terça-feira, 18 de julho de 2017

AVENTUREIRO E AMBIENTALISTA O BIÓLOGO E YOUTUBER RICHARD RASMUSSEN AJUDA A CRIAR O FUTURO DA ECOLOGIA DA VIDA

O ecoturismo é a melhor ferramenta para defender as culturas originais e a ecologia do meio ambiente também por aqui no Brasil, argumenta Richard Rasmussen   

   
Declarações e imagens de Richard Rasmussen hoje aqui no Folha Verde News

Léo Gerchmann, através do jornal e site Zero Hora, nos informou que o ambientalista, biólogo e economista Richard Rasmussen, famoso pelas aventuras, expedições e documentários, além de programas de TV e postagens no Facebook e Yoputube passa por um momento de transição em razão das novas mídias e aposta no ecoturismo para ser uma ferramenta para a manutenção das raízes culturais e da ecologia da natureza. Rasmussen, 47 anos, esteve sábado em Porto Alegre (RGS) para um bate-papo sobre sua vida e sua trajetória na Fox Mitsubishi conforme matéria do Zero Hora, nossa fonte. Ele não se furtou nem mesmo de falar sobre o episódio em que foi acusado de ter pago a pescadores do Amazonas para abater uma fêmea grávida de Boto Rosa durante gravação, para forjar uma denúncia de abate daqueles animais (o programa foi ao ar no programa Fantástico da Globo ainda em julho de 2014 e até hoje polemiza). O biólogo nega que tenha feito qualquer pagamento e diz que sua proposta foi de mostrar a realidade de lá, alertando a população sobre a matança dos Botos e as agressões à vida natural da Amazônia. A seguir, um resumo de algumas das suas principais declarações feitas agora.


"Voltei da Costa Rica e agora estamos terminando a atual temporada de Missão América, da Net Geo, que estreia em outubro. Antes disso, em julho, estreia o Melhor da África. Temos esses dois programas, ambos nesta TV a cabo. Saí da TV aberta, porque a TV por assinatura tomou conta do mercado da comunicação e tem mais o DNA do que a gente faz. Agora, invisto também na parte digital, no Youtube, com vídeos de aventura e de amor pela natureza. Penso sim com amor na natureza, como biólogo e ser humano".


"Até o ano passado, não tinha nada nas mídias digitais. Sempre fui muito reticente às redes sociais e ao Youtube, porque o meu conteúdo é muito caro na sua produção e eu não entendia essa coisa de distribuí-lo de forma gratuita. Hoje, entendo de forma diferente. Nosso canal cresceu muito em um ano de investimento, hoje temos um núcleo importante lá dentro. A questão é que mudaram os moldes. O jovem de hoje não tem paciência, mudou muito. Estou há 14 anos na televisão, mas tem gente que não me conhece pela televisão e sim pelo canal, esse fato foi surpreendente para mim".


"Na televisão, você passa um ano gravando para a National Geografic, por exemplo. Quando vai ao ar, já é um material tecnicamente velho. No Youtube, não. Por exemplo, se estou trazendo hoje o material da Costa Rica, vou pô-lo no ar na semana que vem. Então, a resposta é muito mais rápida. Estamos aprendendo como trabalhar com as novas mídias".


"Como ambientalista, ando preocupado: Ah, estamos consumindo o nosso planeta aos poucos. Nosso país ainda engatinha nas práticas de conservação da natureza. Temos uma visão muito paternalista e estamos vendo a fauna se esvair. Temos poucos planos reais e efetivos sendo feitos. Não adianta você criar um parque nacional e deixá-lo lá largado. Parque é para as pessoas frequentarem. A gente tem o péssimo hábito de distanciar as pessoas da natureza. As pessoas são os fiscais da natureza. Têm de estar dentro dos parques, são eles que vão cuidar. É o que acontece na Costa Rica, onde o turismo está superevoluído. As pessoas que frequentam o parque têm consciência de como se deve frequentá-lo e são fiscalizadoras, acabam protegendo a ecologia".



"O ecoturismo é uma ferramenta linda. Primeiro, porque ela mantém as bases culturais. Você viaja para ver algo diferente, né? Você não viaja para ver algo ou alguém igual a vocês. Isso faz com que as raízes sejam mantidas e com que as pessoas que moram nesses locais tenham alternativas de trabalho e renda voltadas para a conservação. Até os  caçadores podem então virar guias, já que conhecem os animais, as plantas, tudo. Então, o turismo é ferramenta fundamental atualmente".



A polêmica do Boto Rosa
"Na questão do boto, eu dei a cara a bater. Tiver a oportunidade de fazer algo diferente (o documentário), que mudou a lei do país. Infelizmente, nem todo mundo gosta de mim. Ainda bem que a maioria gosta. Lá fora (no exterior), me chamam de herói. Aqui, fizeram uma reportagem, e eu entrei com uma ação, que agora estão respondendo, em especial quem não ouviu o outro lado. O filme está sendo aclamado lá fora e provavelmente seja o filme deste ano, e eu colaborei como filme. Ele põe o fator humano na balança do problema ambiental. Mas algumas pessoas são prejudicadas, sempre. O fato é que não sou um conservacionista de papelão, que sai na chuva e se desmancha. Não sou daquele que vai lá, diz "olha o bichinho, que bonitinho" e vai embora. Tenho várias ações, e essa se tornou algo muito grande porque mudou a legislação do país".




"Quero fazer pessoas olharem para si próprias e para o meio ambiente e entender que são todas uma coisa só e se sentirem responsáveis, isso é importante. É coração em primeiro lugar, depois é preciso pagar por um processo racional, e alguém precisa pagar a conta. Conservação custa, mas deve ser vista com outros olhos. Queremos que as pessoas observem isso. Na questão digital, que fui contra até o ano passado, hoje a gente tem 20 milhões de visualizações nas nossas redes sociais por mês. Isso é gigante. Então, estamos influenciando, todo mês, 20 milhões de pessoas. O trabalho que a gente faz é para que as pessoas sejam felizes, sejam bacanas, observem a natureza, curtam o seu planeta, curtam o dia a dia".

A gente considera que lutar pela natureza é praticar também a não violência

Confira também o vídeo postado aqui em nossa webpagina, bem como, as mensagens e outras informações aqui na seção de comentários do nosso blog que vai à luta pela não violência e pela criação do futuro sustentável, equilibrando ecologia com economia, informação com emoção em busca da alegria de viver, com todo amor à vida (Padinha)


Fontes: www.zh.clicrbs.com.br
             www.folhaverdenews.com

8 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Por favor ou por amor aos nossos internautas, não envie mensagens com palavrões e sem noção, que vamos excluir. Logo mais, estará postado aqui vídeo do Youtube sobre uma das aventuras de Richard Rasmussen, bem como, nesta seção, mensagens, opiniões, mais informações sobre este cara e o valor do seu trabalho: aguarde nossa próxima edição agora mesmo, confira e participe desta nossa pauta, o desafio de ir à luta pelo futuro da vida continua em nosso blog.

    ResponderExcluir
  3. Você pode colocar aqui direto o seu comentário, se achar necessário ou preferir, envie um e-mail para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Você também pode fazer uma resenha ecológica ou bater um papo ou trocar informações com o editor do nosso blog padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "O que eu acho superinteressante é esse cara optar pelas novas mídias, de toda forma, com todas polêmicas, Richard Rasmussen é positivo pro nosso movimento de mudar a atual realidade do país, do planeta, do ser humano e criar um outro modo de vida": comentário de Jarbas Deocleciano, formado pela Unesp e pesquisador.

    ResponderExcluir
  6. "Curti o vídeo e esta matéria com boas fotos e as informações que mostram bem quem é Richard, creio que ele realmente é positivo para nossa luta pela ecologia": comentário de Isabel Castro Abud, de São Paulo (SP), estudantes da USP.

    ResponderExcluir
  7. "Vi que vcs tiveram que excluir um comentário, com certeza foram xingamentos, tem gente que não aceita nem compreende o trabalho de Richard": comentário de Wilson Pereira dos Santos, de Brasília (DF) que atua como advogado empresarial.

    ResponderExcluir
  8. "Na minha opinião o mérito deste biólogo e comunicador Richard é mostrar que é possível uma relação entre o homem e os animais, que são vítimas constantes dos chamados seres humanos": comentário de Sérgio Humberto, de São Paulo, zootecnista que atua na região de Sorocaba (SP).

    ResponderExcluir

Translation

translation