quarta-feira, 8 de março de 2017

MULHERES BRASILEIRAS "FURAM" A GREVE MUNDIAL EM PROTESTO CONTRA AS ATUAIS CONDIÇÕES DA MULHER NA REALIDADE


Até contrariando nossa manchete elas foram ainda ontem à noite às ruas além dos direitos da mulher no mercado de trabalho, críticas à violência no Brasil e à reforma da Previdência, bem como apoio à educação pública foram tema em vários lugares: um resumo do valor e do alcance das lutas da mulher

 
Movimento de cidadania e das mulheres indo à luta



















Brasília - Marcha das Mulheres Negras Contra o Racismo, a Violência e pelo Bem Viver em Brasília, reúne mulheres de todos os estados e regiões do Brasil (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Marcha das Mulheres Negras em Brasília (DF) seria uma exceção no país do desemprego que afeta também os homens e piora a condição humana da vida em geral para todo mundo



De toda forma, o Dia Internacional da Mulher, agendado pela ONU para todo o planeta, deverá ser marcado por paralisações de mulheres em pelo menos 30 países. A ideia de várias lideranças é fazer uma greve geral, para reforçar a importância do papel das mulheres no mercado de trabalho e na sociedade contemporânea.  A proposta do protesto veio do movimento de mulheres argentinas Ni Una Menos, nos informam Sabrina Craide e Lialian Beraldo, ambas da EBC: em 19 de outubro do ano passado, as argentinas foram às ruas e paralisaram as atividades para protestar contra os 200 assassinatos anuais naquele país em decorrência de violência de gênero. No Brasil, movimentos feministas programaram protestos para hoje em todos os estados, mas a greve prevista para alguns outros países deve ser mais difícil de se concretizar por aqui, por causa das difíceis condições de trabalho enfrentadas pelas brasileiras atualmente: "Uma coisa é organizar uma greve em um país que tem quase pleno emprego, outra coisa são as mulheres aqui no Brasil, completamente precarizadas – a maior parte empregada no serviço doméstico, autônomas, completamente sem proteção – dizerem que vamos parar", admite Maria Fernanda Marcelino, integrante da Sempreviva, uma entidade civil que está divulgando assim mesmo a Marcha Mundial das Mulheres.  Para as que não puderem parar suas atividades, as organizações feministas incentivam o protesto de outras maneiras – usando uma roupa roxa ou fazendo quaisquer manifestações no próprio local de trabalho: "O importante é identificar que estamos em luta, independentemente de podermos parar ou fazer greve. Sabemos que nem todo mundo pode parar, ainda mais diante de um cenário de desemprego no Brasil”, argumenta também Fernanda Sabóia, da Articulação de Mulheres Brasileiras. A ideia é que as intervenções sejam postadas em redes sociais, com as hashtags #8MBR, #EuParo e #ParadaBrasileiraDeMulheres. Para a assessora técnica do Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea), Joluzia Batista, as manifestações mais simbólicas também devem ser valorizadas. “É uma forma de as mulheres que estão mais impossibilitadas, com horários mais rígidos, poderem se manifestar também. é o mínimo a gente exercer nossa cidadania". 


A situação econômica e social precária do país até para se fazer protesto


Ecologistas pedem a Deus e à Mãe Natureza forças à mulher e a todo ser humano


Até no futebol mulheres se manifestam (veja nos comentários), Janaina, zagueira do Corinthians comanda agito nas redes sociais pelos direitos da mulher atleta e "maior respeito dos marmanjos"


Fontes: Agência Brasil
             www.folhaverdenews.com 

12 comentários:

  1. A proposta do protesto veio do movimento de mulheres argentinas Ni Una Menos, a convocação foi ouvida e colocada em ação em cerca de 30 países, em especial, em países mais ricos. No Brasil, não é que a greve tenha sido furada, é que a condição de desemprego impede manifestação deste tipo.

    ResponderExcluir
  2. Logo mais, estaremos postando aqui nesta seção, comentários sobre o Dia Internacional da Mulher, notícias, enfocando também a história desta data, a sua motivação na realidade de violência hoje em dia. Aguarde nossa próxima edição por aqui, confira.

    ResponderExcluir
  3. Confira e participe, coloque aqui com liberdade o seu comentário ou se preferir envie a sua mensagem para o e-mail da redação do nosso blog de cidadania navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Você pode também contatar o nosso editor de conteúdo, sugerindo enfoques, pautas, matérias, envie um e-mail para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Bom que este blog não esteja se omitindo e nessa data destacando a importância da mulher, sem ela não existe ecologia": comentário de Augusto de Oliveira, de Santos (SP), técnico em Informática.

    ResponderExcluir
  6. "O silêncio das mulheres é sempre triste e nesse dia então é doloroso": comentário de Marina Vieira, do Rio de Janeiro, cursando a UFRJ, onde haver´[a toda uma programação, "mas por aqui não ouvimos falar nada de greve".

    ResponderExcluir
  7. "Mais de 500 mulheres são vítimas de agressão física por hora, segundo a DataFolha, estou vendo essa informação agora em programa da Globo News da Maria Beltrão, especial sobre a data de hoje": comentário de Júlia Morais,de Catanduva (SP), advogada que é de São Paulo e atua nessa região.

    ResponderExcluir
  8. "Me desculpe os românticos, mas não é um dia de flor e sim de luta": comentário de Maria Fernanda Sabóia: “Ainda continuamos trabalhando muito mais que os homens e sendo completamente desvalorizadas, sofrendo violência, e tantas questões que precisamos inverter". Ela é ativista de direitos humanos e defende greve e protestos de mulheres: "Além de chamar a atenção para a importância da mulher no mercado de trabalho, o movimento quer conscientizar a sociedade para todos os problemas enfrentados pelas mulheres".

    ResponderExcluir
  9. “As mulheres estão sobrecarregadas, seja do trabalho remunerado, como o não remunerado, porque nós somos donas de casa, mães, trabalhamos fora. Somos 52% da população brasileira, então a nossa situação ainda é à margem da sociedade, vítimas de tanta violência”: comentário também de Fernanda Sabóia.


    ResponderExcluir
  10. “Não temos lavanderias públicas, restaurantes públicos, sequer temos creches. O nosso trabalho dentro de casa não é reconhecido, não é remunerado, mas é trabalho”: comentário de Tatianny Araújo, que é servidora federal e representante do Fórum de Saúde Pública do Rio.

    ResponderExcluir
  11. "Uma atleta do futebol feminino do clube mais popular de São Paulo está fazendo uma campanha nas redes sociais pela data de hoje": comentário de Dario Mendes, professor universitário de Educação Física, que nos manda a informação que está repercutindo muito. "Neste #WomensDay, a zagueira Janaina, do Corinthians/Audax, comandará as redes sociais do #Timão. Fiquem ligados! #VaiCorinthians".

    ResponderExcluir
  12. "Aí da mulher que entra em roda de conversa ou discussão sobre o futebol, ela com certeza irá passar por um verdadeiro vestibular com tantas perguntas sobre tudo que se possa imaginar ou não sobre o time, temos que provar constantemente o nosso conhecimento, nos testam, nos subestimam, mas a gente sabe tudo de bola e tem mais amor pelo nosso time que muitos caras aí": comentário de Fabiana de Andrade, que se identifica como torcedora do Corinthians e está hoje escrevendo um artigo sobre a luta da mulher no esporte no site Meu Timão.

    ResponderExcluir

Translation

translation