quarta-feira, 12 de julho de 2017

ATRAVÉS DE PLATAFORMA DIGITAL 'CLUBE DE ARTESANATO' DIVULGA PESQUISA SOBRE ESTE SETOR CRESCENTE NA ABERTURA DA FEIRA 2017 MEGA ARTESANAL EM SÃO PAULO

Megafeira começa hoje com pesquisa realizada com mais de 3,6 mil artesãos no país demostrando que esta atividade é uma grande opção diante da crise na realidade de hoje no Brasil

Crianças e jovens encontram várias formas de expressão e de arte pop

                  
O evento é um comércio de artesanato e também lazer cult
A Mega Artesanal, a maior feira de produtos e técnicas de artes manuais e artesanato da América Latina, apresenta ao público insumos, máquinas, ferramentas, acessórios, peças prontas, exposições, desafio de moda entre estudantes das escolas técnicas estaduais (ETECs), lançamentos de livros, performances de artistas, além de cerca de 10 mil vagas diárias em cursos e oficinas que são gratuitos em sua maioria, uma chance para se aprender alguma técnica de trabalho manual e aí a pessoa mostrar seu dom de arte e melhorar a renda, para sobreviver melhor em plena crise da economia e do desemprego no Brasil.  O evento vai de hoje até 16 de julho, na São Paulo Expo, que fica na Rodovia dos Imigrantes, km 1,5: vans gratuitas saem da Estação Jabaquara do Metrô todos os dias para a feira. O ingresso custa 20 reais, inteira; e 10, meia entrada, tem havido desde o ano passado um aumento no fluxo de turistas e a Mega Artesanal acaba sendo também uma alternativa de lazer cult para as férias das crianças, adolescentes e jovens.
O artesanato indígena é uma das atrações mais motivadoras
Há também artesãos e artesãs trabalhando ao vivo em fazer peças


A produção artesanal de objetos proporciona um complemento para a renda e é ainda um trabalho informal para a maioria dos artesãos, conforme apontou pesquisa, realizada pela plataforma digital Clube de Artesanato, sendo divulgada agora na abertura deste evento de arte e de lazer cultural que pode ser visitado pelo público em geral a partir desta 4ª feira na capital paulista. O levantamento, realizado com 3.649 entrevistados de todo o país, entre os meses de maio e junho, mostrou que apenas 17,7% dos artesões são legalizados como microempreendedor individual (MEI). A maioria permanece na informalidade, sendo que 45,8% disseram que não têm interesse em se registrar e 21,5% afirmaram que não saem da informalidade porque não têm incentivos do governo nem como arcar com os custos altos de uma empresa. "De acordo com a nossa pesquisa, 70% das pessoas fazem artesanato para vender entre amigos e familiares, apenas 8% têm uma pequena loja, o que comprova, mais uma vez, a informalidade neste ramo de negócio", avaliou Lucas Ferreira, gestor de marketing do Clube de Artesanato.
Brasília - Bonecas de barro tipo namoradeiras são exibidas no 9 Salão do Artesanato (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Somente 8% dos artesãos e artesãs levam esta atividade como profissão
 

Camila Boehm (repórter da Agência Brasil) nos informou que  a motivação de 49% dos entrevistados que trabalham com artesanato é a complementação da renda familiar: em 63% das residências, há apenas uma pessoa com trabalho fixo e, em momentos de crise, como agora, o artesanato ajuda 56% dos entrevistados. Além disso, 31% dos artesãos sustentam entre duas e quatro pessoas com a renda de seu trabalho que também revela o dom da arte e do encanto da cultura popular brasileira.


As festas juninas do nordeste estão no mapa da Mega Artesanal
“Muitas pessoas estão migrando hoje para o trabalho artesanal por uma dificuldade de recolocação no mercado e de novo emprego. O artesanato é uma solução prática e rápida para se gerar um complemento de renda. Frente ao momento econômico que o país vem atravessando, com quase 14 milhões de pessoas desempregadas (apesar do discurso dos políticos), o movimento do artesanato foi muito potencializado”, comentou Lucas Ferreira que mostrou este fato com vários dados. Ele destacou ainda que apesar da característica de auxílio na renda, o artesanato este especialista no setor tem a possibilidade de se tornar a fonte principal de faturamento para muita gente: "A maioria utiliza o artesanato como complemento de renda, o que naturalmente acontece. E podemos ver na feira, é que, mesmo como um complemento de renda, acaba que o negócio vai crescendo e aí aquela ação despretensiosa pode virar uma fonte de resultado financeiro, se torna uma profissão ou uma empresa, cresce e se torna um negócio de sucesso. Existem exemplos aqui na feira que o público vai poder observar isso feliz". Outra observação que de antemão já causa a melhor expectativa: a criatividade dos artistas do povo brasileiro é mesmo top. 
Artesanato nordestino encanta turistas estrangeiros
Fontes: Agência Brasil

5 comentários:

  1. "Eu fui até surpreendido com a riqueza de expressões do artesanato aqui nesse evento, desde criações que são étnicas, afrobrasileiras, indígenas, como também outras que revelam design, é muito gostosa essa atmosfera de negócio e também de lazer com arte": comentário de João Pedro, artesão de Embu das Artes, que nos mandou e-mail sobre a Mega Artesanal acontecendo agora em São Paulo.

    ResponderExcluir
  2. Mais tarde e amanhã com mais detalhes sobre este evento, que tem um alcance de América Latina, por aqui nesta seção de comentários mais informações. Aguarde nossa atualização de informações e venha conferir mais conteúdos este point de arte e de cultura popular, virando profissão por causa do desemprego no país.

    ResponderExcluir
  3. Você pode colocar direto aqui nesta seção a sua mensagem ou nos enviar fotos, vídeos, opinião ou informação por e-mail que envie para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania, via o webendereço navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Você também pode trocar informações e sugerir pautas ou matérias ou fazer críticas e comentários enviando o conteúdo pro nosso editor deste blog através do e-mail padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. "Dei uma passada hoje pela feira e curti muito, tudo muito bonito e divertido, vou voltar para fazer compras e me inscrever num curso gratuito de dança do Amazonas": comentário de Marina Azevedo Santos, de São Paulo, que fará faculdade de Arquitetura em 2018.

    ResponderExcluir

Translation

translation