sábado, 29 de julho de 2017

INDÚSTRIA DIGITAL É UM DOS POUCOS SETORES QUE AVANÇAM NO BRASIL (UMA TECNOLOGIA QUE JÁ É CONTEMPORÂNEA DO NOSSO FUTURO)


Brasil tem mais de 200 milhões de celulares com acesso à Internet e cresce a geração web cada vez mais: importante que aumente a liberdade de informação também nesta e em todas as mídias para o avanço ser cultural e não só tecnológico

 





Já somos hoje contemporâneos do tecnofuturo






Talvez a melhor notícia nesse fim de semana seja a que nos passou equipe da Agência Brasil, no caso, repórter Luciano Nascimento e editor Fernando Fraga, nos informando a todos que hoje o número de acessos móveis à Internet no país ultrapassou a marca de 200 milhões, de acordo com um balanço feito agora pela Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil). A associação está divulgando que, no mês de junho, o número de acessos nas tecnologias 3G e 4G chegou a 202 milhões. Segundo ainda informação da Telebrasil, que representa todas as operadoras do setor, ao todo 5.030 municípios brasileiros já contam com infraestrutura móvel na web, cobrindo localidades onde moram 98,4% da população brasileira. Tecnologicamente, já se está preparando o futuro das comunicações mas no país é necessário também que se amplie a liberdade de informação nesta e em todas as mídias digitais, para que haja um avanço cultural que leve a população a participar ativamente da criação do nosso futuro, argumentou por aqui no blog do meio ambiente e da cidadania o nosso editor de conteúdo, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Silva Padinha, mesmo porque tem havido também um recorde de casos de violência contra jornalistas e até algumas formas de censura, como já noticiamos em matérias anteriores aqui nesta webpagina do movimento ecológico, científico e de não violência: meses atrás, a Anistia Internacional e a ONU alertaram o Brasil sobre estes fato.

 
Importante já haver 202 milhões de acessos às tecnologias 4G e 3G


Um detalhe vital a liberdade de informação pro avanço cultural não só técnico

 
Os acessos em 4G apresentaram o maior crescimento, já subiram 103% nos últimos 12 meses. A Telebrasil está informando também que o sinal 4G já chega a 2.654 municípios, tendo atingido pelo menos 80,6 milhões de acessos em junho. No que diz respeito à cobertura 3G, houve a ativação das redes em 226 novos municípios nos últimos 12 meses, alcançando um total de 5.030 municípios. Esse número de cidades ultrapassa em muito a meta que deveria ser cumprida somente por volta de dezembro de 2017, que é de 4.417 municípios. E segundo dados ainda desta associação de telecomunicações brasileira, os números de junho de 2017 recentemente mostraram um total de 229,6 milhões de acessos, se consideradas as redes de Internet fixa e móvel. Deste total, 27,5 milhões são de acessos fixos, segmento que cresceu 5% desde o ano passado, com 1,3 milhão de novos usuários e internautas. 


Pelo menos 1,3 milhão de novos usuários e internautas
 
A celularmania é o comportamento desta década


Depois confira na nossa seção de comentários deste blog outras informações, inclusive, sobre a tal Geração Z, adolescentes e crianças que se utilizam desta forma de comunicação e que representam quase 30% da população brasileira hoje. 


Geração Z tem desafios a serem superados nessa realidade

Fontes: Agência Brasil 
             www.folhaverdenews.com 

8 comentários:

  1. Depois você poderá conferir aqui nesta seção comentários e outros detalhes da informação de hoje, aguarde nossa próxima edição e venha aqui conferir.

    ResponderExcluir
  2. Você também pode participar desta edição com a sua informação, opinião ou comentário, coloque aqui ou mande a sua mensagem para o e-mail da redação do nosso blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Você também tem a alternativa de contatar o nosso editor de conteúdo, inclusive também, para enviar material como textos, vídeos, fotos, críticas, sugestões, mande sua mensagem (importante a luta de cidadania) para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "A notícia em si mesma ficou mais importante com o enfoque de vocês, relacionando com a Geração Z e também com a necessidade da liberdade de informação, sem o que de nada vale a tecnologia": comentário de Nilton Mendes, pesquisador sobre a web que vai apresentar estudo na UFMG, ele que é de Juiz de Fora, Minas.

    ResponderExcluir
  5. "Eles não conheceram o mundo sem Internet, não diferenciam a vida online da off-line e querem tudo para agora. São críticos, dinâmicos, exigentes, sabem o que querem, autoditadas, não gostam das hierarquias nem de horários pouco flexíveis. São os jovens da Geração Z, que nasceram depois de 1995, e que agora começam a entrar no mercado de trabalho bastante confiantes. A chegada dessa nova geração ao mercado já causa certos impactos por conta das características peculiares desses jovens e vai exigir que empresas se adaptem e apliquem novas práticas para atrair e reter esses profissionais": comentário extraído de um estudo feito agora pelo jornal da Espanha El Pais, sobre os adolescentes da Geração Z.

    ResponderExcluir
  6. "Nos anos 60 e 70, a Geração X de jovens rebeldes como hippies, beatniks, roqueiros, subversivos. Depois, teve o fenômeno da Geração Y, os jovens mais certinhos, enquadrados no mercado, com um tipo de comportamento mais normal. Agora, sintetizando os dois opostos, com o crescimento da cultura digital, a Geração Z": comentário de Rubens mattos, de BH, Minas, que nos enviou o estudo do El Pais, ele que é redator de jornais e de agências de publicidade e de notícias.

    ResponderExcluir
  7. "Hoje os jovens não se submetem à condições de trabalho que não os satisfaçam. Mas podem ser tidos como arrogantes, eles apenas sabem o que querem. Diferentemente da Geração X (nascidos entre o fim de 1960 e 1980), que aceita as normas de trabalho, e da Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995), que finge que aceita, eles são questionadores e possuem bons argumentos. A verdade é que eles são bastante maduros, assertivos e vão ser os chefes da geração Y em poucos anos": comentário também do estudo feito por El Pais.

    ResponderExcluir
  8. "A estudante Mariana Orteblad, de 17 anos, é uma típica geração digital. Usa o celular o dia inteiro e, quando qualquer dúvida surge, não pensa duas vezes, consulta logo o Google. Smartphone, tablet e redes sociais fazem parte da vida dela para se relacionar com os amigos, assistir a filmes e estudar. Segundo a jovem, apenas dessa maneira consegue acompanhar a velocidade e a abundância de informações. Nas aulas do cursinho, a estudante ainda escreve algumas anotações a lápis, mas confessa que é muito mais rápida digitando na tela do smartphone": comentário da matéria dp El Pais, que mostrou alguns personagens típicos da Geração Z, que cá entre nós têm tudo a ver com os jovens e adolescentes brasileiros.

    ResponderExcluir

Translation

translation