quinta-feira, 14 de setembro de 2017

PESQUISA MOSTRA REALIDADE DA JUVENTUDE: 47% DOS JOVENS NÃO ESTÃO ESTUDANDO E 34% NEM TRABALHAM NEM ESTUDAM (É E NÃO É BEM ISSO)


25% de jovens brasileiros da Geração Y estão desempregados hoje segundo pesquisa inédita feita pelo Centro de Inteligência Padrão (CIP








Cerca de 25% da Geração Y, que compreende jovens nascidos entre 1980 e 1996, estão desempregados. Elaine Patrícia Cruz, repórter da Agência Brasil, comenta que desse total, mais da metade (57%) está desempregada há mais de um ano. São alguns dados da pesquisa inédita realizada pelo Centro de Inteligência Padrão (CIP), em parceria com a empresa MindMiners, e divulgada no Congresso Nacional de Relacionamento Empresa-Cliente, em São Paulo: "A crise econômica com certeza pegou muitas dessas pessoas, muitos são qualificados, então, com certeza, saíram da faculdade e não tiveram uma oportunidade de trabalho. Mas vemos também que as empresas são muito engessadas e têm dado poucas oportunidades para quem tem pouca experiência”, explicou Danielle Almeida, gerente de marketing da MindMiners. Em resumo, são pessoas que tiveram boas oportunidades para estudar, tem currículos bons, falam várias línguas. O que falta é uma oportunidade no mercado de trabalho para a juventude crescer na realidade da vida.



A Geração Y em busca duma oportunidade na vida



A pesquisa do CIP ajuda a desmitificar a ideia que a chamada Geração Y seja preguiçosa, sem interesse em estudar ou trabalhar. “Temos alguns preconceitos que fazem com que nos preocupemos muito com esses jovens, na verdade não é uma geração mimada ou pouco comprometida com o trabalho, que fica na casa dos pais por comodismo. Essa pesquisa mostrou que muitos destes jovens se consideram pessoas esforçadas, trabalhadoras, estudiosas, dispostas a abrir mão de várias coisas como trabalhar fora de sua área original de formação, mudar de estado ou de país para ter uma oportunidade. O que talvez incomode é que ela tem valores muito diferentes da Geração X, que inclui as pessoas nascidas entre o início dos anos 1960 até o final dos anos 1970”,argumentou ainda a mkt Danielle Almeida: "Quando olhamos para a Geração X, vemos em geral uma juventude mais ligada à segurança, estabilidade,  preocupados em trabalhar em uma grande empresa e construir uma carreira ali dentro. Ela é na minha opinião a geração do ter, são acumuladores: compraram uma casa, um carro, uma casa no campo ou na praia. Já a Geração Y que estudamos é um pessoal que vê, sim, a importância de tudo isso que os pais construíram, mas eles buscam o ser. Eles querem estar em empresas que estejam, antes de tudo, conectadas com seu propósito de vida. Eles estão dispostos a abrir mão de horas de descanso, de trabalhar mais e de terem salários mais reduzidos ou até mudar de cidade, mas eles não estão dispostos a trabalhar em uma empresa que não respeita os direitos da mulher, por exemplo", resumiu ainda Danielle Almeida. 


Moçada ou rapaziada que sabe o que quer da vida




A pesquisa demonstrou, por exemplo, que a maioria desses jovens (68%) concorda em aceitar empregos que paguem menos ou fora de sua área de formação (82%). Quase metade dos entrevistados (45%) disse ainda que estaria disposta a trabalhar mais que 40 horas semanais. Estes jovens defendem que o compromisso com a igualdade e inclusão (44%) é importante dentro do ambiente de trabalho, além do incentivo à geração de novas ideias e melhorias (54%). A grande maioria (82%) dos entrevistados disse que gostaria de trabalhar em uma empresa em que não há diferença salarial entre homens e mulheres, enquanto 61% disseram que gostariam de trabalhar em uma empresa na qual se discute a questão da discriminação contra a mulher e o sexismo no ambiente de trabalho.


28% da Geração Y são hoje jovens desempregados

Uma juventude preocupada em ser e não só ter...


A pesquisa também apontou que quase metade dos entrevistados (47%) não estuda e, dentro desse universo, 34% não estuda e nem trabalha, o que tipifica a geração Nem Nem. “A chamada geração Nem Nem é um subgrupo da Geração Y, dentro desse subgrupo, estão contempladas as pessoas que hoje não trabalham e nem estudam. E, quando dizemos que não trabalham, na realidade são pessoas que estão desempregadas ou que nunca trabalharam”, definiu a coordenadora destes estudos, Danielle Almeida. Segundo a pesquisa, este universo de 34% de jovens que não estudam e nem trabalham é composto por 28% de pessoas desempregadas e 6% que nunca trabalharam. Este é um perfil bem próximo da realidade de agora. O estudo realizado pelo CIP ouviu mil jovens entre 18 e 32 anos, das classes A, B e C, em julho deste ano em São Paulo (SP). 


Geração Y: algumas definições

 
Fontes: Agência Brasil
             www.folhaverdenews.com

10 comentários:

  1. A Geração Y é composta por todos aqueles que nasceram entre 1980 e 1995. Algumas definições ainda consideram os nascimentos até o ano 2000, mas fato é que os chamados millennials são considerados também a geração jovem mais influente que já existiu.

    ResponderExcluir
  2. Também estão muito presentes numericamente: só os jovens adolescentes entre 10 e 24 anos somam 1,8 bilhões de pessoa e sua maior concentração está na Índia – onde moram 356 milhões desses jovens. O Brasil fica em 7º dentre os países com mais pessoas nessa faixa etária no mundo, com 51 milhões (dados da ONU).

    ResponderExcluir
  3. Essa geração, que veio depois dos baby-boomers (nascidos entre 1946 e 1964) e da Geração X (nascidos entre 1967 a 1977), é também considerada a mais influenciadora de outras faixas etárias, que abarcam as pessoas um pouco mais novas e um pouco mais velhas do que eles mesmos.

    ResponderExcluir
  4. São, também jovens inquietos – estão sempre em busca de novidade e nunca se acomodam ou defendem causas e marcas se não se sentirem totalmente representados por elas. Segundo uma pesquisa da Fundação Instituto de Administração (FIA/USP), 99% desses jovens dizem que só se mantêm envolvidos em atividades de que gostam, e 96% deles encaram o trabalho como uma ferramenta de realização pessoal – não mais uma necessidade ou obrigação. Essa inquietude se reflete também no mercado de trabalho: 56% dos profissionais dessa geração querem ser promovidos em um ano!...

    ResponderExcluir
  5. Os millennials tendem a priorizar experiências em vez de compras materiais: 72,9% dizem que seu maior sonho é viajar e conhecer outras culturas ao redor do mundo; 43% esperam ganhar o suficiente para ter uma vida confortável; menos de 10% declaram querer enriquecer; e os outros 43% esperam poder bancar pequenos luxos em seus futuros (dados da FAMECOS/PUC-RS).

    ResponderExcluir
  6. Uma geração tão plural quanto a Y, com enorme acesso a informações sobre tudo – e praticamente em qualquer lugar – não é tão fácil de ser convencida por discursos e anúncios. Os jovens da Geração Y são exigentes e estão sempre atentos: para eles, uma compra não representa apenas uma compra; significa principalmente valores éticos que eles querem passar para o seu círculo social, dentro e fora das redes sociais.

    ResponderExcluir
  7. De acordo com dados da Edelman, sete entre cada 10 pessoas se dizem leais às marcas que admiram, porém sua grande maioria (97%) também afirma não gostar de atitudes de produtos e serviços que sejam considerados por eles como antiéticas (Dados: FIA/USP e FAMECOS/PUC-RS). Ou seja: para serem consideradas relevantes para a Geração Y, celebridades e marcas têm que trazer consigo um discurso com posicionamentos claros sobre assuntos como sustentabilidade, racismo e homofobia. Para ser uma marca relevante e lembrada no dia a dia de seus clientes e potenciais clientes, conhecer seus hábitos e estilo de vida é fundamental. Saber como fazer isso? Por meio da pesquisa de mercado.

    ResponderExcluir
  8. Você pode também mandar sua opinião dentro desta pauta Geração Y pro e-mail da redação do nosso blog de ecologia navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  9. Geração Y, você pode contatar nosso editor de conteúdo deste blog para nos manndar vídeos, fotos, material para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  10. "O videoclip do Toim Zé =diz muito nesse tema, a pesquisa pode nos ajudar a encontrar um rumo nesse espaço sideral da realidade hoje": comentário de Esdras Roberto, estudante de Arquitetura, em São Paulo, que é de Goiânia (Go).

    ResponderExcluir

Translation

translation