sábado, 8 de julho de 2017

FUTURA GANDHI MALALA VAI FAZER UNIVERSIDADE NA INGLATERRA MAS PRETENDE VOLTAR AO PAQUISTÃO E LIDERAR O SEU POVO

Garota muçulmana que foi perseguida pelo Talibã e ganhou Nobel da Paz continua acreditando na educação para mudar o mundo sem violência agora quando está para fazer 20 anos e entrar numa das maiores universidades da Inglaterra: hoje de férias Malala volta a dizer que "um livro e uma caneta podem mudar o mundo"
 

Hoje uma estudante qualquer, amanhã um novo Gandhi?

 
A aventura de Malala Yousafzai chegava a um momento feliz no dia 12 de julho de 2013, ao completar dezesseis anos, quando ela falou no plenário das Nações Unidas sobre educação, luta e coragem, declarando, logo no início, que “não sabe ao certo o que as pessoas esperam dela mas eu sei o que posso fazer pelas pessoas". Malala desperta desconfianças por ser muçulmana, refugiada na Inglaterra mas também expectativas por sua história fora do comum para alguém tão jovem (ela está completando com boa aluna o curso médio e chega aos 20 anos como qualquer estudante preocupada com o seu futuro). Ela já foi aprovada para a Universidade Oxford onde escolheu fazer faculdade de Filosofia, Ciências Políticas e Econômicas), algo fora da imaginação para uma garota nascida numa região remota do Paquistão, em Mingora, no Vale do Swat. 4 anos após ser atacada pelo Talibã, Mala recuperou sua saúde e já está indo à luta: assim que se formar, pretende voltar a seu país e liderar o seu povo talvez como 1ª Ministra, com certeza, através da educação e da tolerância para criar uma nova realidade.


Aos 14 anos ela foi vítima de violência e virou refugiada
 

Agora disse ser como toda garota que pensa em buscar numa faculdade seu futuro

 
  
Com 16 anos ela pode ainda mudar de país, sendo bem acolhida no Reino Unido, para onde trouxe também seu pai professor e sua família. Sua trajetória, de menina paquistanesa que, no dia 9 de outubro de 2012, foi alvejada no rosto, em ataque assumido pelo grupo extremista Talibã, em resposta à sua luta por educação, tanto pela Internet como em dimensão internacional, com a divulgação pela grande mídia do seu discurso na ONU em comemoração aos seus 16 anos, hoje totalmente recuperada do atentado e do sofrimento, ainda desperta grande comoção nas pessoas à sua volta. O mundo conheceu a luta dessa jovem muçulmana por educação, igualdade e contra o extremismo religioso. Sem se deixar vencer ou silenciar (já que se salvou do ataque), nem se colocando como vítima, nem prometendo vingança ou declarando guerra a uns ou outros, Malala mostrou a força de suas ideias de não violência, através de delicadas, mas firmes palavras, declarando também com humildade "sou uma garota entre muitas”. Para nós, Malala mais do que um símbolo político é uma inspiração cultural e uma exceção em meio à atual Geração Z de crianças e de adolescentes na sociedade de consumo em todos os países do planeta, especialmente, os ocidentais. Ela nos leva a pensar que podemos transcender e vencer preconceitos, superar estereótipos e até a violência, criando um espaço para o diálogo e a busca da liberdade sem medo, com pluralidade, coragem e abertura, sem abrir mão em seus textos claros, de questões sérias e adultas para uma jovem e de debates com ideias que muitas vezes podem ser conflitantes sobre Oriente Médio e Mundo Muçulmano. Ela tem como foco o ser humano, acima das diferenças.


Com seu pai professor e familiares reconstruiu sua vida na Inglaterra
 

Na ONU falou na busca da não violência e da paz
 
 
De repente, quem sabe, Malala Yousafzai venha a crescer como a esperança das novas gerações para mudar o mundo e avançar o conteúdo da vida, evitando assim um caos no planeta e a partir do seu país, o Paquistão, ela possa inspirar a juventude de agora e todos os lugares do mundo a criar um futuro sustentável e feliz. Malala já está a caminho de transformar o seu sonho em realidade. (Antônio de Pádua Silva Padinha)


Aos 20 anos ela já virou livro, filme e quer ainda ajudar seu povo criar o futuro
 


Fontes: AFP - BBC - UOL - USP
             www.folhaverdenews.com
 
            

7 comentários:

  1. Depois mais tarde, por aqui nesta seção de comentários, atualização de informações sobre Malala Yousafzai e sua luta, símbolo dos refugiados e da educação. Aguarde nossa edição e confira.

    ResponderExcluir
  2. Você pode colocar aqui o seu comentário ou então se preferir ou precisar, envie a sua mensagem para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania navepad@netsite.com.br que postaremos aqui para você.

    ResponderExcluir
  3. Nesta edição estamos também com a proposta de discutir a Geração Z, que é também a de Malala, crianças, adolescentes e jovens que enfrentam as contradições da vida de agora: você pode contatar o nosso editor de conteúdo, mandando informações, mensagem ou material (foto, vídeo, reportagem) direto pro e-mail padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Acompanho a luta de Malala desde 2012 e 2013, via quando ganhou o Nobel da Paz e falou na ONU, agora fico feliz em sabe que vai fazer faculdade na Inglaterra e pensa em voltar pro Paquistão e ajudar o seu povo": comentário de Júlia Campos, de Salvador. Bahia, estudante na USP em São Paulo.

    ResponderExcluir
  5. "Os ideais de vida de Malala se mostram bem acima da média da chamada Geração Z, talvez por todos os sofrimentos que ela passou, amadureceu e creio que possa vir a ser mesmo uma líder": comentário de Eurico Mendes Silva, bacharel em Direito que se prepara para fazer o exame da OAB e advogar em São Paulo (SP).

    ResponderExcluir
  6. "Essa classificação de Geração Z realmente não serve para todos jovens, adolescentes e crianças atualmente, até acho que há um movimento contrário, similar ao que pensa e faz Malala, muitos estão com a cabeça no lugar e agindo pelos seus ideais de vida": comentário de Rodolfo Miranda, de Manaus (Amazônia), ele é de São Paulo, formado em engenharia e atua na Zona Franca.

    ResponderExcluir
  7. "Deus queira que Malala tenha a grandeza de seguir um caminho de mudanças tipo o que Gandhi fez na Índia e no mundo, enfim, o ser humano anda mesmo precisando de pessoas que nos tirem da mesmice do do caos": comentário de Januário Lepri, de São Paulo, técnico em Meteorologia.

    ResponderExcluir

Translation

translation