sexta-feira, 2 de junho de 2017

VEXAME AMBIENTAL DE TRUMP AGORA TORNA MAIS IMPORTANTE O PROJETO DE LEONARDO DICAPRIO PARA FILME EM DEFESA DA ECOLOGIA

Leonardo DiCaprio deverá produzir o live action  com aventuras do Capitão Planeta cada vez mais atual: ligado nas lutas ambientais o ator e diretor que realizar longa-metragem coo o herói pioneiro desta causa nos anos 90
 
 
 
A desastrada atuação de Donald Trump em sua performance contra o acordo mundial do clima (um retrocesso dos Estados Unidos a dano de todos os países), agora, a investida de Leonardo DiCaprio na cultura da ecologia, projeto que vem sendo preparado desde o final do ano passado, agora pode virar blockbuster: o ator, produtor, diretor e ecologista, que é  um ferrenho combatente do aquecimento global, quer entrar no filão dos super heróis com um live-action (filme com gente de verdade e não só com desenhos, imagens digitais e efeitos especiais) tendo como protagonista o Capitão Planeta, herói que brilhou com um desenho animado por volta de 1990 e que inexplicavelmente, foi tirado do ar. É claro, a explicação pode estar no fato que ele  defendia o meio ambiente, algo que contraria muitos megainteresses, haja visto o que rolou agora na política internacional com o recuo visto como uma vexame histórico do Presidente nos States saindo ao grupo de 195 países que assinaram em dezembro de 2016 em Paris o Acordo Climático. Desta forma, os Estados Unidos se alia à Síria e à Nicarágua, até então os dois únicos países do mundo que estavam fora desta proposta mundial liderada pela ONU. A Nicarágua não assinou por queria um acordo mais radical e a Síria, porque seus representantes (devido ao estado de guerra) não conseguiram ir até à França para participar do movimento. Pior entre os três é a posição norteamericana, graças a mais uma trapalhada de Donaldo Trump, criticada com razão por Barack Obama, por pessoas de todos os setores e de todas as tendências nos USA, em jornais, rádios, TVs e redes sociais. "Está na hora de Capitão Planeta entrar em ação", comentou ironicamente DiCaprio. O personagem e esta luta são mesmo da hora.                    

         

DiCaprio deve entrar em breve em ação cultural pelo clima e pela vida do planeta
 

De acordo com o site da revista americana The Hollywood Reporter, Leonardo Di Caprio já negociou a compra dos direitos para adaptar o desenho e convidou o ator Glen Powell para escrever o roteiro ao seu lado. Powell teve poucos trabalhos como roteirista, ele ganhou mais destaque atuando no filme Jovens, Loucos e Mais Rebeldes, de Richard Linklater (Boyhood), porém, os dois são amigos e têm experiência de escrever, ambos se identificam com a causa socioambiental. O Capitão Planeta, quando era um desenho animado de sucesso em televisões de vários países na década de 90, contava com cinco personagens principais, um de cada continente, além de toda uma diversidade, que hoje é outro fator de importância na realidade e na ficção. Os superheróis possuíam anéis mágicos ed o poder de controlar elementos naturais e alguns recursos da natureza magicamente, como se fossem índios contemporâneos. Eles se uniam e convocavam o Capitão Planeta para então ajudar no combate a ameaças ambientais. O filme segundo o argumento de Leonardo DiCaprio deverá enfocar o herói em crise, meio em fim de linha, desanimado, precisando do estímulo dos cinco jovens de canto da Terra, eles agora terão que batalhar mais lado a lado do o super-herói. O momento crítico vivido pelo Capitão Planeta sinaliza o que acontece afinal na realidade planetária hoje, na era de Trump.
 
É tempo de mudar a civilização e equilibrar o clima da Terra


Leonardo DiCaprio fez um vibrante apelo, ainda em Paris e durante a convenção das Nações Unidas contra o aquecimento global, afirmando, “O tempo urge": "A Terra precisa da nossa ajuda”, disse o ator aplaudido com entusiasmo por centenas de pessoas reunidas no Teatro do Chatelet para a exibição do documentário Antes do Dilúvio. Entre o público estavam a ministra francesa do Meio Ambiente, a prefeita de Paris, alguns dirigentes de países e ecologistas de vários lugares: "É para isso que estamos aqui nesta noite, é algo que nos move a todos que amamos a ecologia e a vida". Naquela noite, no documentário, filmado por Fisher Stevens, DiCaprio foi um dos entrevistados e na sua participação ele convidava a todos, políticos ou não, a entrar nesta luta e vencer o desafio climático e ambiental para a nossa geração de humanos criarmos o futuro, em resumo, este foi o seu discurso. Ele argumentou como bom ambientalista que um controle maior das emissões de gases de efeito estufa (CO2), "não só melhorará o ambiente de todos nós em todo país, mas também poderá nos levar a todos no planeta a um Século 21 mais feliz". Na ocasião desta exibição de Antes do Dilúvio, 200 países já tinham de antemão assumido a assinar o Acordo do Clima. Depois, 195, agora, também com o recuo dos Estados Unidos, 192. A grande mídia discute a "desistência" de Donald Trump como um golpe de comunicação para chamar a atenção sobre si mesmo, "depois, para mostrar grandeza é capaz que ele volte atrás e assuma o compromisso climático internacional", comentou um dos editoriais sobre este assunto de primeira página em todo o mundo hoje, no Le Monde. Mas, o recuo poderá também ser algo bem pior do que um golpe midiático, alerta o movimento científico e ecológico em vários países, caso não seja limitado o aquecimento global (que é uma realidade, apesar de alguns pesquisadores negarem este fato) para algo em torno de 2 graus, comparando-se o contexto de agora com o da era pré-industrial, problemas no clima e desastres ambientais tendem a se agravar muito e prejudicar ainda mais a qualidade de vida da população em todas as sociedades de consumo, prejudicando mais ainda, os mais pobres e os que têm uma estrutura mais precária no dia a dia. Donald Trump, seduzido pelo lobby do petróleo, não está nem aí para estes desafios ambientais e humanitários pelo que parece. Mas tanto as energias limpas, como a Solar e a Eólica, vistas como solução para reequilibrar a ecologia na economia atual, como também Capitão Planeta, na área da ficção juvenil, estão convocados mais do que nunca, para ontem, a entrar já em ação.
 
 
O golpe midiático ou a megalomania de Trump pode custar caro a todos da Terra

Os desequilíbrios do clima ameaçam a própria vida aqui e em todo lugar
 

Fontes: France Press
             www.veja.abril.com.br
             www.folhaverdenews.com
 

9 comentários:

  1. Aguarde que já temos alguns comentários e mensagens para postar aqui nesta seção, venha conferir e participar desta edição.

    ResponderExcluir
  2. Você pode colocar aqui direto a sua mensagem ou se preferir, enviar por e-mail para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania a sua opinião ou a sua informação: navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Outra opção para de alguma maneira participar é você contatar o editor de conteúdo do nosso blog, através do e-mail padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Curti este enfoque Trump versus DiCaprio e o videoclip do Chico César é também um contraponto para esta tristeza de muitos não sintonizarem o amor pela vida": comentário de Ana Luiz Castro, de Salvador, estudante da Universidade Federal da Bahia.

    ResponderExcluir
  5. "Donald Trump não gostou desta notícia. O ator Leonardo DiCaprio e o estúdio Paramount vão se unir para fazer um filme baseado no desenho animado “Capitão Planeta”, o super-herói ecológico": comentário da revista The Hollywood Reporter.

    ResponderExcluir
  6. "Eu me lembro bem,o desenho dos anos 90 narrava as aventuras de cinco jovens com anéis mágicos, que tinham a capacidade de convocar o super-herói Capitão Planeta para derrotar vilões e combater agressões ao meio ambiente. Acho que a série foi exibida no Brasil entre 1991 e 1996. E a sua força era a mensagem ambiental, superatual hoje, vai daí que o filme poderá fazer sucesso além de cutucar Trump e todos os que agridem a ecologia": comentário de Arnaldo pereira Santos, do Rio de Janeiro, designer.

    ResponderExcluir
  7. "A produtora Appian Way, de Leonardo DiCaprio, deve produzir a adaptação de Caítãp Planeta em parceria com o o ator Glen Powell (série “Scream Queens”). Powell, na sua estréia como co-roteirista, vai escrever a história em parceria com Jono Matt (que escreveu o inédito “Above the Line”), dois jovens talentos que contam com o know how e o feeling de DiCaprio, além do mais um ecologista": comentário de Isabel Silva, que estuda Jornalismo na Unesp em Bauru (SP).

    ResponderExcluir
  8. "Foi justamente a abordagem da aventura, que pretende situar a trama anos depois dos desenhos da série televisiva, para apresentar o Capitão Planeta como um herói decadente e desacreditado, que precisa mais dos seis amigos do que eles precisam dele, humanizando e atualizando o personagem": comentário do site da Paramount que se aliou a DiCaprio para produzir este filme que tem uma mensagem ecológica atual, em especial, para a garotada.

    ResponderExcluir
  9. "Com o filme, Leonardo DiCaprio acrescentará um novo capítulo no seu já conhecido trabalho em defesa do meio ambiente. Ele que venceu o Oscar de Melhor Ator por “O Regresso”, realizou recentemente o documentário “Before the Flood”, sobre o impacto das mudanças climáticas e a necessidade urgente de combatê-las": notícia sobre Capitão Planeta que nos enviou Mara Lins, de São Paulo e que nos motivou aqui no blog a fazer este post, relacionando o filme com Trump: "A ecologia versus a destruição da vida", escreveu Mara Lins, que trabalha como redatora em agência.

    ResponderExcluir

Translation

translation