dos produtos e, por isso, podem obter os maiores benefícios na saúde": comentário de Maria Cláudia, jornalista em Brasília (DF).


    ResponderExcluir
  4. "A regulação da venda de alimento industrializado é um desafio para o combate mundial à obesidade, isso porque o refrigerante é sexto alimento mais consumido por adolescentes, mostram pesquisas feitas no Brasil e nos States": comentário de Juracy Mendes, redator (criação) em agência internacional de publicidade.

    ResponderExcluir
  5. O documento da OMS apresenta os resultados de uma reunião, em meados de 2015, com especialistas convocados pela ONU e uma investigação de 11 revisões sistemáticas recentes sobre a eficácia das intervenções de política fiscal para melhorar as dietas e prevenir doenças crônicas que hoje são catalogadas como não transmissíveis, como obesidade, diabetes, hipertensão.

    ResponderExcluir
  6. "Curti muito nesse blog dias atrás a matéria em que Gisele Bundchen relaciona a sua saúde, beleza e maior energia ao consumo de frutas frescas e de preferência, orgânicas. Agora esta outra notícia completa a informação": comentário de João Tales, de Campinas (SP), industrial e TI.

    ResponderExcluir
  7. "O levantamento da OMS da ONU também aponta que subsídios para frutas frescas e vegetais, que reduzam os preços entre 10% e 30%, podem aumentar o consumo desses alimentos. Segundo o estudo, o apoio governamental para tais aumentos de impostos pode ser estimulado se as receitas geradas forem destinadas aos esforços para melhorar os sistemas de saúde, encorajar dietas mais saudáveis e aumentar a atividade física": trecho da matéria da Agência Brasil, feita pela repórter Aline Leal.

    ResponderExcluir
  8. "O México, por exemplo, implementou imposto sobre bebidas não alcoólicas com adição de açúcar e a Hungria criou imposto sobre os produtos com altos níveis de açucares, sal e cafeína. Não é só a Inglaterra": comentário de Luiz Vaz, de São Paulo, corrigindo e ampliando o alcance da nossa informação aqui, hoje. Ele é MKT e comunicador.


    ResponderExcluir

Translation

translation