terça-feira, 29 de agosto de 2017

INICIATIVA DE MACRON (FRANÇA) O PACTO ALTERNATIVO PELO MEIO AMBIENTE ESTÁ VIRANDO UM TRATADO MUNDIAL PARALELO MAIS MOBILIZADOR


Emmanuel Macron (presidente da França) e Arnold Schwarzenegger (exGovernador da Califórnia, USA)  lutam juntos pelo Pacto Mundial pelo Meio Ambiente e por diferentes interesses de cada um em colocar a ecologia na política: de toda forma, o pacto ou o tratado podem vir a ser um valioso instrumento de avanço rumo ao futuro sustentável que todos nós juntos precisamos urgentemente criar

 

Muita gente até aqui nos trópicos está entendendo e atendendo o aceno de Macron
 
Desde a sua campanha vitoriosa e a sua posse como Presidente da França, Macron já havia convocado os cientistas dos Estados Unidos (país de Donald Trump) a migrarem para a Europa e em especial para Paris, dentro da sua proposta de transformar os problemas ambientais (seja os do planeja, seja os de cada país) numa "emergência ecológica", como ele disse em sua entrevista à Rádio Televisão Portuguesa. Conforme reportagem de Rui Sá e João Fernando Ramos da RTP, o presidente francês foi claro: "Finalmente, está chegando a hora da ecologia na política". Por sua vez, marcando seu posicionamento anti Trump, o ator e ex-governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger, afirmou após se reunir várias vezes com o presidente da França que "é importante que possamos criar um futuro verde no mundo". Macron havia recebido Schwarzenegger pela ocasião do lançamento do Pacto Mundial pelo Meio Ambiente, que agora já se encaminha a se tornar um tratado internacional. Com certeza, o súbito amor de Schwarzenegger tem também inspiração política (no sentido de oposição nacioal a Donald Trump, firmando seu nome como eventual précandidato futuro a Presidente dos Estados Unidos). 


O bom de Trump é que une muita gente contra ele e a favor da ecologia

 
Arnold Schwarzeegger por ser também contra Trump é a favor da ecologia


Segundo o ator e político americano, a união com Macron é fantástica e como ele, diz estar apaixonado pelos assuntos de meio ambiente e pretende ser um grande líder nesta área para seu país e para o mundo. Schwarzenegger é fundador da iniciativa R20 – Regiões para Ação Climática, uma entidade da sociedade civil que ele criou já há 7 anos para auxiliar os governos a desenvolver projetos de desenvolvimento com baixas emissões de carbono e resiliência climática. O ex-governador da Califórnia argumentou ainda em entrevista à EFE que todos os países precisam e podem participar das iniciativas ambientais porque os problemas são de alcance mundial e de valor para cada povo ou cada ser humano. A sua mensagem é alinhada com as críticas ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que além de retirar os States do Acordo de Paris sobre a mudança climática, considera a luta ecológica "uma invenção chinesa". "Não existe um ar liberal ou um ar conservador. Todos respiramos o mesmo ar", argumentou ainda Schwarzenegger. O chamado Pacto Mundial pelo Meio Ambiente foi impulsionado, entre outros, por Laurent Fabius, que conduziu as negociações finais do Acordo de Paris quando era ministro das Relações Exteriores da França; pelo ex-secretário geral da ONU Ban Ki-moon, e pelo novo ministro francês da Transição Ecológica, Nicolas Hulot, além do próprio Schwarzenegger que sai do telão dos filmes para protagonizar uma aventura na realidade violenta e meio de hoje em dia em todo o planeta.

Mídia ambientalista apóia o Pacto da Ecologia

Segundo os sites brasileiros Envolverde e Carta Capital algumas autoridades do nosso país estão neste momento interessados em apoiar a iniciativa de Emmanuel Macron e participar dela, abrindo assim também uma porta de entrada na União Européia (UE) tanto em temas ecológicos, como em econômicos, o que tem sido uma procura de todo país latinoamericano nesta hora de crise.


Macron acena pro futuro da vida com o Pacto da Ecologia



Robert Hutchison, ativista ambiental, fez uma relação entre Trump e o Brexit, disse: “o surgimento do nacionalismo econômico e do populismo anticientífico criou um contexto inquietante no qual as mudanças climáticas devem ser pensadas e enfrentadas. Enquanto para a maioria das pessoas que estudam o assunto, a ciência das mudanças climáticas é complexa, mas clara o suficiente para não nos paralisar, e a economia da transformação de energia sem os combustíveis fósseis é convincente, a política permanece enganosa e difícil: temos a tecnologia dos deuses e a política das pessoas narcisistas”. Ao mesmo tempo, as forças progressistas avançam por caminhos inesperados. O presidente francês Emmanuel Macron lidera esta iniciativa que vai além do Acordo de Paris, o projeto de um pacto mundial ambiental que num futuro próximo será um Tratado internacional adotado até oficialmente pela Assembleia-Geral da ONU. A ideia é reunir num único texto todos os grandes princípios internacionais do direito ambiental e lhe conferir um caráter obrigatório, passível de ser controlado pela justiça internacional. Este acordo completaria o arcabouço jurídico constituído por tratados, acordos e convenções adotados pelas Nações Unidas além de um sobre os diretos civis e políticos e, outro sobre os diretos econômicos, sociais e culturais. A iniciativa quer acabar com o uso das fontes fósseis e nucleares de energia, além de controlar radicalmente os agrotóxicos e os OGMs. Depois que Trump anunciou que os EUA abandonariam o Acordo de Paris, vários Estados, cidades e empresas reiteraram seus compromissos para reduzir as emissões. Nesse caminho, uma iniciativa de Michael Bloomberg apresentada na COP-21, criou uma Força-tarefa para incentivar empresas a quantificarem os riscos climáticos do ponto de vista financeiro. O relatório final será apresentado aos líderes do G20 no encontro de cúpula marcado para Julho em Hamburgo. A iniciativa já recebeu o apoio de empresas que, juntas, somam um capital de US$ 3,5 trilhões, e de instituições financeiras responsáveis por ativos de cerca de US$ 25 trilhões. Essas mais de 100 corporações se comprometeram publicamente a apoiar as recomendações da Força-tarefa, um ato que comprova a importância da divulgação dos riscos e oportunidades relacionados ao clima.


Ecologistas do interior da França estão aderindo ao Pacto da Ecologia

8 comentários:

  1. Nem bem postamos esta matéria, hoje aqui às 15h no blog do movimento ecológico, científico e de cidadania, já recebemos novas informações, mensagens, contribuição e opiniões contra ou a favor do Pacto da Ecologia, proposto por Macron.

    ResponderExcluir
  2. Aguarde a nossa próxima edição (nas próximas horas) e venha conferir, participe você também, você pode postar direto aqui a sua mensagem ou se preferir ou precisar envie este conteúdo por e-mail para a redação deste blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Outra opção é você enviar um e-mail direto pro nosso editor de conteúdo deste blog, com a sua informação ou comentário, podendo também nos enviar material como vídeo ou fotos ou noticias, mande a mesnagem para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "A coisa estão tão ruim que vou desde já me aderindo a este Pacto da Ecologia, mesmo que seja proposto por Macron and Schwarzeegger, é um dos poucos canais para nossa luta avançar seja onde for, aqui ou no mundo todo": comentário de José Pedro Miranda, que faz doutorado em Economia Verde na UFRJ.

    ResponderExcluir
  5. "Fora Trump. Isso melhorará muito o planeta": comentário de Mariana Morais, estudante de Direito na PUC de Minas Gerais em BH.

    ResponderExcluir
  6. "A entrevista da socióloga holandesa Saska Sassen no fundo dá o contexto para a gente compreender este Pacto do Meio Ambiente de Macron e da Europa": comentário de Luiz Alves Pereira Santos, de São Paulo (SP), advogado, militante da OAB.

    ResponderExcluir
  7. "El Estado de California se presentó este lunes como el líder mundial en la lucha contra el cambio climático con un simposio en la capital, Sacramento, en el que participaron representantes y expertos de los dos últimos Gobiernos para mostrar que aquí este tema se considera una política de Estado, por encima de diferencias partidistas. El acto supuso la vuelta a un escenario político del exgobernador Arnold Schwarzenegger, que dejó el cargo en enero de 2011. En el marco de las negociaciones para un futuro nuevo acuerdo sobre cambio climático, que la ONU quiere conseguir en el año que viene, el título del encuentro era La negociación global sobre el clima: lecciones desde California. "Alguien pensará que es presuntuoso", dijo Matt Rodriguez, secretario de Protección Ambiental del Estado. "Pero llevamos una década liderando el mundo" con programas contra el cambio climático. "Vamos a llegar al 33% de energías renovables en 2020, tenemos 100.000 coches eléctricos, tenemos un mercado de emisiones que es un modelo para el mundo": comentário de Pedro Alvarez, que nos envia esta notícia para dizer que confia em Arnold Schwarzeegger na luta pela ecologia, Alvarez é de origem espanhola e atua como importador em São Paulo (SP).




    ResponderExcluir
  8. "Este vídeo sobre globalização e economia atual com a socióloga da Holanda Saska Sassen vale pela informação e pela crítica, que se adapta bem à realidade Brasil": comentário de Agenor Maria, de Santos (SP), ex-portuário que virou advogado trabalhista.

    ResponderExcluir

Translation

translation