segunda-feira, 24 de abril de 2017

ESPECIALISTA ADVERTE SOBRE AUMENTO E PERIGOS DO BULLYING E SUGERE SOCORRO E PREVENÇÃO PARA VITIMAS E TAMBÉM PARA AGRESSORES


A realidade do bullying segundo Ana Regina Caminha Braga que fala também da polêmica série da Netflix 13 reasons why: uma voz que precisa ser ouvida agora

 


O bullying tem 3 lados: vítima, agressor e quem testemunha


O site nacional de assuntos socioambientais EcoDebate, em matéria editada por Bruna Bozza, faz um alerta que precisa ser divulgado mais intensamente no Brasil: o bullying é uma ação cada dia mais comum no meio escolar, porém, às vezes é invisível, o que a grande maioria não se dá conta, é que isso pode ter consequências da maior gravidade em todas as instâncias da vida duma pessoa, em especial de crianças e de adolescentes. Diante desta perspectiva, a gente aqui no blog da ecologia, da cidadania e da não violência, abrimos nosso webespaço para discutir essa questão contemporânea para assim estimular mudanças e avanços na realidade, que anda causando sofrimento em pessoas sensíveis na atualidade da vida que, aliás, não anda provocando tantas emoções de alegria ou de prazer de viver que deveria provocar: "Esta sofrência é mais um dos pontos que nos levam a lutar contra a cultura da violência nas atuais sociedades de consumo, que não levam em conta como deveriam a causa que é a mais importante, o lado  humanitário", comenta por aqui o editor do nosso blog Folha Verde News, o ecologista Antônio de Pádua Silva Padinha: "O ser humano não nasceu para promover o sofrimento e sim para criar a paz, a justiça, a alegria", argumenta Padinha. Confira a seguir o alerta de Ana Regina Caminha Braga, especialista neste tema da hora, ela que é escritora, psicopedagoga, atua com gestão escolar e como educadora, é uma voz que precisa ser ouvida neste momento. E mais, é preciso mudar e avançar as escolas e também a própria estrutura da nossa vida.

É preciso mudar também a atual estrutura da vida


Aqui a opinião especializada que analisa a questão das vítimas e dos agressores (há ainda um terceiro ângulo, os que observam e/ou testemunham esta violência)




"Recentemente, a Netflix lançou uma série que trata sobre o tema: 13 reasons why. A grande discussão em torno da série é a pratica do bullying no meio escolar, os danos que ele pode causar e o papel de toda a sociedade e escola no combate e conscientização do ato. Hanna Beker é uma adolescente recém-chegada em uma pequena escola no interior, que sofre as mais variadas ações e agressões por parte dos novos colegas. Sem a ajuda e acompanhamento adequado, ela toma uma decisão extrema: o suicídio. Para alguns, pode até parecer exagero, mas o fato é que esses casos vem se tornando mais e mais comuns entre crianças e adolescentes. Na série em questão, a escola nega conhecimento dos casos de bullying e essa é uma consequência grave. Mas afinal, qual o papel da escola nesse caso? Como nós educadores podemos prevenir e conscientizar pais e alunos sobre tal ação? Nosso papel é entender esse conceito e lutar para o combate de sua progressão no meio escolar. Como mestre e pesquisadora da Educação, é possível compreender que a escola precisa trabalhar e se desenvolver para que a tomada de consciência aconteça de modo geral, desde a equipe pedagógica, o administrativo até os discentes. Devemos sim estar sempre atentos para detectar o processo e trabalhar em prol dos alunos vitimizados pelo bullying. Fechar os olhos para o que acontece em nosso dia a dia é um erro, devemos prestar atenção e ao menor sinal de bullying, tomar as devidas providências. Só essa mobilização pode diminuir tal sofrimento. Cabe ao núcleo escolar deixar esses alunos amparados e mais à vontade no meio. Da mesma maneira, a prevenção e tratamento devem ser multidisciplinar e incluir vários profissionais. É de extrema importância a intervenção na família e na escola, com planos que possam melhorar a vida daquela criança ou adolescente. Na grande maioria das vezes, como no caso de Hanna na série, sabemos que esses jovens não terão atendimento adequado, e, em alguns casos, nem o reconhecimento da situação. Diante disso, a principal forma de lutar para evitar o bullying, é investir em prevenção e estimular a discussão aberta com todos os agentes da cena escolar, incluindo pais e alunos. Orientar os pais para que possam ajudar, pois os mesmos devem estar sempre alertas para o problema, seja o filho vítima ou agressor, ambos precisam de ajuda e apoio psicológico. Em muitos casos é esquecida a prática de cuidar do agressor, este também pede socorro. O bullying é um problema sério, que pode levar a graves consequências e precisa ser extinto. Em meio a era digital e a tantas mudanças sociais e culturais, nós, como pais e educadores devemos estar ainda mais atentos para o que está acontecendo. E a reversão desses casos só será possível com o apoio da escola, pais e próprios alunos" (Ana Regina Caminha Braga)

O bullying é uma das faces da violência da realidade hoje


Para quem está chegando agora dados sobre a série da Netflix

Com produção-executiva da cantora e atriz Selena Gomez e dirigida pelo ganhador do Oscar Tom McCarthy (de Spotlight), 13 Reasons Why, a nova série original da Netflix, trata de todos temas como drogas, violência, suicídio e bullying misturados ao suspense e ao mistério, trazendo à tona uma narração conturbada e complicada em que a adolescência pode se transformar. Adaptação do romance e best-seller de mesmo nome de Jay Asher, a história acompanha o jovem Clay Jensen (Dylan Minnette), que recebe um pacote com várias fitas cassetes gravadas por Hannah Baker (Katherine Langford), uma menina por quem o jovem era apaixonado, mas cometeu suicídio há apenas duas semanas. Nas gravações, Hannah lista detalhadamente os treze motivos que a levaram a interromper sua vida. Clay, então, descobre que é uma das causas e precisa passar a mensagem para os demais envolvidos no caso. Enfim, ilustra bem o problema em foco.

 



Fontes: www.ecodebate.com.br
            www.folhaverdenews.com 

8 comentários:

  1. É comum que educadores e pais se mobilizem para acolher e escutar crianças e adolescentes que sofrem bullying. E não há nada de errado nisso. No entanto, o responsável pelas agressões também precisa de atenção. E ainda há um 3º pérsonagem neste drama, os que observam ou testemunham essa violência cada vez mais comum na realidade hoje.

    ResponderExcluir
  2. Nosso editor aqui no blog da ecologia e da não violência acredita que além de prevenção e socorro nas escolas e nas comunidades para todos os envolvidos em situações de bullying (vítimas, agressores e testemunhas)é cada vez mais urgente mudar e avançar a estrutura da realidade, submissa nas sociedades de consumo a uma cultura da violência.

    ResponderExcluir
  3. Logo mais por aqui nesta seção de comentários, mais informações e você desde já pode colocar aqui a sua opinião ou se preferir, mandar a sua mensagem para a redação do nosso blog que aí a gente posta aqui o seu comentário, mande para o e-mail do nosso blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Outra opção é você contatar nosso editor de conteúdo, pode enviar informações, fotos, vídeos, comentário ou sugestão de pauta, mandando o seu e-mail para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "A série Netflix 13 reasons why na verdade e na prática serve para levantar esse debate, muito bem enfocado no texto da especialista e na edição deste blog": comentário de Luís Alves Ribeiro, do Rio de Janeiro, que andou pesquisando sobre esta questão na UFRJ.

    ResponderExcluir
  6. "Importante debater este problema em todos os seus conteúdos e em todos os ângulos, se trata duma realidade complexa mesmo": comentário de Jorge de Abreu Silva, de São Paulo (SP), lojista, que relata ter enfrentado esta questão na sua família. Para colaborar com o debate do nosso blog, ele nos envia um texto que extraiu do site arcos.org que mostramos a seguir. Desde já agradecemos a atenção de Jorge Abreu. Confira a seguir.

    ResponderExcluir
  7. "Agressões sejam elas físicas ou psicológicas sempre aconteceram no ambiente escolar, mas apenas nos últimos anos, com a vasta divulgação da palavra bullying, é que se passou a dar certa importância ao assunto e, não apenas tratá-lo como uma forma de brincadeira. A finalidade do nosso trabalho é analisar as conseqüências desastrosas causadas nos alunos vítimas do bullying, bem como trazer informações necessárias à sociedade, mais especificamente aos pais, professores e alunos, numa tentativa de propor soluções para que aja o respeito mútuo entre os alunos e se combata essa prática tão maléfica a sociedade": comentário que está como um resumo no site arcos.org a nós enviado por Jorge de Abreu Silva.

    ResponderExcluir
  8. “O bullying é um problema sério. Na escola onde eu trabalhava, brigas começavam dentro da sala de aula, até mesmo na terceira série! Alguns praticam o bullying porque isso os faz se sentir populares e no controle. Quem sofre bullying geralmente hesita em contar porque fica com muito medo de que o intimidador se vingue ou de que os colegas o encarem como um traidor. Além disso, talvez ache que não vai adiantar nada contar. Ainda assim, incentivo quem estiver sofrendo bullying a contar para alguém. É a coisa certa a fazer e pode evitar que outros também passem por isso": comentário de Mary Jenilee, uma ex-professora nos Estados Unidos, hoje morando no Brasil, seu depoimento está também no material que nos enviou Jorge Abreu.

    ResponderExcluir

Translation

translation