quinta-feira, 4 de maio de 2017

WHATSAPP FICOU FORA DO AR POR ALGUMAS HORAS ONTEM E HOJE PODERÁ VOLTAR A REGISTRAR PROBLEMAS DE INSTABILIDADE E DE ACESSO

Usuários reclamam e se trata com certeza também de um problema de economia e dos direitos do consumidor: WhatsApp volta mas ficou 1h30 fora do ar e enfureceu internautas de países como Brasil, Estados Unidos, Argentina, Chile, Alemanha e México e a empresa não explicou os motivos desta falha técnica que afetou milhões de pessoas (só em nosso país há 100 milhões de usuários deste aplicativo)



As causas do apagão não foram bem esclarecidas ainda 

Após ter falhado por cerca de 1h30, o  WhatsApp (principal ferramenta de webcomunicação  na atualidade) voltou a operar por volta das 19h30 de ontem e alguns usuários festejaram nas redes sociais o restabelecimento do serviço de mensagens instantâneas, embora muitos ainda relatassem instabilidades, que em algumas regiões do planeta continuam hoje. A empresa, que pertence ao Facebook, não informou o motivo do problema que atingiu diversos países do mundo, como também o Brasil. Não houve explicações nem se o sistema já está definitivamente recuperado e o problema superado. "O Procom com certeza precisa investigar o que aconteceu e os responsáveis pelo serviço que é muito útil hoje em dia têm que dar uma posição, pública e transparente, por uma questão também de cidadania", comentou por aqui no blog da gente o nosso editor de conteúdo do Folha Verde News, o ecologista Antônio de Pádua Silva Padinha. Por sua vez, Sabrina Craide, repórter da Agência Brasil, assim como no noticiário do site da revista Veja muitos questionavam esta situação e por que a empresa não explicou publicamente os motivos deste fato. O aplicativo de troca de mensagens Whatsapp ficou instável no Brasil no fim da tarde de ontem e a empresa não informou o motivo do apagão, mas disse que está "ciente do problema e trabalhando para a sua correção o mais rápido possível". A assessoria de imprensa do sistema WhatsApp informou também apenas que houve realmente registros de problemas em alguns países mas não detalhou nada mais. Nas redes sociais, usuários postaram vários relatos de estarem com dificuldades de acesso ao aplicativo, que tem mais de 100 milhões de pessoas utilizando e isso só aqui no Brasil. Houve casos de prejuízos na área financeira e de negócios, bem como de aborrecimentos em relações pessoais e até atrasos em trabalhos de telecomunicações que também usam este sistema rápido e econômico de comunicação.  

 

Instabilidade no sistema cortou o barato de muita gente

Em redações e em universidades o sistema também usa este aplicativo


O novo apagão do WhatsApp mostra que nem tudo é perfeito ainda na web

 

 NASA já relacionou apagões de comunicação com fenômenos espaciais...

...como tempestades solares que andam se repetindo ultimamente

 

O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil) chegou a manifestar que a instabilidade não ocorreu por problema com as prestadoras. No início da noite, o aplicativo voltou a funcionar mas somente para alguns usuários no Brasil. O WhatsApp já foi bloqueado algumas vezes por aqui e em outros países por determinação judicial. O bloqueio mais recente foi em julho do ano passado, quando o aplicativo ficou fora do ar por determinação da Justiça, no Rio de Janeiro, mas voltou a funcionar no mesmo dia, depois de uma decisão do Supremo Tribunal Federal. O WhatsApp se trata hoje dum serviço essencial de mensagens e de comunicação, no Brasil, fundamental devido à crise de consumo. Os usuários ontem e ainda hoje em algumas regiões não conseguiam se conectar à rede, seja via pacote de dados ou por uma conexão Wi-Fi. Assim, foi impossível o envio ou recebimento de qualquer mensagem também na relação entre empresas e em alguns setores profissionais, como por exemplo, na mídia. Em contato com jornalistas que procuravam solução, a empresa reafirmou tão somente que estava por dentro do problema e trabalhando para normalizar o aplicativo de mensagens o o mais rapidamente. O tópico ‘O WhatsApp’ se transformou em um dos assuntos mais comentados nas redes sociais nas últimas horas e aqui no blog da cidadania resolvemos debater este tipo de situação encarada por consumidores de telefonia e de Internet. No início da noite de ontem, alguns já comemoravam a volta do serviço. mas logo depois e hoje também, houve mais reclamações de queda do serviço ou de caos de instabilidade na rede.  O consumidor que usa com tanta fidelidade o sistema, merece explicação clara e mais transparente sobre as causas do apagão e uma alternativa de solução definitiva. Confira mais informações e curta mensagens hoje na seção de comentários do nosso blog de cidadania.  




Tem havido muitos avanços mas desta vez foi bem o contrário


Fontes: Agência Brasil - Veja
             www.folhaverdenews.com

9 comentários:

  1. Com certeza ninguém imagina que o apagão do serviço WhatsApp tenha sido interferência de alguma nave de ETs.

    ResponderExcluir
  2. Mas a Nasa tem registrado vários eventos atribuídos ao "clima espacial" que acabam invadindo o sistema de comunicações e o meio ambiente terrestre. Veja a seguir um relato de especialista Brian Byron feito à NBC.

    ResponderExcluir
  3. "Transtornos têm acontecido ao longo da história da Terra, em vários épocas. O efeito mais poderoso aconteceu há mais de 150 anos, em setembro de 1859, e foi batizado de Carrington Event (Evento Carrington, em inglês), em homenagem ao astrônomo Richard Carrington. Na época, estações telegráficas pegaram fogo e as redes sofreram grandes interrupções. Um estudo de 2008 da Academia Nacional de Ciências dos States afirma que, se um evento parecido ocorrer hoje, o impacto econômico seria de dois trilhões de dólares, 20 vezes mais do que o prejuízo causado pelo Furacão Katrina. Outro evento importante foi o colapso da rede elétrica da província canadense de Quebec, em março de 1989. Consequência de uma tempestade solar, o defeito num transformador provocou um apagão que durou mais de nove horas e prejudicou mais de seis milhões de pessoas. A tempestade quase causou uma guerra entre EUA e URSS... O fenômeno também causou um dos momentos mais tensos da Guerra Fria, segundo registro do Smithsonian Institute, dos EUA, considerado o maior museu e complexo de pesquisas do mundo. O governo dos EUA temeu a interrupção do abastecimento de energia elétrica e o consequente colapso de serviços básicos como transporte e saúde. Em maio de 1967, as comunicações militares dos USA foram interrompidas, num episódio que chegou a ser interpretado como um "ato malicioso" que exigia resposta militar à altura. Por sorte, a Força Aérea americana já tinha um programa que monitorava o "clima espacial" e avisou a tempo que a interrupção tinha sido causada, na verdade, por uma Tempestade Solar": comentário feito na NBC também.

    ResponderExcluir
  4. Logo mais, por aqui, mais mensagens, comentários e opiniões também, coloque aqui nesta seção a sua visão disso ou envie um e-mail com esse conteúdo para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Você pode também contatar nosso editor do blog através do e-mail padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. "Um apagão como este nesse aplicativo perfeito de mensagens online mostra que até na Internet ainda há situações bem Brasil": comentário de Geraldo Alves, engenheiro eletrônico em São Paulo e usuário dos serviços de WhatsApp.

    ResponderExcluir
  7. "Exatamente no dia que marca a Liberdade de Imprensa o WhatssApp saiu do ar": comentário de Luís Antônio Ribeiro, repórter da Rádio Difusora AM, GCN, em Franca (SP) em post sobre este tema no Facebook.

    ResponderExcluir
  8. "Curiosa esta versão de ETs tirando o estabilidade do WhatssApp, só faltava, mas isso que se dá quando as empresas não explicam uma falha no sistema que envolve milhões de usuários": comentário de Luíza Alves Mendes, de Campinas (SP), que faz pesquisa sobre webcomunicação na Unicamp.

    ResponderExcluir
  9. "Curti o enfoque desta matéria e eu também acho que o apagão do WhatssApp é uma questão principalmente de direitos do usuário de Internet": comentário de Mariana Batarra, de Santos (SP), formada pela ECA da USP e atuando como comerciante de moda.

    ResponderExcluir

Translation

translation