segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

O BRASIL COMEÇA AGORA A DESCOBRIR O BRASIL QUE SE CHAMA MATOPIBA E FICA ENTRE O MARANHÃO, TOCANTINS, PIAUÍ E BAHIA



Esta região é o principal destaque da nova edição da revista Poli que está abordando o avanço do grande agronegócio sobre o Cerrado que nesse embalo fica cada vez menor ou mais ameaçado de desaparecer do mapa

 
Aqui o mapa deste outro Brasil dentro do Brasil de agora

Esta notícia é destacada também no site nacional de assuntos socioambientais EcoDebate, onde você pode acessar na íntegra a nova edição desta revista de saúde, educação, meio ambiente e trabalho: na matéria de capa você vai conhecer Matopiba, uma região geoeconômica de 73 milhões de hectares que reúne Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, sendo considerada a última fronteira do agronegócio no país. Gigante invisível para a maioria dos brasileiros, Matopiba tem sido também objeto da resistência de comunidades e povos tradicionais que lutam por seus territórios e pela sobrevivência do Cerrado, um dos biomas mais ameaçados de desequilíbrio total dentro da ecologia que vai se perdendo no Brasil, que não avança o desenvolvimento sustentável, que poderia harmonizar para o bem geral de todos e da nossa última natureza os interesses econômicos com os ecológicos. Em uma outra reportagem desta publicação da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV), unidade técnico-científica da Fiocruz,  que está sempre sendo notícia por suas pesquisas de valor por aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News: em uma das matérias agora da revista Poli economistas apontam economistas quais são os problemas do Programa de Parcerias de Investimento (PPI), aposta do Governo Temer para, junto com o ajuste fiscal, fazer o país crescer e gerar empregos. O "avanço" da militarização na educação em diversos estados do país é outro tema enfocado mostrando como o estado brasileiro tem caminhado a passos largos rumo ao aumento da repressão policial a movimentos culturais de professores e estudantes. Este assunto reverbera na entrevistada da edição, Ana Julia Ribeiro, estudante de 16 anos que ficou conhecida depois de falar na Assembleia Legislativa do Paraná em defesa do movimento de ocupações de secundaristas, explicando porque a juventude é contra a reforma do ensino médio e a adoção de um teto máximo de gastos públicos nas áreas sociais. Já na seção O que é, o que faz? você fica sabendo qual é o papel do Supremo Tribunal Federal (STF) e quais fatos, na visão de juristas, têm desviado o "guardião da Constituição" desta sua nobre tarefa. O Portal EPSJV também possibilita acessar todas estas informações na íntegra, todas matérias da maior importância na atualidade brasileira, carente entre muitas outras coisas dum debate público e aberto, com mais cidadania. Esta é aliás uma das maiores formas de violência no Brasil de agora.


Esta é a nova paisagem que predomina no coração do Cerrado

Vão rareando as matas através dos quatro estados
 
Mapa de Matopiba conforme ilustração da Poli

Matopiba em pauta nas manifestações  no interior do país

A natureza ainda sobrevive em alguns pontos da macrorregião



Fontes: www.ecodebate.com.br
             www.folhaverdenews.com 

7 comentários:

  1. Vale a pena você acessar na íntegra a edição desta revista Poli pela atualidade e pela visão crítica dos enfoques sobre a realidade brasileira de hoje.

    ResponderExcluir
  2. "Matopiba: na fronteira entre a vida e o capital, diz a manchete da reportagem de capa. De “última fronteira agrícola do país” a projeto abortado pelo governo por falta de verbas, Matopiba segue nos planos dos investidores, continua sendo um desafio para povos e comunidades tradicionais e uma ameaça para o Cerrado. Texto: Maíra Mathias Ilustrações: Artur Monteiro - EPSJV/Fiocruz


    ResponderExcluir
  3. "A região geoeconômica abarca 337 municípios, se estende por 73 milhões de hectares e atravessa diversos territórios ocupados por populações tradicionais e camponesas A “última fronteira agrícola” do país. O lar de milhares de indígenas, quilombolas, agricultores familiares e populações que mantêm um modo de vida tradicional, como quebradeiras de coco, geraizeiros, vazanteiros e comunidades de fecho de pasto. Um desdobramento da crise econômica internacional. Uma porção do cerrado brasileiro em que o desmatamento cresce em ritmo acelerado. E, ao mesmo tempo, uma região tão importante para o equilíbrio hídrico nacional que recebeu o apelido de ‘berço das águas’. Um gigante de 73 milhões de hectares que, ainda assim, segue invisível e desconhecido da maior parte dos brasileiros. Matopiba é tudo isso e mais um pouco": texto de Maíra Mathias.

    ResponderExcluir
  4. Depois por aqui nesta seção de comentários mais informações sobre esta pauta de importância para todos nós. Você por aqui a sua mensagem ou então se preferir enviar por e-mail para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania via o webendereço navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Outra opção para participar deste debate é mandar um e-mail direto pro editor de conteúdo deste blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. O nome vem do acrônimo das iniciais dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. O que eles têm em comum? Vastas porções de terras planas, mecanizáveis. E também contrariando a noção que associa todo o Nordeste à seca, fartura de água. Condições ideais para o agronegócio interessado em produzir em larga escala. Mas não só. A partir de 2008, investidores estrangeiros foram chegando e Matopiba passou a pipocar no noticiário econômico como uma oportunidade imperdível. Hoje, estudos já revelam que a região também atrai capital interessado unicamente em especular com o preço das terras, que disparou. E tudo isso fez aumentar o número de conflitos com quem estava no cerrado bem antes desse boom. Parece complicado? Cada vez fica mais": comentário da jornalista Maíra Mathias.

    ResponderExcluir
  7. "Con uma gestão governamental sustentável poderia haver um aumento da economia (tb agrícola) no Brasil, sem destruir os recursos naturais nem acabar com o povo nativo e as florestas": comentário do engenheiro eletrônico Nilson Paes, do Rio de Janeiro (RJ).

    ResponderExcluir

Translation

translation