domingo, 21 de maio de 2017

A NOROESTE DE MINAS GERAIS ACONTECE ATÉ JULHO UMA ROMARIA EM DEFESA DOS RECURSOS HÍDRICOS E DO DIREITO DA POPULAÇÃO ÀS ÁGUAS

Frei Gilvander Luís Moreira lidera a 20ª Romaria das Águas: luta e evento são o destaque também no site EcoDebate e aqui no blog da ecologia e da cidadania hoje um resumo das principais informações deste movimento do maior valor em busca dos direitos do povo do campo e do desenvolvimento sustentável no interior do Brasil

Tema: povos da cidade e do sertão clamando por água, terra e pão. Lema: povos, rios, veredas e nascentes são dons de Deus em romaria e resistência. Este anúncio original sintetiza o conteúdo da 20ª Romaria das águas e da terra que está acontecendo no noroeste mineiro na região de Paracatu, Minas Gerais, sob a liderança de um padre ecologista e líder de cidadania, Frei Gilvander Luís Moreira, da Ordem dos Carmelitas, bacharel em Filosofia e em Teologia pela UFPR e doutor em Educação pela FAE, da UFMG, líder da Comissão Pastoral de Terra (CPT)  no interior do país. Há quatro décadas, ele vem organizando romarias da terra e mais recentemente das águas também, ainda mais agora que a questão hídrica alcança uma importância estratégica para a sustentabilidade no Brasil e em todo o planeta. A gente aqui no blog Folha Verde News vai enfocar com mais detalhes a questão das águas nesta primeira matéria sobre as Romarias do Frei Gilvander. Confira um primeiro resumo desta luta socioambiental a seguir.


Frei Gilvander Luís Moreira, líder da Romaria das Águas em Minas


As fontes de água, que eram abundantes, estão sendo dizimadas pelo agronegócio e pelo hidronegócio, que Frei Gil chama de capitalistas do campo. Barragens construídas em nascentes de córregos, voltadas para a irrigação das terras dos grandes empresários, têm secado córregos de água que serviam aos moradores locais, o que provocou crise hídrica gravíssima naquela região. Sob a liderança do Comitê de Defesa da Bacia do Rio Urucuia (COMDHRU), "o povo camponês de Buritis fez vigília durante nove meses na nascente do Córrego Barriguda (a cerca de 50 km da cidade de Buritis, MG), para denunciar a injustiça agrária e hídrica vivida no noroeste de Minas, as dificuldades impostas aos moradores locais e alertando para a necessidade de se lutar para a superação da crise hídrica desde a sua raiz, o Rio Urucuia, um dos principais afluentes do Rio São Francisco", nos informa o texto de Frei Gil Moreira, que continua na sequência deste post. Antigamente, se esperava vir a chuva para plantar, mas agora os empresários do agronegócio plantam várias vezes por ano. E para isso captam água das lagoas, dos córregos, dos rios e do lençol freático via poços artesianos. Só que a captação está beneficiando apenas alguns proprietários e empresas, deixando milhares de famílias camponesas na dificuldade: "Assim, a miséria está se alastrando no campo e na cidade aqui no noroeste de Minas", escreve Frei Gil para explicar o que vem acontecendo por ali. O que acontece ali nesta região é que os grandes fazendeiros praticantes da agricultura empresarial têm avançado na consolidação de seus projetos de irrigação, de forma abusiva. Ocorre que se tornou rotina na região a construção de barragens nas cabeceiras dos principais córregos, em nascentes e lagoas, com o objetivo de captar água para a irrigação. Isso funciona com uma quantidade gigantesca de água sem que eles sejam autorizados ou licenciados pelos órgãos ambientais. E esses córregos são responsáveis pelo abastecimento dos rios Urucuia, Preto, Paracatu e outros afluentes do rio São Francisco. Autoridades do poder público e dos órgãos ambientais estão sendo cúmplices dessa devastação que cria problemas ecológicos e sociais de grande alcance com sofrimento para a maioria da população. Autoridades não fiscalizam e concedem licenças ambientais que na prática são usadas para se captar muito mais água do que o permitido legalmente. A 20ª Romaria das águas e da terra de Minas está denunciando isso: "O caminho justo e ecologicamente sustentável é a reforma agrária, a agricultura familiar agroecológica em comunhão com  a preservação ambiental, algo que precisa ser mudado através de lutas coletivas em nome da responsabilidade socioambiental de todos", conclui Frei Gilvander Luís Moreira, doutorado pela Universidade Federal de Minas Gerais, um líder da terra e das águas  no dia a dia da vida, consagrado pela sua luta a favor da ecologia e da criação do futuro sustentável no interior de Minas e do Brasil.  


A Romaria vai à luta pelas águas do noroeste de Minas Gerais

Córregos e nascentes secam nos afluentes do São Francisco por causa do hidronegócio

Manifestação em BH pelas direitos às águas do povo mineiro do campo 
  
             www.freigilvander.blogspot.com.br
             www.ecodebate.com.br
             www.folhaverdenews.com

9 comentários:

  1. Logo mais, ao longo deste fim de semana, por aqui nesta seção de comentários, mais informações sobre a Romaria das Águas, em sua 20ª edição na região noroeste de Minas Gerais.

    ResponderExcluir
  2. Você pode colocar aqui também o seu comentário ou, se preferir ou precisar, envie a sua mensagem pro e-mail da redação do nosso blog de ecologia e de cidadania navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Você também pode, caso ache melhor assim, enviar o seu e-mail diretamente pro nosso editor de conteúdo do blog, com informações ou críticas ou sugestões ou mensagens, para padinhafranca603@gmail.com


    ResponderExcluir
  4. "Muito interessante essa luta pelo direito às águas mostrada qui dentro das lutas da CPT e das romarias comandadas pelo padre Gilvander Moreira, no interiorzão de Minas": comentário de Lucas Ribeiro, que faz Jornalismo na UFMG, onde já ouviu uma palestra sobre a Romaria das Águas: "Esta luta merece ser divulgada e apoiada".

    ResponderExcluir
  5. "Pela primeira vez vejo a expressão hidronegócio mas acompanhando a matéria concluo que ela tem tudo a ver com a realidade deste e de outras regiões do país": comentário de Carlos Manuel Pinheiro, de São Bernardo do Campo(SP), engenheiro pela USP, que atuou na divisa de Minas com a Bahia.

    ResponderExcluir
  6. "Uma liderança importante para o interior do país este padre do interior de Minas de quem nunca tinha ouvido falar, nossa grande mídia precisa revelar quem é quem no Brasil, no sentido das causas mais positivas": comentário de Júlia Helen, economista pela Unicamp, atuando junto a empresas de São Paulo (SP).


    ResponderExcluir
  7. "Córregos e nascentes secando a dano dos rios afluentes do São Francisco, é urgente mesmo disciplinar o uso das águas pelas empresas, as águas são um patrimônio da nossa ecologia e um direito da população": comentário de Saulo Fernandes, advogado, que atua em Belo Horizonte e diz ter visto no Estado de Minas uma notícia sobre as Romarias do Padre Gilvander.

    ResponderExcluir
  8. "Como acontecem inovações e avanços nas lutas no interior do país do nosso povão, muito legal essas Romarias do Frei Gil em Minas": Maria Helena Perez do Castro, de BH, estudante da PUC, que participou duma manifestações a favor das Romarias em BH.

    ResponderExcluir
  9. "Importante d+ essa luta do Frei Gil e seu povo de Minas, mistura ecologia com direitos sociais e de cidadania, algo bem contemporâneo, para falar pouco": comentário de Domingos Alves, do Rio de Janeiro (RJ), ele é mineiro e atua na capital carioca como produtor cultural.

    ResponderExcluir

Translation

translation