sexta-feira, 3 de março de 2017

MILHARES DE PEIXES APARECEM MORTOS NA REGIÃO DE BH EM MINAS GERAIS ENTRE OS RIOS BETIM E PARAOPEBA



A mortandade de peixes ainda está sendo investigada: amostras de água e de sedimentos foram coletadas por técnicos e estão passando agora por análise e há a suspeita em 7 Lagoas de contaminação da água em toda região de 48 cidades



Milhares de peixes aparecem mortos por ali...

.entre o Rio Betim com poluição química....
.

...e o Rio Paraopeba ainda bem mais limpo (ainda)

Foi o pedreiro Mauro Lopes, 44, quem primeiro denunciou a mortandade dos peixes. No último domingo, ao visitar o pai que mora às margens do rio Betim, no bairro Vianópolis, quando se deparou com milhares de peixes mortos, "eram tantos que dava para encher caminhões”. A suspeita dos moradores da região é a de que empresas estejam despejando resíduos tóxicos na água do rio. Além de mineração é uma zona de empresas metalúrgicas. Lisley Alvarenga, do jornal e site O Tempo, nos informa que a mortandade de peixes achados por moradores no rio Paraopeba, em Betim, desde o último fim de semana intriga especialistas e técnicos da Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerias (Cetec), enviados a pedido da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), coletaram amostras de água e sedimento para análise. Não informaram ainda a data da entrega do laudo laboratorial, que poderá indicar as possíveis causas da mortandade dos animais. Ao todo, foram coletadas amostras em cinco pontos: dois no rio Betim – um próximo à Usina Doutor Gravatá e outro no encontro entre os rios Betim e Paraopeba – e três pontos no próprio rio Paraopeba – um sobre uma ponte na BR–262, em Betim; outro sobre a ponte da MG–050, na divisa entre Betim e Juatuba; além de outro na altura da travessia da linha férrea que passa sobre Juatuba. De acordo com a assessoria de imprensa da Semad, “se for possível identificar as fontes poluidoras associadas à mortandade, serão tomadas as medidas administrativas para cessação da poluição e para a responsabilização dos infratores”, declarou. Por sua vez, o jornal Estado de Minas, site EM, afirma com todas as letras que pelas evidências a causa é poluição química no Rio Betim que chegou ao Rio Paraopeba, que é afluente do Rio São Francisco.


 Peixes de grande porte têm aparecido mortos por ali

Chefe de Divisão de Fiscalização Ambiental em Betim, Cláudio Guimarães Costa, reafirmou que, enquanto o laudo não sair, os técnicos da pasta continuarão a monitorar a qualidade da água do rio. Também foram coletados alguns peixes mortos, que serão analisados por especialistas da UFMG. Para o presidente do Conselho Municipal de Meio Ambiente (Codema) de Juatuba, Heleno Maia, apesar de ser cedo para se tirar qualquer conclusão, com base na sua experiência na região já é possível adiantar que os peixes não morreram por falta de oxigenação: "Digo isso porque entre os animais mortos, estavam espécies de Bagre-africanos e Piranhas, peixes muito resistentes. O Bagre consegue ficar fora d’água por até seis dias". Ainda segundo Heleno Maia, com o resultado da análise laboratorial, os técnicos poderão descobrir se houve ou não despejamento de produtos químicos nos rios e quais são esses produtos: "A partir daí tentaremos descobrir quem são os responsáveis por essa mortandade. Mas o que já conseguimos constatar preliminarmente é que quanto mais próxima as amostras de água foram retiradas do rio Betim, mais problemas encontramos na coloração, na sedimentação e na oxigenação da água". Ele sugere que ninguém consuma peixes dos rios Betim e Paraopeba e que haja cuidados especiais com a água dali que abastece vários municípios e aí o problema ambiental se torna também de saúde pública e extravasa para toda a região metropolitana de Belo Horizonte. O jornal e site do interior mineiro Megacidade informa que o alcance do fato ainda está sendo investigado, cita a importância da bacia do Rio Paraopeba, também para o Rio das Velhas e também para o abastecimento da população na região, com 48 municípios. Eles captam e tratam a água do Paraopeba, agora, existe a ameaça que ela esteja contaminada por poluição química. Nesse caso, aumenta ainda mais a dimensão do problema, que mostra mais uma vez o desgoverno ambiental, algo que acontece não só em Minas, em todo o país. 


 O Paraopeba abastece municípios com água e peixes...

 
...até Dourados são encontrados no afluente do Rio São Francisco..


 
Fontes: www.otempo.com.br
             www.em.com.br
             www.folhaverdenews.com 

8 comentários:

  1. Depois atualizaremos esta seção de comentários com mais informações sobre a mortandade de peixes entre os rios Betim e Paraopeba na região metropolitana de BH em Minas Gerais.

    ResponderExcluir
  2. Enquanto aguarda, você pode colocar direto aqui seu comentário, informação, opinião ou se preferir pode também enviar sua mensagem para o e-mail da redação do nosso blog de ecologia navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Outra alternativa é você enviar seu material, como fotos e até sugestão de pauta, diretamente para o editor deste blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "A gente lamenta a situação de muitos, muitos, muitos e muitos rios em todo o interior do país, também por aqui na minha região, tinha o Paraopeba como limpo, tem gente daqui que vai pescar lá": comentário de João Pedro, o Mineiro, que é de Formiga (MG) e costuma pescar na lagoa de Furnas, "onde parece que tudo está cada vez mais secando e morrendo".

    ResponderExcluir
  5. "Deveria haver uma investigação mais rápida e a tomada de solução, a questão ambiental não só em Minas, em todo o país, é muito precária do ponto de vista dos governos, dos políticos, das empresas também": comentário de Júlio Alves, do Rio de Janeiro, que trabalha atualmente em São Paulo, formado em Economia pela UFRJ.

    ResponderExcluir
  6. O jornal e site Megacidade de 7 Lagoas (MG) também enfoca esta mortandade de peixes e contaminação das águas: "Mortandade de peixes no Rio Paraopeba pode afetar Sete Lagoas
    A cidade é uma das 48 cidades que compõem a Bacia Hidrográfica do Rio Paraopeba. Milhares de peixes foram encontrados mortos no Rio Paraopeba. Órgãos ambientais e a Polícia Ambiental de Minas Gerais investigam as causas que provocaram poluição no Rio Paraopeba, afluente do Rio das Velhas, resultando na morte de milhares de peixes. Sete Lagoas é um dos 48 municípios que integram a Bacia Hidrográfica do Rio Paraopeba, importante bacia que corresponde a 2,5% da área total de Minas Gerais, segundo dados do IGAM (Instituto Mineiro de Gestão das Águas)".


    ResponderExcluir
  7. Mais detalhes da matéria deste jornal: "O Rio Paraopeba é afluente do Rio das Velhas, de onde Sete Lagoas capta água pela ETA (Estação de Tratamento de Água) às margens do Velhas em Funilândia. Ambientalistas e autoridades já constataram que produtos químicos foram encontrados no Rio Betim, afluente do Rio Paraopeba. Lá, muitos peixes foram encontrados mortos, de variados pesos e medidas. Uma densa espuma branca mudou a apresentação do rio, indicando a reação que houve com a descarga de produtos químicos".

    ResponderExcluir
  8. "Estou assustada com a situação ambiental, pensei que o desastre de Mariana fosse uma exceção mas pelo visto, é o dia a dia, absurdo como poluem os rios, matam peixes e contaminam a água que o povo bebe": comentário de Helena Torres, de Belo Horizonte (Minas Gerais), professora de Física e de Matemática.

    ResponderExcluir

Translation

translation