domingo, 27 de agosto de 2017

SECA NA AMAZÔNIA: É O QUE FALTAVA PARA EXPLICITAR A FALTA DE GESTÃO AMBIENTAL SUSTENTÁVEL DOS GOVERNOS DO PAÍS E DO ESTADO


Calhas dos rios Juruá e Purus estão em estado de alerta por causa da estiagem que afeta também o rio Madeira: sul e sudeste do Amazonas já mostram sinais de secura hoje a dano da qualidade de vida da população destas regiões, antes, um paraíso em recursos hídricos 



A sul e sudeste da Amazônia sinais de seca nordestina


Rios caudalosos já não são o cenário de toda região amazônica


Baixo nível de água nestes rios já vinha deixando desta a semana passada 11 municípios em estado de atenção, mas agora, depois de visita técnica da Defesa Civil foi constado que a estiagem agravou a situação de 9 destas cidades e microrregiões, passando agora para estado de alerta, tamanho são os riscos do meio ambiente e da saúde pública, até mesmo do abastecimento de água da população. Ainda ontem a repórter da Agência Brasil, Bianca Paiva noticiava estes fatos, surpreendendo muita gente no Brasil e no exterior. Editora da mesma agência de notícias, Amanda Cienglinski reuniu para todos todas as informações sobre este problema realmente dramático e inédito. Estas comunidades já  vinham enfrentando variados impactos socioeconômicos, como dificuldades no escoamento da produção agrícola e no abastecimento de água ou suprimentos, agora, pior ainda. Claro que técnicos governamentais culpam eventos climáticos que em larga escala têm induzido a diminuição da precipitação de chuvas, principalmente, na região sul e também sudeste do do estado do Amazonas, porém, antes da situação chegar a esse ponto não existia nenhum programa de gestão ambiental sustentável para prevenir e evitar algo que os cientistas em várias pesquisas já vinham alertando. Há entre as causas também o desmatamento de áreas florestais que viram pastagens e o uso de agrotóxicos em plantações de soja, tudo levando a uma crise sem igual na história da Amazônia. De nada adianta, embora seja necessária a constatação da equipe técnica que se deslocou para estas regiões só para ver como está a situação de impacto dessa estiagem que está se configurando nessas áreas. Medidas mais efetivas e sustentáveis serão tomadas agora? Rádios e jornais destas regiões afetadas noticiaram que houve um agravamento nos últimos dias da situação, sendo urgente mobilizar a estrutura da Defesa Civil para atender especialmente as populações que poderão até ficar isoladas. É uma emergência de socorro mas não se sabe de providências estruturais para evitar que outras áreas da Amazônia venham também a sofrer esta seca, fazendo a região mais rica em águas do Brasil ali em torno dos rios Purus, Juruá e Madeira se assemelharem ao norte de Minas e ao nordeste do país.A Amazônia vai acabar virando uma paisagem semiárida? Até por aqui neste blog de ecologia e de cidadania Folha Verde News a gente informou dias atrás que pesquisas de alguns cientistas a serviço da ONU alertavam que do jeito e no rítmo que as coisas vão indo partes do Amazonas vão logo virar savana, primeiro passo para uma desertificação completa. Só faltava isso, a Amazônia ter focos de deserto com tantos rios e florestas.



Sinais de seca ao longo dos rios Juruá, Purus e Madeira alertam

Não é de hoje que cientistas pesquisam e alertam sobre estiagens



Cenário na região do Madeira parece cena do norte de Minas Gerais

 Bem, mas com a emissão do estado de alerta e um potencial crescente de emergência nestas áreas já agora, defesas civis municipais, estadual e federal anunciam, só agora, que vão começar a atuar para diminuir os impactos a população afetada pela estiagem. As ações estarão concentradas hoje em nove municípios: Guajará, Eirunepé, Itamarati, Ipixuna e Envira, na calha do Juruá; e Boca do Acre, Canutama, Lábrea e Pauini, na calha do Purus. Conforme nos informam ecologistas de Manaus, a calha do rio Madeira "por enquanto" permanece "apenas" em estado de atenção, mas o alerta e a emergência já são uma possibilidade, tudo isso faz com que setores de toda a população e das mídias regionais mais independentes questionem as autoridades governamentais. Seca na Amazônia sinalizará um SOS socioambiental no Brasil, carente de medidas estruturais na área ambiental e de um programa sustentável de desenvolvimento, em geral, as autoridades estão quase sempre mais interessadas em proclamar o lucro do agronegócio na Amazônia, este país ruralista poderá nos levar a um caos no meio ambiente (não só lá mas também no Cerrado, no centrosul e no sudeste brasileiro, a dano da condição humana de vida da maioria da população, ela que mais sofre, lado a lado com a nossa natureza. 

Povo ribeirinho do Rio Purus impactado pela falta de chuvas

Falta de gestão ambiental sustentável desequilibrará até a Amazônia?


Fontes: Agência Brasil - El Pais - acritica.com
              www.folhaverdenews.com

7 comentários:

  1. Site acrítica.com de Manaus (AM) comenta que a falta de chuvas que afeta as calhas dos rios Purus, Juruá e Madeira, no Amazonas, começou a prejudicar a população. Dificuldades de navegação e desabastecimento de água foram registrados nos municípios de Ipixuna, no Juruá, e Apuí, no Madeira.

    ResponderExcluir
  2. "Órgãos oficiais emitiram “estado de alerta” para quase todos os municípios da calha do Madeira. Esse é o segundo estágio de um desastre, que pode evoluir para uma “situação de emergência". Os municípios das calhas do Purus e Juruá se encontram nesta fase de maior gravidade há aproximadamente uma semana": comentário de Josimar Vieira, ligado ao movimento ecológico e de cidadania em Manaus, capital do Amazonas.

    ResponderExcluir
  3. Logo mais, aqui nesta seção de comentários, uma atualização das informações sobre este problema e você pode (e deve participar desta edição) enviando sua mensagem para o e-mail da redação deste nosso blog de ecologia navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Contate o nosso editor de conteúdo por e-mail para enviar informações ou material como vídeo ou fotos e comentários, envie para padinhafranca603@gmail.com Aqui nesta seção vc tb pode postar direto sua opinião.

    ResponderExcluir
  5. "215 famílias de 17 comunidades próximas a rios secundários estavam com dificuldades de navegação. Um trabalho de remoção de troncos de madeira foi feito para o restabelecimento do tráfego. Agora, outras comunidades localizadas próximas aos rios Liberdade, Açaituba e Gregório apresentam o mesmo problema, podendo vir a enfrentar isolanebto": comentário da Defesa Civil de Ipixuna em rádios como a Nacional da Amazônia.

    ResponderExcluir
  6. "Em Apuí, um dos municípios afetados pela estiagem, três dos nove bairros estão com o abastecimento de água comprometido, moradores da região estão sendo atendidos com carros-pipa e isso em plena Amazônia": comentário de Janaina Alves, de Lábrea, Amazonas, voluntária da Defesa Civil.

    ResponderExcluir
  7. Nosso blog, atendendo a pedidos de internautas amigos que nos contaram, está postando aqui a letra da música de Chico Buarque, videoclip de As Caravanas em nossa webpagina hoje:
    "É um dia de real grandeza, tudo azul
    Um mar turqueza à la Istambul enchendo os olhos
    Um sol de torrar os miolos
    Quando pinta em Copacabana

    A caravana do Arará — do Caxangá, da Chatuba
    A caravana do Irajá, o combio da Penha
    Não há barreira que retenha esses estranhos
    Suburbanos tipo muçulmanos do Jacarezinho
    A caminho do Jardim de Alá — é o bicho, é o buchicho é a charanga

    Diz que malocam seus facões e adagas
    Em sungas estufadas e calções disformes
    Diz que eles têm picas enormes
    E seus sacos são granadas
    Lá das quebradas da Maré

    Com negros torsos nus deixam em polvorosa
    A gente ordeira e virtuosa que apela
    Pra polícia despachar de volta
    O populacho pra favela
    Ou pra Benguela, ou pra Guiné

    Sol, a culpa deve ser do sol
    Que bate na moleira, o sol
    Que estoura as veias, o suor
    Que embaça os olhos e a razão

    E essa zoeira dentro da prisão
    Crioulos empilhados no porão
    De caravelas no alto mar
    Tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria

    Filha do medo, a raiva é mãe da covardia
    Ou doido sou eu que escuto vozes
    Não há gente tão insana
    Nem caravana do Arará"

    ResponderExcluir

Translation

translation