terça-feira, 11 de julho de 2017

EX-ESTUDANTES DA USP VENCEM SELEÇÃO BRASILEIRA E VÃO À ALEMANHA PARTICIPAR DE IMPORTANTE FESTIVAL MUNDIAL DE INOVAÇÃO CIENTÍFICA

                                                             

O retinógrafo dos jovens pesquisadores democratiza a tecnologia oftalmológica
 
  
  
Este é o SRC (Smart Retinal Camera) desenvolvido peles jovens pesquisadores
          
       
 
Marli Moreira, repórter e Lilian Beraldo, editora, ambas da Agência Brasil, nos informaram todos ois detalhes da coqnuista destes três jovens pesquisadores brasileiros que acabam de desenvolver  um equipamento que pode reduzir em até dez vezes o custo dos exames de retina e ampliar o acesso de pessoas com menos recursos a exames oftalmológicos ou também, uma chance de avaliações preventivas de problemas oculares aos que vivem em regiões mais remotas. O invento é o  SRC (Smart Retinal Camera), um retinógrafo portátil, eles ganharam o 1º lugar na seleção brasileira para nos dias 8 e 9 de  novembro deste ano participar em Berlim, na Alemanha, da final do The Falling Walls Lab, evento internacional que reúne as 100 melhores ideias de inovação científica em benefício da humanidade. Os três jovens, Diego Lencione, Flávio Vieira e José Augusto Stuchi estão também (mais uma vez) demonstrando a força e o potencial da pesquisa e dos jovens pesquisadores do Brasil, que precisam e deveriam estar sendo muito mais apoiados para que nosso país encontre soluções sustentáveis para os problemas (que não são poucos) em vários setores da vida da nossa população na atualidade.
 
Ex-alunos da USP desenvolvem equipamento que reduz custo com exame oftalmológico
Diego Lencione, Flávio Vieira e José Augusto Stuchi pesquisadores da USP
 
O produto, no entanto, ainda precisa passar por testes clínicos e a expectativa dos pesquisadores é que todas as etapas para a comercialização no mercado ocorra até o primeiro semestre de 2018. Integrante da equipe, o físico Diego Lencione explicou que o aparelho consiste em um conjunto ótico e eletrônico que, acoplado a um smartphone de boa qualidade, permite obter imagens de alta resolução do fundo do olho. Ele garante que a qualidade é tão boa quanto a captura tradicional, feita por meio de equipamentos mais complexos e que estão disponíveis apenas em clínicas especializadas de oftalmologia.  A vantagem, segundo o pesquisador, é que o procedimento com a miniatura do retinógrafo não precisa ser feito por um profissional especializado e tem um custo ”dez vezes menor do que o convencional”.
 
O SRC é excelente para detectar e corrigir depois problemas da retina dos olhos com menos custos e mais rapidamente

Na avaliação de um dos jovens, o físico Diego Lencione, o SRC facilita, principalmente, a vida de moradores de comunidades carentes que vivem distante dos grandes centros urbanos e como em geral a Saúde Pública não contam com recursos e profissionais especializados: "O resultado das imagens obtido pelo SRC pode ser enviado para a avaliação de um atendimento de excelência em oftalmologia e com isso se obtém um laudo remoto de alto nível técnico".

Os equipamentos mais avançados não estão disponíveis para toda a população

Segundo os inventores do SRC, o diagnóstico precoce pode ajudar a prevenir doenças mais sérias.  “Fazer a triagem de pessoas com problemas de retina e encaminhá-las o quanto antes para tratamento pode-se evitar danos mais sérios no futuro”, argumentou Flávio Vieira. Ele citou dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) que apontam que 80% dos casos de cegueira poderiam ser evitados por meio de métodos de prevenção e tratamento. De acordo com o pesquisador José Augusto Stuchi, também autor do projeto, apesar de existirem mais de 6 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência visual no Brasil, a maioria das nossas cidades (85%) não conta com oftalmologistas!
 

Os equipamento mais sofisticados nem sempre são a melhor solução

 
Além da facilidade de transporte do aparelho para uso em campanhas de saúde em lugares distantes, onde não há retinógrafos, o tamanho reduzido também pode ser útil no atendimento a crianças, acrescentou José Augusto Stuchi que é graduado em Engenharia da Computação. Ele disse que as crianças costumam ter mais dificuldade em se posicionar corretamente com a testa, queixo e cabeça em frente ao aparelho convencional. “Diagnosticar desde cedo uma doença possibilita que você previna e trate o paciente para que ele não fique cego. Por ano, 500 mil crianças perdem a visão no mundo e 80% de todos os casos de cegueira do planeta são evitáveis”, enfatiza o jovem  pesquisador. Ele foi o apresentador da inovação no concurso brasileiro e deve representar o Brasil na competição mundial em nome dos seus outros dois parceiros, Diego Lencione e Flávio Vieira. Eles exemplificam bem o que pode vir a ser um futuro sustentável no Brasil, onde muitos dos problemas poderiam ser resolvidos com pesquisa e inovação tecnológica.
 
 
Fontes: Agência Brasil
            www.folhaverdenews.com

10 comentários:

  1. O SRC consiste em um conjunto ótico e eletrônico que, acoplado a um Smartphone de boa qualidade, permite obter imagens de alta resolução do fundo do olho, o que adianta avaliações preventivas e tratamentos mais avançados.

    ResponderExcluir
  2. Este projeto inovador e de valor social surgiu há dois anos. O engenheiro de computação José Augusto Stuchi, o físico Diego Lencione e o engenheiro elétrico Flavio Vieira, os três ex-estudantes da Universidade de São Paulo (USP) informaram que O interesse em desenvolver esse tipo de equipamento surgiu a partir do irmão de um deles que tem problemas de visão causados por deslocamento de retina.

    ResponderExcluir
  3. Para desenvolver o produto, eles fundaram a startup Phelcom, em março deste ano, e contaram ainda com o financiamento do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

    ResponderExcluir
  4. Depois aqui nesta seção de comentários mais informações e você pode colocar direto aqui também a sua opinião ou mensagem, mas se preferir ou então precisar, envie sua msm para o e-mail da redação do nosso blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Outra opção para participar desta edição é contatar nosso editor de conteúdo aqui neste blog de ecologia e de cidadania (ligado também ao movimento científico): padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. "Tomara que o SRC fature o The Falling Walls Lab em Berlim no final deste ano para assim levar adiante de vez este equipamento que democratiza diagnósticos de oftalmologia, algo que o sistema de saúde pública e gratuita já deveria estar fazendo e ainda realmente não faz": comentário de José Ribamar, repórter de rádio em cidade satélite de Brasília (Sobradinho): "Por aqui não existe nem um só médico oftalmologista".

    ResponderExcluir
  7. "Importante o destaque a estes três jovens pesquisadores, eu estava conferindo na Agência Brasil o assunto e vi que segundo especialistas por estarmos no inverno aumentam as doenças dos olhos, enfim, é preciso agilizar a implantação de inovações tão úteis como o SRC": comentário de Humberto Morais, do Rio de Janeiro, engenheiro, hoje, empresário no setor hoteleiro.

    ResponderExcluir
  8. "Realmente, a chegada do inverno exige atenção, porque a época é propícia ao surgimento de doenças que podem comprometer a visão, conforme o alerta da oftalmologista Renata Rezende, professora de pós-graduação da PUC-Rio. Esta médica disse quentes que nesta época do ano, aumentam os riscos, diferentemente dos que moram em países da América do Norte, que passam por este problema durante a primavera": resumo do que noticiou a Agência Brasil e foi aqui nesta seção do blog relatado pelo engenheiro Humberto Morais.

    ResponderExcluir
  9. "Para conseguir este avanço, os três jovens pesquisadores se organizaram numa empresa tipo startup e buscaram o financiamento, no caso, do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). É necessário ampliar o apoio a jovens pesquisadores que virão outros bons frutos, a bem da nossa população e do avanço da ciência e da tecnologia por aqui": comentário de Geraldo Santos, jornalista que atua com rede de rádios no centro do país e localizou esta matéria no Google. Ele informa ainda que encaminhou esta informação para a Universidade Federal do Mato Grosso. A gente agradece, abraços aí, Geraldo.

    ResponderExcluir
  10. "Estes 3 pesquisadores desenvolveram o SRC em São Carlos, por aqui no interior paulista, criando um
    protótipo de retinógrafo portátil realiza procedimento de maneira prática e que é muito mais econômico do que os tradicionais, um avanço inovador mesmo": comentário de Jarbas Pinheiro, de São Carlos, que acompanhou por rádio notícias da pesquisa dos três jovens da USP, campus de São Carlos.

    ResponderExcluir

Translation

translation